CHILE

Lo­ca­li­za­do em meio a um ce­ná­rio re­ple­to de be­le­zas na­tu­rais, co­nhe­ça o cen­tro de es­qui mais ex­clu­si­vo do Chile

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Pa­trí­cia Che­min

Lo­go ao acor­dar, a pai­sa­gem que vo­cê ve­rá da ja­ne­la do seu quar­to se­rá pri­vi­le­gi­a­da: um pa­no­ra­ma des­lum­bran­te das mon­ta­nhas ne­va­das dos An­des em to­da sua gran­de­za. Es­se pa­raí­so de in­ver­no en­cra­va­do em ple­na cor­di­lhei­ra é Por­til­lo, cen­tro de es­qui lo­ca­li­za­do a 2.880 me­tros de al­ti­tu­de no Chile, per­to da fron­tei­ra com a Argentina e a 140 km de San­ti­a­go.

Iso­la­do de cen­tros ur­ba­nos, o lo­cal foi fei­to pa­ra vo­cê se des­co­nec­tar. Bem ex­clu­si­vo, tem ca­pa­ci­da­de to­tal pa­ra ape­nas 450 hós­pe­des – ou se­ja, na­da de fi­las ou aglo­me­ra­ções. Por­til­lo é tra­di­ci­o­nal­men­te as­sim mes­mo, bem in­ti­mis­ta e aco­lhe­dor, com ser­vi­ços de óti­ma qua­li­da­de e uma equi­pe de fun­ci­o­ná­ri­os sim­pá­ti­cos e aten­tos, que lo­go no se­gun­do dia já vão até sa­ber o seu no­me.

As ins­ta­la­ções são his­tó­ri­cas, com a inau­gu­ra­ção do Ho­tel Por­til­lo em 1949, quan­do ain­da per­ten­cia ao go­ver­no chi­le­no. Mes­mo com tan­tos anos na bagagem, o de­sign do ho­tel é mo­der­no pa­ra a épo­ca de sua cons­tru­ção, com o pré­dio em for­ma­to cur­vo e sua icô­ni­ca fa­cha­da ama­re­la. Além dis­so, quar­tos e ba­nhei­ros fo­ram re­cen­te­men­te re­no­va­dos. Os es­pa­ços co­muns guar­dam um ar clás­si­co e de pu­ro acon­che­go, ins­pi­ra­dos nas tra­di­ci­o­nais ca­ba­nas de ma­dei­ra das mon­ta­nhas.

Já as pis­tas de es­qui es­tão es­pa­lha­das no en­tor­no do pe­que­no va­le on­de fi­cam o ho­tel e a La­gu­na del In­ca, nas en­cos­tas de enor­mes mon­ta­nhas cu­jos cu­mes che­gam a mais de 4.000 me­tros aci­ma do ní­vel do mar. As óti­mas con­di­ções de es­qui de Por­til­lo são re­co­nhe­ci­das in­ter­na­ci­o­nal­men­te, tan­to que o em­pre­en­di­men­to re­ce­be tu­ris­tas de to­do o mun­do e até equi­pes olím­pi­cas de es­qui de ou­tros paí­ses. Em 1966, che­gou a se­di­ar o Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de Es­qui Al­pi­no – o úni­co já re­a­li­za­do na Amé­ri­ca do Sul.

Es­qui e snow­bo­ard

O cen­tro de es­qui de Por­til­lo fun­ci­o­na na tem­po­ra­da de in­ver­no, que co­me­ça em me­a­dos de ju­nho e du­ra de 15 a 16 se­ma­nas, até o co­me­ço de ou­tu­bro. Nes­se pe­río­do, to­da a pai­sa­gem es­tá co­ber­ta por uma boa ca­ma­da de ne­ve bran­qui­nha. Mas não se pre­o­cu­pe com o frio – use rou­pas ade­qua­das pa­ra as tem­pe­ra­tu­ras ne­ga­ti­vas e apro­vei­te os am­bi­en­tes fe­cha­dos, que pos­su­em ca­le­fa­ção.

Pa­ra ter uma ex­pe­ri­ên­cia com­ple­ta em Por­til­lo, va­le en­ca­rar o es­qui ou o snow­bo­ard. Há 500 hec­ta­res de área es­quiá­vel e pis­tas de to­dos os ta­ma­nhos e ní­veis

de di­fi­cul­da­de, das fá­ceis às avan­ça­das, sen­do que a mai­or de­las tem qua­se 2,5 km de ex­ten­são. Mes­mo quem nun­ca es­qui­ou vai con­se­guir des­li­zar nas pis­tas pa­ra ini­ci­an­tes lo­go nas pri­mei­ras ten­ta­ti­vas. A adre­na­li­na e a sen­sa­ção de li­ber­da­de vão fa­zer vo­cê fi­car apai­xo­na­do pe­lo es­por­te.

Por­til­lo tem uma re­no­ma­da es­co­la de es­qui, que ofe­re­ce au­las pri­va­das ou em gru­po pa­ra to­das as ida­des, sem­pre com acom­pa­nha­men­to de ex­pe­ri­en­tes ins­tru­to­res, o que é per­fei­to pa­ra os prin­ci­pi­an­tes. Há tam­bém um “kids camp” pa­ra cri­an­ças de qua­tro a seis anos. Aliás, os pe­que­nos cos­tu­mam ter ain­da mais fa­ci­li­da­de do que os adul­tos pa­ra apren­der a es­qui­ar.

To­dos os equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a prá­ti­ca

Um ce­ná­rio re­ple­to de be­le­zas na­tu­rais e um ex­clu­si­vo cen­tro de es­qui.

O cen­tro de es­qui de Por­til­lo fi­ca a 2.880 me­tros de al­ti­tu­de, en­tre as be­las mon­ta­nhas ne­va­das dos An­des. São 500 hec­ta­res de área es­quiá­vel, com pis­tas tan­to pa­ra os mais ex­pe­ri­en­tes quan­to pa­ra os prin­ci­pi­an­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.