CA­SA­BLAN­CA

Fa­mo­sa pe­lo fil­me de mes­mo no­me, a ci­da­de é o prin­ci­pal des­ti­no tu­rís­ti­co do país. Cos­mo­po­li­ta, agi­ta­da e mo­der­na, reú­ne cons­tru­ções his­tó­ri­cas, mes­qui­tas e a an­ti­ga me­di­na

Qual Viagem - - SUMÁRIO - POR RO­BER­TO MAIA

Fa­mo­sa pe­lo fil­me de mes­mo no­me, cos­mo­po­li­ta e mo­der­na, reú­ne cons­tru­ções his­tó­ri­cas,mes­qui­tas e a an­ti­ga me­di­na.

Mar­ro­cos é um da­que­les des­ti­nos que qu­em gos­ta de vi­a­jar so­nha em um dia co­nhe­cer. A hos­pi­ta­li­da­de do po­vo mar­ro­qui­no e a di­ver­si­da­de de ce­ná­ri­os no país im­pres­si­o­nam os vi­si­tan­tes. Con­si­de­ra­da uma das ci­vi­li­za­ções mais an­ti­gas do mun­do, re­ce­beu in­fluên­cia ára­be, ber­be­re, afri­ca­na e eu­ro­peia, que po­de ser vis­ta e apre­ci­a­da na cul­tu­ra, gas­tro­no­mia, ar­qui­te­tu­ra e nas ar­tes.

Ape­sar de não ser o prin­ci­pal des­ti­no tu­rís­ti­co do Mar­ro­cos, Ca­sa­blan­ca, a mai­or ci­da­de do país me­re­ce ser in­cluí­da nos ro­tei­ros de vi­a­gem, mes­mo que se­ja en­tre uma co­ne­xão e ou­tra da Royal Air Ma

roc, com­pa­nhia aé­rea mar­ro­qui­na que tem vo­os di­re­tos a par­tir de São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro.

Prin­ci­pal cen­tro co­mer­ci­al e fi­nan­cei­ro do Mar­ro­cos, a ci­da­de tam­bém é mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da pe­lo fil­me do mes­mo no­me. Sem dú­vi­da é um des­ti­no que vi­ve no ima­gi­ná­rio de qu­em gos­ta de ci­ne­ma. Ela ga­nhou fa­ma in­ter­na­ci­o­nal por cau­sa do fil­me “Ca­sa­blan­ca”, de 1942, es­tre­la­do por Humph­rey Bo­gart e In­grid Berg­man. Em­bo­ra ne­nhu­ma ce­na te­nha si­do gra­va­da lá, é con­si­de­ra­do um dos mai­o­res fil­mes da his­tó­ria do ci­ne­ma ame­ri­ca­no. Foi in­di­ca­do a oi­to Os­car e le­vou três es­ta­tu­e­tas: Me­lhor Fil­me, Me­lhor Di­re­tor (Mi­cha­el Cur­tiz) e Me­lhor Ro­tei­ro.

O clás­si­co da Sé­ti­ma Ar­te con­ta a his­tó­ria do ame­ri­ca­no Rick Blai­ne, que vi­ve e tra­ba­lha na ci­da­de mar­ro­qui­na. Ele é pro­pri­e­tá­rio do Rick’s Ca­fé, lo­cal fre­quen­ta­do por na­zis­tas, fun­ci­o­ná­ri­os fran­ce­ses, re­fu­gi­a­dos e até cri­mi­no­sos. Um gran­de amor do seu pas­sa­do, Il­sa Lund, res­sur­ge no seu bar ao la­do do ma­ri­do, Vic­tor Lasz­lo, he­rói da re­sis­tên­cia tche­ca. O re­en­con­tro re­a­cen­de o amor en­tre os ex-aman­tes. Pa­ra se sen­tir no cli­ma do fil­me, va­le uma vi­si­ta ao

Rick’s Ca­fé Ca­sa­blan­ca. A ca­sa ele­gan­te foi cons­truí­da em uma an­ti­ga man­são con­tra as mu­ra­lhas da Me­di­na – a par­te mais an­ti­ga da ci­da­de. Apre­sen­ta ex­ce­len­te me­nu, boa car­ta de vi­nhos e, cla­ro, o pi­a­nis­ta Sam pa­ra to­car “As ti­me go­es by”, no­va­men­te.

A ci­da­de com­bi­na in­fra­es­tru­tu­ras mo­der­nas e bair­ros an­ti­gos. Na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo 20, qu­an­do ain­da vi­via sob o pro­te­to­ra­do fran­cês, ar­qui­te­tos eu­ro­peus mu­da­ram o vi­su­al de Ca­sa­blan­ca. Por is­so, apre­sen­ta di­ver­sos edi­fí­ci­os com fa­cha­das em es­ti­lo

art nou­ve­au e art de­co – prin­ci­pal­men­te no Bou­le­vard Moham­med V.

