RI­VI­E­RA FRAN­CE­SA

6 Se­le­ci­o­na­mos ci­da­des pou­co ex­plo­ra­das – po­rém, não me­nos des­lum­bran­tes – pa­ra in­cluir no seu roteiro pe­la ele­gan­te Cô­te d’azur e dei­xá-lo ain­da mais ex­clu­si­vo.

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Pa­trí­cia Che­min

Ci­da­des char­mo­sas, mui­to gla­mour e vis­tas de ti­rar o fô­le­go de qual­quer tu­ris­ta. A Ri­vi­e­ra Fran­ce­sa, co­nhe­ci­da tam­bém co­mo Cô­te d’azur, tem a fa­ma de ser um dos tre­chos mais ex­clu­si­vos e lu­xu­o­sos do li­to­ral eu­ro­peu des­de o fi­nal do sé­cu­lo XIX. O des­ti­no sem­pre atraiu vi­si­tan­tes ilus­tres, co­mo Re­noir e Pi­cas­so, além, cla­ro, de es­tre­las do ci­ne­ma.

Nes­sa fai­xa li­to­râ­nea de qua­se 200 km no su­des­te da Fran­ça, o Mar Me­di­ter­râ­neo exi­be um mar­can­te tom de azul. Prai­as ba­da­la­das e vi­las en­cra­va­das em ro­che- dos com­ple­tam o vi­su­al. Can­nes, Ni­ce e o Prin­ci­pa­do de Mô­na­co não po­dem fal­tar em um roteiro pe­la Ri­vi­e­ra Fran­ce­sa, mas, pa­ra quem qui­ser es­ten­der a es­ta­dia, há ou­tras de­ze­nas de pe­que­nas ci­da­des que va­lem a vi­si­ta.

Ao per­cor­rer cur­tas dis­tân­ci­as de car­ro ou de trem à bei­ra-mar, não é di­fí­cil en­con­trar ver­da­dei­ras joi­as pe­lo ca­mi­nho – mui­tos des­ses vi­la­re­jos são qua­se des­co­nhe­ci­dos pe­lo gran­de pú­bli­co, mas pro­me­tem en­can­tar com mui­ta be­le­za e a au­ten­ti­ci­da­de do “sa­voir-vi­vre” fran­cês.

An­ti­bes

Lo­ca­li­za­da en­tre Can­nes e Ni­ce, An­ti­bes res­pi­ra ar­te e cul­tu­ra. Seu am­bi­en­te ele­gan­te e as pai­sa­gens ba­nha­das pe­lo azul do Me­di­ter­râ­neo têm ins­pi­ra­do ar­tis­tas há dé­ca­das. Um de­les foi Pi­cas­so, que vi­veu ali em 1946. Seu es­tú­dio es­ta­va ins­ta­la­do no an­ti­go Cas­te­lo Gri­mal­di, que da­ta do sé­cu­lo XIV. Jun­to às mu­ra­lhas, tor­nou-se de­pois o Museu Pi­cas­so, com uma ex­ten­sa co­le­ção de obras que ele pro­du­ziu du­ran­te seu tem­po em An­ti­bes.

Per­to da­li, o Port Vau­ban é um dos mai­o­res por­tos de ia­tes par­ti­cu­la­res da Eu­ro­pa. An­tes de che­gar ao Qu­ai des Mil­li­ar­dai­res ou “Cais dos Mi­li­o­ná­ri­os”, ve­ja de per­to a fan­tás­ti­ca es­cul­tu­ra “Le No­ma­de”. No sul da pe­que­na pe­nín­su­la, es­tá Cap d’an­ti­bes, lo­cal pon­tu­a­do por pe­que­nas baías iso­la­das e man­sões de cair o quei­xo.

Èze

Per­ti­nho de Mô­na­co, Èze tem char­mo­sas cons­tru­ções em es­ti­lo pro­ven­çal e guar­da uma das vis­tas mais pri­vi­le­gi­a­das pa­ra o Mar Me­di­ter­râ­neo na re­gião. Na par­te mais al­ta do vi­la­re­jo, vo­cê vai en­con­trar res­tau­ran­tes pre­mi­a­dos, a igre­ja da ci­da­de, o Jar­din Exo­ti­que (jar­dim bo­tâ­ni­co) e as tra­di­ci­o­nais per­fu­ma­ri­as Ga­li­mard e Fra­go­nard, além das ruí­nas de um cas­te­lo me­di­e­val.

