Mu­si­ca­li­da­de do bem

Es­cu­tar mú­si­ca é uma ati­vi­da­de que vai além do la­zer. Sai­ba co­mo ela po­de aju­dar no apren­di­za­do e em tra­ta­men­tos men­tais

Segredos da Mente - - Sumário - TEX­TO JÉS­SI­CA PIRAZZA/ CO­LA­BO­RA­DO­RA EN­TRE­VIS­TAS VI­TOR MANFIO/CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN KA­REN ZANATA/ CO­LA­BO­RA­DO­RA

Amú­si­ca es­tá pre­sen­te em nos­so co­ti­di­a­no des­de épo­cas an­ti­gas, sen­do usa­da de for­ma co­le­ti­va, in­di­vi­du­al, cul­tu­ral, emo­ci­o­nal, re­li­gi­o­sa e até mes­mo te­ra­pêu­ti­ca. Ho­je, ima­gi­nar-se sem mú­si­ca, se­ja no trabalho, no car­ro ou em mo­men­tos de di­ver­são, é uma re­a­li­da­de dis­tan­te. Além de di­ver­tir, al­gu­mas tri­lhas so­no­ras po­dem mar­car mo­men­tos da nos­sa vi­da, se­jam eles ale­gres ou tris­tes. De acor­do com a mu­si­co­te­ra­peu­ta Ma­ria Isa­bel Si­ne­ga­glia, a mú­si­ca tem o po­der de trans­por bar­rei­ras emo­ci­o­nais e or­ga­ni­zar o in­te­ri­or do in­di­ví­duo. A se­guir, reu­ni­mos as prin­ci­pais in­for­ma­ções a res­pei­to da efi­ci­ên­cia da mú­si­ca pa­ra o apren­di­za­do e pa­ra o tra­ta­men­to de di­ver­sas dis­fun­ções.

Rit­mo, har­mo­nia e me­lo­dia

Pro­du­zir mú­si­ca é uma for­ma de ar­te re­mo­ta, pre­sen­te em pra­ti­ca­men­te to­dos mo­men­tos da his­tó­ria hu­ma­na. Os pri­mei­ros ins­tru­men­tos mu­si­cais des­co­ber­tos, flau­tas e tam­bo­res cons­truí­dos com ma­te­ri­ais ru­di­men­ta­res, da­tam de apro­xi­ma­da­men­te 40 mil a 70 mil anos atrás. “A mú­si­ca faz par­te de to­das as cul­tu­ras, pois é uma pro­du­ção pró­pria do ho­mem. O ho­mem é in­flu­en­ci­a­do pe­la mú­si­ca e con­se­quen­te­men­te a pro­duz, se­ja usan­do a voz, ins­tru­men­tos mu­si­cais ou o sim­ples ato de ba­tu­car em al­gu­ma coi­sa com um ob­je­to”, co­men­ta o mu­si­co­te­ra­peu­ta Da­vid Mal­do­na­do. O pro­fis­si­o­nal des­ta­ca, ain­da, que as com­po­si­ções po­dem es­ti­mu­lar pon­tos pes­so­ais após pas­sar pe­lo sis­te­ma de per­cep­ção do cé­re­bro. “Uma das áre­as mais aces­sa­das é o de­no­mi­na­do sis­te­ma lím­bi­co, uma re­gião no cen­tro do cé­re­bro que é res­pon­sá­vel pe­lo pro­ces­sa­men­to das emo­ções. A mú­si­ca é ca­paz de ati­var emo­ções pri­mi­ti­vas co­mo a aver­são e o pra­zer”.

A mú­si­ca e o cé­re­bro

A re­la­ção en­tre a mú­si­ca e o cé­re­bro é lon­ga. Se­gun­do Fe­li­pe Viegas, pro­fes­sor e dou­tor em fi­si­o­lo­gia ge­ral da, “o pro­ces­so de re­co­nhe­ci­men­to da mú­si­ca é com­ple­xo e de­pen­de de múl­ti­plas re­giões en­ce­fá­li­cas, sen­do pro­va­vel­men­te um dos mai­o­res es­ti­mu­la­do­res do nos­so cé­re­bro em ter­mos de nú­me­ro de re­giões ati­va­das”. As mú­si­cas pos­su­em ca­pa­ci­da­de pa­ra apri­mo­rar di­ver­sas fun­ções do ór­gão, con­tri­buin­do pa­ra de­sen­vol­ver áre­as co­mo emo­ci­o­nal, mo­to­ra, so­ci­al, da lin­gua­gem, vi­su­al e a cog­ni­ção, que é a in­te­gra­ção de di­ver­sas áre­as.

Além des­sa in­crí­vel ca­pa­ci­da­de re­la­ci­o­na­da a di­ver­sas áre­as, es­tu­dos já com­pro­va­ram que a mú­si­ca au­men­ta o nu­me­ro de co­ne­xões ce­re­brais no cor­po ca­lo­so — es­tru­tu­ra lo­ca­li­za­da na fis­su­ra que co­nec­ta os he­mis­fé­ri­os ce­re­brais di­rei­to e es­quer­do —, con­tri­buin­do pa­ra o pro­gres­so do in­te­lec­to.

