Quan­do o teto não é o li­mi­te

Pou­co a pou­co, acu­mu­lar ob­je­tos des­ne­ces­sá­ri­os pas­sa de um há­bi­to a um trans­tor­no não só men­tal, mas pa­ra os fa­mi­li­a­res tam­bém

Segredos da Mente - - Sumário - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS ÉRICA AGUI­AR DE­SIGN KA­REN ZANATA/ CO­LA­BO­RA­DO­RA

Ima­gi­ne uma ca­sa com dois quar­tos, uma co­zi­nha, um ba­nhei­ro e uma sa­la. Aos pou­cos, nor­mal­men­te, tais am­bi­en­tes vão sen­do ocu­pa­dos por ob­je­tos, rou­pas e pa­péis de pou­ca uti­li­da­de. Po­rém, a ca­da dia, o mo­ra­dor pas­sa a guar­dar mais e mais coi­sas. A lo­co­mo­ção en­tre os cô­mo­dos fi­ca di­fí­cil, e a ro­ti­na da ca­sa se mo­di­fi­ca. Co­mo a co­zi­nha es­tá ocu­pa­da, a pes­soa dei­xa de co­zi­nhar. O mes­mo acon­te­ce com o ba­nhei­ro: é pos­sí­vel cui­dar da hi­gi­e­ne se há um mon­te de cai­xas abai­xo do chu­vei­ro? A acu­mu­la­ção com­pul­si­va afe­ta por vol­ta de 2% e 6% da po­pu­la­ção dos Es­ta­dos Uni­dos e da Eu­ro­pa, de acor­do com in­for­ma­ções da 5ª edi­ção do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais ( DSM-5).

Por den­tro da acu­mu­la­ção

Ar­ma­ze­nar uma gran­de quan­ti­da­de de ob­je­tos des­ne­ces­sá­ri­os po­de es­tar as­so­ci­a­do a vá­ri­os qua­dros psi­quiá­tri­cos e mé­di­cos. Se­gun­do o psi­qui­a­tra Mar­ce­lo Qu­ei­roz Ho­ex­ter, a ma­ni­fes­ta­ção des­te com­por­ta­men­to po­de es­tar li­ga­da ao Trans­tor­no Ob­ses­si­vo-Com­pul­si­vo ( TOC) pro­pri­a­men­te di­to, à clas­si­fi­ca­ção di­ag­nós­ti­ca de co­le­ci­o­na­men­to ou a ou­tros qua­dros psi­quiá­tri­cos e neu­ro­ló­gi­cos co­mo os de­pres­si­vos, psi­có­ti­cos ou até de­men­ci­ais.

Pa­ra o psi­có­lo­go João Ale­xan­dre Bor­ba, o pri­mei­ro tra­ço da acu­mu­la­ção é quan­do a pes­soa co­me­ça a jun­tar coi­sas que não pos­su­em tan­ta re­le­vân­cia pa­ra qu­em es­tá ob­ser­van­do a si­tu­a­ção do la­do de fo­ra. “A pes­soa po­de guar­dar um in­gres­so de um show que foi, tu­do bem. De­pois, co­me­ça a jun­tar coi­sas que, após uma aná­li­se, não têm tan­to sen­ti­do”, ex­pli­ca. Mas o que pro­vo­ca es­se com­por­ta­men­to?

Aná­li­se neu­ral

No cé­re­bro des­ses in­di­ví­du­os, al­guns cir­cui­tos fun­ci­o­nam de uma for­ma fo­ra do usu­al. “É co­mo se di­fe­ren­tes re­giões do ór­gão se co­mu­ni­cas­sem de uma ou­tra ma­nei­ra”, elu­ci­da Ho­ex­ter.

Já se sa­be que o dis­túr­bio da acu­mu­la­ção es­tá vin­cu­la­do a al­te­ra­ções dos me­ca­nis­mos ce­re­brais de to­ma­da de de­ci­são. “Es­sas fer­ra­men­tas com­ple­xas têm co­mo ba­se neu­ral um gran­de con­jun­to de es­tru­tu­ras ce­re­brais, co­mo re­giões es­pe­ci­a­li­za­das dos lo­bos fron­tais, in­cluin­do as re­giões or­bi­to-me­di­ais e dor­so-la­te­rais, além de ou­tras es­tru­tu­ras, em par­ti­cu­lar o gi­ro cín­gu­lo”, pon­tua o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha.

É TOC?