Ca­mi­nhe pe­lo la­bi­rin­to de ru­e­las es­trei­tas, en­tre la­dei­ras e es­ca­da­ri­as. Em Èze, o fi­ló­so­fo ale­mão Ni­etzs­che es­cre­veu par­te de uma de su­as mais fa­mo­sas obras. Por is­so, a trilha que li­ga a par­te al­ta da ci­da­de à área à bei­ra-mar foi no­me­a­da em sua ho­me­na­gem: Che­min de Ni­etzs­che. É uma ca­mi­nha­da de qua­se 2 km de ex­ten­são, mas as pai­sa­gens re­com­pen­sam to­do o es­for­ço.

Vil­le­fran­che-sur-mer

Com um es­ti­lo ar­qui­tetô­ni­co que lem­bra a Cos­ta Amal­fi­ta­na, na Itá­lia, a pe­que­na Vil­le­fran­che-sur-mer con­tor­na a baía de mes­mo no­me, que cos­tu­ma exi­bir ali águas de um es­ton­te­an­te tom azul tur­que­sa. Bem ao la­do de Ni­ce, guar­da ru­as char­mo­sas cal­ça­das de pe­dras e al­guns te­sou­ros his­tó­ri­cos – já que foi fun­da­da no fi­nal do sé­cu­lo XIII.

En­tre eles es­tão a Ci­da­de­la de Saint-el­me, uma for­ta­le­za me­di­e­val de­bru­ça­da so­bre o mar, e o For­te do Mon­te Al­ban. Ou­tro lu­gar cu­ri­o­so é a Rue Obs­cu­re, uma es­trei­ta pas­sa­gem que foi trans­for­ma­da em tú­nel ain­da no sé­cu­lo XVI.

Per­to do por­to dos ia­tes, há vá­ri­os ca­fés e res­tau­ran­tes de fru­tos do mar e cu­li­ná­ria fran­ce­sa – mui­tos têm me­si­nhas ao ar li­vre, a dois pas­sos das águas cris­ta­li­nas da baía. Se o dia es­ti­ver quen­te, va­le um mer­gu­lho na Pla­ge des Ma­ri­niè­res.

Men­ton

Men­ton é a ci­da­de mais a les­te da Ri­vi­e­ra Fran­ce­sa, já na fron­tei­ra com a Itá­lia. Seu in­con­fun­dí­vel pa­no­ra­ma é for­ma­do pe­la in­fi­ni­da­de de ca­sas co­lo­ri­das em tons de ama­re­lo, ro­sa e la­ran­ja, em um be­lo con­tras­te com o mar azul. A ci­da­de pos­sui uma sé­rie de se­me­lhan­ças com o país vi­zi­nho – a co­me­çar pe­la ar­qui­te­tu­ra.

A at­mos­fe­ra é de uma tí­pi­ca ci­da­de bal­neá­rio ita­li­a­na. A ave­ni­da à bei­ra-mar é la­de­a­da por pal­mei­ras, um cal­ça­dão e uma sé­rie de res­tau­ran­tes, ca­fés, bis­trôs e sor­ve­te­ri­as com me­sas ao ar li­vre. Tam­bém há bo­as prai­as de águas cris­ta­li­nas com al­guns tre­chos de areia.

Um pas­seio a pé pe­lo cen­tro de Men­ton tam­bém ren­de bo­as sur­pre­sas. Por ali não fal­tam res­tau­ran­tes e bou­ti­ques. Não dei­xe de co­nhe­cer a Igre­ja de SaintMi­chel e a Cha­pel­le des Pé­ni­tents Blancs, cu­jos cam­pa­ná­ri­os mar­cam o car­tão-pos­tal da ci­da­de.

