TDAH

O dé­fi­cit de aten­ção e hi­pe­ra­ti­vi­da­de atra­pa­lha o con­ví­vio so­ci­al. Mas há te­ra­pi­as que po­dem aju­dar a con­tro­lar a im­pul­si­vi­da­de

Segredos da Mente - - Sumário - TEX­TO JÉS­SI­CA PIRAZZA/ CO­LA­BO­RA­DO­RA EN­TRE­VIS­TAS CA­RO­LI­NA FIR­MI­NO DE­SIGN KA­REN ZANATA/ CO­LA­BO­RA­DO­RA

Não con­se­guir man­ter a aten­ção em al­guns mo­men­tos e ati­vi­da­des po­de ser co­mum en­tre al­gu­mas pes­so­as, as­sim co­mo con­tro­lar a agi­ta­ção e a in­qui­e­ta­ção. No en­tan­to, se os sin­to­mas cos­tu­mam ocor­rer cons­tan­te­men­te e em di­fe­ren­tes am­bi­en­tes, po­de ser a ho­ra de um di­ag­nós­ti­co pro­fis­si­o­nal pa­ra o TDAH.

A si­gla sig­ni­fi­ca Trans­tor­no de Dé­fi­cit de Aten­ção com Hi­pe­ra­ti­vi­da­de e, de acor­do com a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do Dé­fi­cit de Aten­ção, afe­ta, em mé­dia, de 3 a 5% da po­pu­la­ção infantil no país e em vá­ri­as ou­tras na­ções on­de o trans­tor­no já foi pes­qui­sa­do. Além de di­fi­cul­tar no apren­di­za­do in­te­lec­tu­al e es­co­lar, a dis­fun­ção po­de acar­re­tar em ou­tros obs­tá­cu­los co­mo a con­vi­vên­cia so­ci­al, in­tros­pec­ção e trans­tor­no de con­du­ta, se não for di­ag­nos­ti­ca­da e tra­ta­da cor­re­ta­men­te. A se­guir, reu­ni­mos al­gu­mas in­for­ma­ções so­bre es­se trans­tor­no, seus sin­to­mas e os mé­to­dos uti­li­za­dos pa­ra me­lho­rá-lo.

En­ten­den­do o TDAH

O TDAH é um trans­tor­no neu­ro­bi­o­ló­gi­co ca­rac­te­ri­za­do por uma dis­fun­ção da do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor que se li­ga à uma re­gião do cé­re­bro de­no­mi­na­da cór­tex fron­tal. Es­sa dis­fun­ção apa­re­ce na in­fân­cia e ca­so não acon­te­ça o tra­ta­men­to, po­de acom­pa­nhar o in­di­ví­duo por to­da a sua vi­da. Pa­ra o pro­fes­sor de neu­rop­si­co­lo­gia Clay Bri­tes, o TDAH é “o trans­tor­no de de­sen­vol­vi­men­to e de neu­ro­com­por­ta­men­to mais co­mum da in­fân­cia, sen­do ca­rac­te­ri­za­do por um ex­ces­si­vo e no­ci­vo dé­fi­cit de aten­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de e im­pul­si­vi­da­de”.

O dis­túr­bio, ca­rac­te­ri­za­do por agi­ta­ção, in­qui­e­ta­ção e fal­ta de ca­pa­ci­da­de es­pon­tâ­nea de aten­ção, po­de ser cau­sa­do ge­ne­ti­ca­men­te ou por pro­ble­mas de par­to. Vic­tor Mas­se­na, neu­ro­lo­gis­ta do, ex­pli­ca que “as cri­an­ças mais pro­pen­sas são as que têm pais com TDAH (e po­dem re­ce­ber uma car­ga he­re­di­tá­ria dis­so), as que ti­ve­ram bai­xa oxi­ge­na­ção an­tes ou du­ran­te o par­to e em ca­sos de fe­tos de mu­lhe­res com mai­o­ri­da­de, que po­dem ter gra­vi­dez de ris­co”.

Quais os sin­to­mas?

An­te­ri­or ao di­ag­nós­ti­co do pro­fis­si­o­nal, al­guns si­nais po­dem ser per­ce­bi­dos pe­los pais e pro­fes­so­res, em es­pe­ci­al na fa­se infantil. “Os pri­mei­ros sin­to­mas nor­mal­men­te apa­re­cem na

“O TDAH é o trans­tor­no de de­sen­vol­vi­men­to e de neu­ro­com­por­ta­men­to mais co­mum da in­fân­cia, sen­do ca­rac­te­ri­za­do por um ex­ces­si­vo e no­ci­vo dé­fi­cit de aten­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de e im­pul­si­vi­da­de” Clay Bri­tes, neu­rop­si­có­lo­go

es­co­la e en­vol­vem di­fi­cul­da­de de apren­di­za­do, in­qui­e­ta­ção e im­pul­si­vi­da­de”, ex­pli­ca André Fe­lí­cio, co­or­de­na­dor do cur­so de pós-gra­du­a­ção em neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de IPEMED de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas.