Ao lon­go da his­tó­ria da psi­qui­a­tra, a acu­mu­la­ção com­pul­si­va re­ce­beu di­ver­sas de­no­mi­na­ções, por exem­plo, Sín­dro­me de Diógenes e Dis­po­so­fo­bia. No en­tan­to, “re­cen­te­men­te, a As­so­ci­a­ção Psi­quiá­tri­ca Ame­ri­ca­na (APA) de­fi­niu cri­té­ri­os mais pre­ci­sos pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção des­ta con­di­ção em seu sis­te­ma de di­ag­nós­ti­co, o DSM-5. An­te­ri­or­men­te, acre­di­ta­va-se que es­se dis­túr­bio era, na ver­da­de, uma for­ma mo­di­fi­ca­da do Trans­tor­no Ob­ses­si­vo- Com­pul­si­vo ( TOC), ca­rac­te­ri­za­do por ri­tu­ais e com­por­ta­men­tos es­te­re­o­ti­pa­dos, além de pen­sa­men­tos in­tru­si­vos e re­pe­ti­ti­vos”, es­cla­re­ce Pes­sa­nha.

En­tre­tan­to, a acu­mu­la­ção ex­ces­si­va ain­da po­de ser um sin­to­ma do TOC. Se­gun­do Ho­ex­ter, es­se com­por­ta­men­to na­da mais é do que co­le­ci­o­nar de­ter­mi­na­das coi­sas de ma­nei­ra ex­ces­si­va com o ob­je­ti­vo de ali­vi­ar o pen­sa­men­to de que al­go ruim po­de vir a acon­te­cer. As­sim, o in­di­ví­duo po­de guar­dar jor­nais e re­vis­tas por mais de 20 anos co­mo for­ma de ame­ni­zar a ideia de que al­go mui­to ter­rí­vel po­de ocor­rer num fu­tu­ro pró­xi­mo.

Mas os psi­qui­a­tras co­me­ça­ram a no­tar que mui­tas pes­so­as "co­me­ça­vam a acu­mu­lar coi­sas inú­teis em al­gum mo­men­to com uma sen­sa­ção de pra­zer. Não era pa­ra ali­vi­ar na­da”, acres­cen­ta Ho­ex­ter. Des­sa for­ma, a psi­qui­a­tria pas­sou a de­fi­nir que, se há a in­ten­ção de ali­vi­ar um pen­sa­men­to, na­da mais é do que um sin­to­ma do TOC (es­ti­ma-se que 18% a 40% da po­pu­la­ção com o trans­tor­no so­fra com a acu­mu­la­ção). Por ou­tro la­do, se a pes­soa sen­te pra­zer em guar­dar ob­je­tos des­ne­ces­sá­ri­os, o com­por­ta­men­to é di­ag­nos­ti­ca­do co­mo Trans­tor­no de Co­le­ci­o­na­men­to.

Sem ener­gia pa­ra se re­la­ci­o­nar

Além de trans­for­mar os cô­mo­dos da ca­sa ou do apar­ta­men­to em lu­ga­res bem di­fe­ren­tes ao en­tu­lhar ob­je­tos, os acu­mu­la­do­res ten­dem a ser con­fu­sos e in­de­ci­sos. “Uma pes­soa com sin­to­mas de acu­mu­la­dor ten­de a ter uma fa­la meio des­nor­te­a­da, não se­gue um fo­co es­pe­cí­fi­co”, acres­cen­ta Bor­ba.

O in­di­ví­duo tam­bém não as­su­me que es­tá so­fren­do e só se dá con­ta do que es­tá acon­te­cen­do por­que as pes­so­as ao seu re­dor es­tão fi­can­do tris­tes por ele. E as­sim, co­me­ça a que­rer mu­dar ou vai se iso­lan­do ca­da vez mais. Por is­so, os fa­mi­li­a­res e pes­so­as pró­xi­mas são os pri­mei­ros a pro­cu­ra­rem psi­qui­a­tras ou psi­có­lo­gos pa­ra li­dar.

O acu­mu­la­dor tam­bém vai se des­gas­tan­do ao

ter mais trabalho pa­ra re­a­li­zar ta­re­fas den­tro de ca­sa. Na co­zi­nha, se o cô­mo­do es­ti­ver abar­ro­ta­do de ob­je­tos, fi­ca mais di­fí­cil pre­pa­rar um al­mo­ço do que se es­ti­ves­se va­zia. Des­sa ma­nei­ra, o in­di­ví­duo gas­ta mais ener­gia pa­ra fa­zer uma sim­ples ta­re­fa do­més­ti­ca. Por con­ta des­te gas­to des­ne­ces­sá­rio, o acu­mu­la­dor nem tem forças pa­ra se re­la­ci­o­nar com ou­tras pes­so­as, de­sen­vol­ven­do a ten­dên­cia de per­ma­ne­cer iso­la­do.