A ci­da­de con­cen­tra a mai­or par­te da in­dús­tria de Mar­ro­cos e é des­ti­no de mui­tos na­vi­os de cruzeiros. Tem um gran­de por­to, cons­truí­do em 1919, e pa­ra gui­ar as em­bar­ca­ções, o fa­rol El Hank (161 me­tros

de al­tu­ra) rei­na so­be­ra­no. No cen­tro es­tão a Pra­ça Moha­med V e as ca­te­drais de Sa­cré Co­eur e de No

tre Da­me. Ao Sul, o bair­ro de Ha­bous lem­bra o pe­río­do co­lo­ni­al fran­cês. Cons­truí­do na dé­ca­da de 1920, guar­da ru­as pi­to­res­cas, pe­que­nas pra­ças e ar­cos de pe­dra.

Vi­ra­da pa­ra o Oce­a­no Atlân­ti­co, Ca­sa­blan­ca tem um cal­ça­dão a bei­ra-mar, o La Cor­ni­che re­ple­to de ba­res, res­tau­ran­tes e clu­bes com pis­ci­nas pri­va­ti­vas. A praia não tem um vi­su­al bo­ni­to co­mo as que es­ta­mos acos­tu­ma­dos no Bra­sil, mas é mui­to pro­cu­ra­da pe­los mar­ro­qui­nos. Por cau­sa dos cos­tu­mes cul­tu­rais e re­li­gi­o­sos, a mai­o­ria en­tra na água usan­do rou­pas.

MESQUITA HASSAN II

Mai­or des­ta­que tu­rís­ti­co lo­cal, a mesquita Hassan II é con­si­de­ra­da uma das mais be­las do mun­do. Com um mi­na­re­te de 200 me­tros de al­tu­ra é a mais al­ta do pla­ne­ta. Um equi­pa­men­to emi­te rai­os de la­ser du­ran­te a noi­te, apon­tan­do em di­re­ção a Me­ca e po­dem ser vis­tos por mui­tos quilô­me­tros. A obra que te­ve iní­cio em 1985 e inau­gu­ra­da em 1993, foi pro­je­ta­da pe­lo ar­qui­te­to fran­cês Mi­chel Pin­se­au e foi edi­fi­ca­da com vis­ta pa­ra o Atlân­ti­co - pa­re­ce que pai­ra so­bre as águas - e cus­tou apro­xi­ma­da­men­te 600 mi­lhões de eu­ros. Mi­lha­res de ope­rá­ri­os e ar­te­sões mar­ro­qui­nos tra­ba­lha­ram na obra que tem 78 pi­la­res de gra­ni­to, már­mo­re e ónix. A es­me­ra­da de­co­ra­ção tem mo­sai­cos em ce­dro, már­mo­res, azu­le­jos, bron­ze e ou­ro.

Gran­di­o­sa, o prin­ci­pal sa­lão de ora­ções tem 20 mil me­tros qua­dra­dos e ca­pa­ci­da­de pa­ra re­ce­ber 25 mil fiéis, além de dois me­za­ni­nos de­di­ca­dos às mu­lhe­res. Sua área ex­te­ri­or tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 80 mil pes­so­as.

Pos­sui tec­no­lo­gia co­mo re­sis­tên­cia sís­mi­ca, as­so­a­lho aque­ci­do, por­tas elé­tri­cas, 41 fon­tes de már­mo­re em for­ma de flor de ló­tus pa­ra a pu­ri­fi­ca­ção e um te­to re­trá­til de 1,1 to­ne­la­da, que po­de ser aber­to em cin­co mi­nu­tos, per­mi­tin­do que os fiéis pos­sam re­zar ilu­mi­na­dos pe­la luz na­tu­ral. O com­ple­xo re­li­gi­o­so in­clui, ain­da, uma ma­dra­ça (es­co­la de es­tu­do do Al­co­rão, o li­vro sa­gra­do do is­la­mis­mo), bi­bli­o­te­ca, mu­seu e vá­ri­as sa­las de con­fe­rên­ci­as.

É a úni­ca mesquita no Mar­ro­cos que per­mi­te a en­tra­da de não-mu­çul­ma­nos em vi­si­tas gui­a­das. Mas aten­ção pa­ra os ho­rá­ri­os: sá­ba­do a quin­ta-fei­ra, às 9h, 10h, 11h, 12h e 15h.

Na pá­gi­na ao la­do, o fa­mo­so Rick’s Ca­fé imor­ta­li­za­do pe­lo fil­me Ca­sa­blan­ca; e a Ca­te­dral de Sa­cré Co­eur. Aci­ma, o cal­ça­dão a bei­ra­mar La Cor­ni­che com mui­tos ba­res, res­tau­ran­tes e clu­bes par­ti­cu­la­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.