Mo­men­to de re­fle­xão

Meu Se­nhor, eu não exis­to sem vo­cê!

Salmos & Anjos - - News - Pa­dre Fá­bio de Me­lo

“Ele sor­ri qu­an­do eu can­to. Meu me­lhor ami­go me en­si­na a ser hu­ma­no.”

Je­sus é nos­so me­lhor ami­go! E sem ter­mos Ele ao la­do, nos­sa vi­da se tor­na va­zia e sem amor. Leia es­sas lin­das pa­la­vras do Pa­dre Fá­bio de Me­lo e apro­xi­me-se do Salvador! “Ad­mi­ro tan­to a Je­sus que aca­bo ten­do a pre­ten­são de que­rer ser co­mo Ele. Já me pe­guei can­tan­do para Ele os ver­sos de Tom Jo­bim: ‘Não há vo­cê sem mim e eu não exis­to sem vo­cê!’ Ele sor­ri qu­an­do eu can­to. Meu me­lhor ami­go me en­si­na a ser hu­ma­no. Ele me en­si­na que a vi­da é uma or­ques­tra lin­da, mas dói. Ele me en­si­na a apre­ci­ar os acor­des tris­tes, e aí dói me­nos. A be­le­za dis­trai a tris­te- za. Foi as­sim que eu as­sis­ti à sua mor­te na Sex­ta-fei­ra San­ta. Eu sa­bia que era pas­sa­gei­ra. Era ape­nas um in­ter­lú­dio fei­to de acor­des me­no­res, di­la­ce­ran­tes de tão tris­tes. Meu ami­go não sa­be ser mor­to. Ele gos­ta é de ser vi­vo, vi­ven­te! E é as­sim que eu en­ten­do a di­nâ­mi­ca da Res­sur­rei­ção. Qu­an­do di­go: ‘Ele es­tá no meio de nós!’ eu es­tou con­vi­dan­do o meu ami­go a ser vi­vo atra­vés de mim. (...) E é as­sim que o amor vai se tor­nan­do con­cre­to no meio de nós. É as­sim que a vi­da vai fi­can­do eter­na e a gen­te vai res­sus­ci­tan­do aos pou­cos...”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.