Pes­sa­nha res­sal­ta que a ne­ga­ção ou a di­fi­cul­da­de em re­co­nhe­cer sua pró­pria con­di­ção tam­bém são ele­men­tos ca­rac­te­rís­ti­cos da sín­dro­me, além da re­cu­sa em acei­tar a aju­da de ter­cei­ros.

Ques­tão de hi­gi­e­ne

Os acu­mu­la­do­res po­dem apre­sen­tar fal­ta de hi­gi­e­ne e cui­da­dos com o cor­po, usan­do di­ver­sas ca­ma­das de rou­pas e um ves­tuá­rio ina­pro­pri­a­do pa­ra o cli­ma. Além dis­so, a su­jei­ra po­de pro­vo­car fe­ri­das, in­fec­ções der­ma­to­ló­gi­cas ou uri­ná­ri­as e odo­res incô­mo­dos. Ain­da dei­xam de se ali­men­tar di­rei­to e po­dem ter sé­ri­as ca­rên­ci­as nu­tri­ci­o­nais.

Já a fal­ta de cui­da­dos e o re­ceio em tro­car os ob­je­tos de lu­gar e lim­pá-los po­dem au­xi­li­ar na dis­se­mi­na­ção de pa­ra­si­tas. De acor­do com Ro­dri­go Pes­sa­nha, “a au­to­ne­gli­gên­cia ha­bi­ta­ci­o­nal po­de ser ca­rac­te­ri­za­da por do­mi­cí­li­os mar­ca­dos por aban­do­no ex­ter­no, hi­gi­e­ne ha­bi­ta­ci­o­nal pre­cá­ria, ob­ser­vá­vel acu­mu­la­ção de ob­je­tos e/ou su­jei­ra (que po­de inu­ti­li­zar um cô­mo­do), ce­ná­rio de ex­tre­ma de­sor­dem mes­mo nos lo­cais mais uti­li­za­dos, mau odor de­ri­va­do de ali­men­tos em pu­tre­fa­ção, pre­sen­ça de ex­cre­men­tos, acú­mu­lo de ani­mais do­més­ti­cos mal cui­da­dos e pre­sen­ça de in­fes­ta­ção por ro­e­do­res ou in­se­tos”.

E co­mo é pos­sí­vel che­gar a es­sa si­tu­a­ção? Gran­des quan­ti­da­des de pa­péis e ob­je­tos (prin­ci­pal­men­te em lo­cais es­cu­ros) cos­tu­mam atrair ani­mais as­que­ro­sos e o am­bi­en­te se tor­na pro­pí­cio pa­ra o apa­re­ci­men­to de in­se­tos.

Di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to

Não exis­te um tes­te es­pe­cí­fi­co pa­ra di­ag­nos­ti­car a acu­mu­la­ção com­pul­si­va. As­sim, é fei­ta uma aná­li­se clí­ni­ca, con­ver­san­do com o pa­ci­en­te e seus fa­mi­li­a­res.

O tra­ta­men­to de­ve “en­vol­ver me­di­das de su­por­te so­ci­al, psi­co­te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal, além de me­di­ca­men­tos an­ti­de­pres­si­vos”, ex­pli­ca Ro­dri­go Pes­sa­nha. No en­tan­to, de acor­do com Mar­ce­lo Ho­ex­ter, o tra­ta­men­to (que é ba­si­ca­men­te o mes­mo pa­ra o TOC) apre­sen­ta pi­o­res res­pos­tas em acu­mu­la­do­res que tam­bém pos­su­em o trans­tor­no ob­ses­si­vo.

Pes­sa­nha res­sal­ta que se tra­ta de um trans­tor­no neu­rop­si­quiá­tri­co que vem des­per­tan­do in­te­res­se cres­cen­te na comunidade ci­en­tí­fi­ca, pe­lo de­sa­fio em des­co­brir su­as cau­sas e es­ta­be­le­cer um pro­to­co­lo de tra­ta­men­to. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, “há um lon­go ca­mi­nho pe­la fren­te”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.