No en­tan­to, de­ve ser con­si­de­ra­das as di­fe­ren­ças en­tre cri­an­ças agi­ta­das ou que se com­por­tam mal e cri­an­ças com TDAH. “Com­pa­ra­das às de­mais, elas vão ser per­ce­bi­das pe­lo exa­ge­ro nos com­por­ta­men­tos: ati­vas de­mais, im­pul­si­vas de­mais, de­sa­ten­tas de­mais pa­ra res­pon­der as exi­gên­ci­as do seu meio”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ma­rí­lia Gur­gel de Cas­tro. Es­se exa­ge­ro de­ve ser per­ce­bi­do em mais de um con­tex­to, por exem­plo, na es­co­la e em ca­sa, e por um tempo de no mí­ni­mo seis me­ses. Em ge­ral, o cé­re­bro hu­ma­no ama­du­re­ce até os 25 anos. Po­rém, quan­do acon­te­ce o trans­tor­no, es­se ama­du­re­ci­men­to po­de ser mais len­to. “A cri­an­ça po­de de­mo­rar a de­sen­vol­ver a fa­la, a par­te in­te­lec­tu­al, além de fi­car hi­pe­ra­ti­va e dis­per­sa”, ex­pli­ca Vic­tor Mas­se­na.

Tra­ta­men­to mul­ti­dis­ci­pli­nar

Se os sin­to­mas apa­re­ce­rem com frequên­cia e em di­fe­ren­tes am­bi­en­tes, pro­cu­rar um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra di­ag­nos­ti­car em de­ta­lhes o que po­de es­tar acon­te­cen­do com seus neu­ro­trans­mis­so­res é mui­to im­por­tan­te. “De­ve-se es­pe­rar do psi­qui­a­tra infantil uma lon­ga e de­ta­lha­da con­ver­sa so­bre a vi­da da cri­an­ça e de sua fa­mí­lia, bus­can­do en­ten­der su­as di­fi­cul­da­des, ro­ti­na e mo­ti­va­ções”, co­men­ta o psi­qui­a­tra Thi­a­go Vieira. Se a pro­cu­ra por tra­ta­men­to não for re­a­li­za­da en­quan­to cri­an­ça, há pos- si­bi­li­da­des de tra­ta­men­to tam­bém em ou­tras fa­ses da vi­da. “O tra­ta­men­to em ado­les­cen­tes ou adul­tos se­gue o mes­mo pa­drão do tra­ta­men­to infantil. Não é mais di­fí­cil e é tão efi­caz quan­to em cri­an­ças”, ex­pli­ca Thi­a­go. O psi­qui­a­tra en­fa­ti­za, ain­da, que o tra­ta­men­to de­ve ser ado­ta­do com a mai­or bre­vi­da­de pos­sí­vel, pois se a pes­soa che­gou até a ado­les­cên­cia ou ida­de adul­ta sem tra­ta­men­to, pro­va­vel­men­te te­ve mui­tos pre­juí­zos acu­mu­la­dos ao lon­go da vi­da e, por is­so, as con­sequên­ci­as da doença po­dem ser bas­tan­te mar­can­tes.

O tra­ta­men­to pa­ra TDAH en­vol­ve uma abor­da­gem te­ra­pêu­ti­ca múl­ti­pla de pro­fis­si­o­nais com di­fe­ren­tes for­ma­ções. O neu­rop­si­có­lo­go Clay Bri­tes ex­pli­ca que “o tra­ta­men­to é mul­ti­dis­ci­pli­nar e de­pen­de da ida­de, da in­ten­si­da­de dos sin­to­mas e dos pre­juí­zos. De­ve en­vol­ver ações me­di­ca­men­to­sas, psi­co­com­por­ta­men­tais, psi­co­e­du­ca­ti­vas e in­ter­ven­ções re­me­di­a­ti­vas em ca­so de pro­ble­mas mo­to­res e de lin­gua­gem as­so­ci­a­das”. Pa­ra o psi­qui­a­tra Thi­a­go Vieira, o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so de­ve ser re­cei­ta­do com cau­te­la, acom­pa­nha­men­to mi­nu­ci­o­so e mo­ni­to­ra­men­to pe­rió­di­co. “As me­di­ca­ções pa­ra tra­ta­men­to do TDAH são usu­al­men­te bem to­le­ra­das e com pou­cos efei­tos co­la­te­rais, quan­do exis­tem. No en­tan­to, al­gu­mas cri­an­ças têm, sim, efei­tos in­de­se­já­veis que li­mi­tam o uso con­ti­nu­a­do de uma ou ou­tra me­di­ca­ção. A van­ta­gem é que os efei­tos co­la­te­rais são to­dos pas­sa­gei­ros com a sus­pen­são da me­di­ca­ção e, por is­so, o uso po­de ser fei­to sem gran­des ris­cos, mes­mo quan­do não se sa­be sua sen­si­bi­li­da­de pa­ra de­ter­mi­na­do re­mé­dio”, ex­pli­ca Thi­a­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.