Cag­nes-sur-mer

A pou­cos quilô­me­tros a oes­te de Ni­ce, Cag­nes-surMer de­ve mui­to de sua fa­ma a Pi­er­re-au­gus­te Re­noir. O gran­de pin­tor im­pres­si­o­nis­ta pas­sou os úl­ti­mos anos de sua vi­da nes­se vi­la­re­jo, por mo­ti­vos de saúde. A ca­sa on­de ele mo­rou, cer­ca­da por mui­tas ár­vo­res e com vis­ta pa­ra a ci­da­de, é ago­ra um museu. Es­sa lin­da pro­pri­e­da­de foi re­tra­ta­da em vá­ri­os qua­dros de Re­noir. Além de obras ori­gi­nais, o Mu­sée Re­noir guar­da mó­veis e ob­je­tos que per­ten­ce­ram ao ar­tis­ta.

O char­mo­so cen­tro his­tó­ri­co de Cag­nes-sur-mer fi­ca so­bre uma co­li­na com vis­ta pa­ra o Me­di­ter­râ­neo. Ali fi­cam ru­as es­trei­tas, an­ti­gas ca­si­nhas de pe­dra em es­ti­lo pro­ven­çal e o Châ­te­au Gri­mal­di, que fun­ci­o­na co­mo um museu e es­tá no pon­to mais al­to da vi­la.

Cag­nes-sur-mer tam­bém tem um dos me­lho­res lu­ga­res pa­ra com­pras na re­gião: tra­ta-se do Poly­go­ne Ri­vi­e­ra, um mo­der­no shop­ping aber­to com mar­cas de rou­pas com pre­ços bem aces­sí­veis.

Saint-paul-de-ven­ce

A pe­que­na Saint-paul-de-ven­ce pro­va que os char­mes da Cô­te d’azur não se re­su­mem ao li­to­ral. A re­gião en­glo­ba al­guns vi­la­re­jos que não es­tão à bei­ra-mar, co­mo é o ca­so de Saint-paul-de-ven­ce, per­ti­nho de Ni­ce e de Cag­nes-sur-mer. Seu com­pac­to cen­tro his­tó­ri­co é de­li­mi­ta­do por mu­ra­lhas me­di­e­vais e lo­ca­li­za­do so­bre um ro­che­do.

Ru­as es­trei­tas e ca­sas de pe­dra ga­ran­tem lin­dos ce­ná­ri­os a ca­da es­qui­na – is­so sem con­tar as vis­tas pa­ra as man­sões e mon­ta­nhas ao re­dor. Ou­tro des­ta­que de Saint-paul-de-ven­ce é seu la­do ar­tís­ti­co, já que abri­ga vá­ri­as ga­le­ri­as de ar­te e a Fon­da­ti­on Ma­eght – um museu de ar­te mo­der­na que reú­ne obras de Cha­gall, Mi­ró e Gi­a­co­met­ti, en­tre mui­tos ou­tros mes­tres.

Se­le­ci­o­na­mos seis ci­da­des pou­co ex­plo­ra­das pa­ra in­cluir no seu roteiro pe­la ele­gan­te Cô­te d’azur.

À es­quer­da, o Port Vau­ban, em An­ti­bes, um dos mai­o­res por­tos de ia­tes da Eu­ro­pa. Abai­xo, o Museu Pi­cas­so, tam­bém em An­ti­bes; uma das char­mo­sas ru­as de Èze e a vis­ta pa­ra o Mar Me­di­ter­râ­neo a par­tir da par­te al­ta de Èze.

Aci­ma, o be­lo pa­no­ra­ma da cos­ta de Vil­le­fran­che-sur-mer, em tor­no da baía. Ao la­do, rua de pe­dras que con­duz ao co­ra­ção da ci­da­de ve­lha, cheia de te­sou­ros his­tó­ri­cos.

Com mui­tas in­fluên­ci­as ita­li­a­nas, Men­ton é ca­rac­te­ri­za­da pe­la pro­fu­são de co­res de su­as cons­tru­ções. Va­le um pas­seio pe­lo la­bi­rin­to de ru­as do cen­tro.

Com um char­mo­so es­ti­lo ar­qui­tetô­ni­co pro­ven­çal, o cen­tro his­tó­ri­co de Cag­nes-sur-mer fi­ca so­bre uma co­li­na com vis­ta pa­ra o mar. Abai­xo, praia e uma das ru­as do vi­la­re­jo.

Os en­can­tos de Saint-paul-de-ven­ce es­tão em su­as cons­tru­ções de pe­dra e ru­as es­trei­tas de­li­mi­ta­das por uma mu­ra­lha me­di­e­val.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.