Te­ra­pia musical

Além de en­tre­ter, as no­tas mu­si­cais po­dem ser gran­des ali­a­das na pre­ven­ção e tra­ta­men­to de do­en­ças fí­si­cas, emo­ci­o­nais, psí­qui­cas e com­por­ta­men­tais. Es­sa me­di­ci­na so­no­ra é cha­ma­da de mu­si­co­te­ra­pia e de­sen­vol­ve nos pa­ci­en­tes os sen­ti­men­tos de ale­gria e de mo­ti­va­ção. “Àque­las pes­so­as que se en­con­tram em uma si­tu­a­ção de va­zio, de so­li­dão, cau­sa­da pe­la doença ou por um mo­men­to, a mú­si­ca dá sen­ti­do a elas, trans­por­tan­do-as pa­ra ou­tra re­a­li­da­de”, co­men­ta o mu­si­co­te­ra­peu­ta. A mu­si­co­te­ra­pia po­de ser usa­da em di­ver­sas alas dos hos­pi­tais, co­mo a pe­di­a­tria, on­co­lo­gia e trau­mas, por exem­plo. Em clí­ni­cas, po­de ser usa­da em ca­sos de Alzhei­mer, Trans­tor­no de Dé­fi­cit de Aten­ção e Hi­pe­ra­ti­vi­da­de (TDAH) (confira mais na pá­gi­na 15), es­tres­se, Trans­tor­no do Es­pec­tro Au­tis­ta e de­pres­são (mais de­ta­lhes na pá­gi­na 30).

Pa­ra participar do tra­ta­men­to, não é ne­ces­sá­rio sa­ber to­car ne­nhum ins­tru­men­to musical ou pos­suir uma de­ter­mi­na­da ida­de, pois ele po­de ser apli­ca­do des­de cri­an­ças até ido­sos. “Nas ses­sões de mu­si­co­te­ra­pia, o te­ra­peu­ta irá con­du­zir a pes­soa a en­con­trar a sua pró­pria mu­si­ca­li­da­de, ou se­ja, ele aju­da­rá a pes­soa a ter um re­la­ci­o­na­men­to sa­dio com a mú­si­ca, con­du­zin­do-a pa­ra os ob­je­ti­vos clí­ni­cos pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­dos”, com­ple­ta Da­vid.

A mu­si­co­te­ra­pia po­de ser uti­li­za­da, tam­bém, em con­tex­tos es­co­la­res, em­pre­sa­ri­ais e go­ver­na­men­tais, por exem­plo. Se­gun­do Fe­li­pe Viegas, as me­lo­di­as são mui­to im­por­tan­tes nos tra­ta­men­tos, se usa­das cor­re­ta­men­te. “A mú­si­ca é um gran­de pre­sen­te, com im­pli­ca­ções na clí­ni­ca mé­dia, na mo­ti­va­ção pes­so­al e na in­te­ra­ção en­tre pes­so­as”, fi­na­li­za o pro­fes­sor.

Be­ne­fí­ci­os do tra­ta­men­to

O tra­ta­men­to com a mu­si­co­te­ra­pia po­de re­sul­tar em di­ver­sas me­lho­ras nos qua­dros dos pa­ci­en­tes. O mu­si­co­te­ra­peu­ta Da­vid des­ta­ca al­guns ca­sos de tra­ta­men­tos e os be­ne­fí­ci­os re­a­li­za­dos por eles:

• Trans­tor­no do Es­pec­tro Au­tis­ta: “Por meio da mú­si­ca, ve­mos, aos pou­cos, que os pa­ci­en­tes vão ad­qui­rin­do mai­or ex­pres­si­vi­da­de, se or­ga­ni­zan­do me­lhor, se acal­man­do e am­pli­an­do a aten­ção, o que re­sul­ta no pro­ces­so de apren­di­za­gem de no­vas ca­pa­ci­da­des.”

• Es­tres­se: “A pes­soa de­ve iden­ti­fi­car a ori­gem do pro­ble­ma e to­mar al­gu­mas ati­tu­des que po­dem va­ri­ar, co­mo fi­car em si­lên­cio ou ou­vir uma mú­si­ca boa de seu gos­to que in­du­za o re­la­xa­men­to. Ou­tra op­ção pa­ra au­xi­li­ar no alí­vio é o pa­ci­en­te to­car al­gum ins­tru­men­to, co­mo a ba­te­ria.” • Trans­tor­no de Dé­fi­cit de Aten­ção e

Hi­pe­ra­ti­vi­da­de (TDAH): “Além dos mé­to­dos te­ra­pêu­ti­cos, o pa­ci­en­te po­de apren­der a to­car al­gum ins­tru­men­to musical, con­tri­buin­do no tra­ta­men­to.”

“A mú­si­ca faz par­te de to­das as cul­tu­ras, pois é uma pro­du­ção pró­pria do ho­mem. O ho­mem a pro­duz, se­ja usan­do a voz, ins­tru­men­tos mu­si­cais ou ao ba­tu­car em al­gu­ma coi­sa com um ob­je­to” Da­vid Mal­do­na­do, mu­si­co­te­ra­peu­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.