Fa­ce­bo­ok sem ví­cio

Além de uma pos­sí­vel de­pen­dên­cia, exa­ge­rar no uso de re­des so­ci­ais po­de in­flu­en­ci­ar seus com­por­ta­men­tos

Segredos da Mente - - Sumário - CON­SUL­TO­RI­AS Be­a­triz Bre­ves, mes­tre em psi­co­lo­gia e psi­ca­na­lis­ta; Ka­ri­na Rodrigues, psi­có­lo­ga, te­ra­peu­ta e mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as pe­la Uni­ver­si­dad de Jaén, na Es­pa­nha.

Em agos­to de 2015, os ad­mi­nis­tra­do­res do Fa­ce­bo­ok di­vul­ga­ram os da­dos re­la­ti­vos ao pri­mei­ro se­mes­tre. A mais fa­mo­sa re­de so­ci­al do mun­do con­ta­bi­li­za 1,49 bi­lhão de usuá­ri­os ca­das­tra­dos. Le­van­do em con­ta que, atu­al­men­te, as es­ti­ma­ti­vas apon­tam pa­ra uma po­pu­la­ção mun­di­al de 7,3 bi­lhões de pes­so­as, cer­ca de um quin­to da hu­ma­ni­da­de es­tá ca­das­tra­da no si­te cri­a­do por Mark Zuc­ker­berg. Se, em 2004, ano de seu lan­ça­men­to, a in­ten­ção era man­ter-se ex­clu­si­vo aos alu­nos da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, 11 anos de­pois, uma hi­po­té­ti­ca “na­ção Fa­ce­bo­ok” já ba­te­ria a Chi­na em nú­me­ro de ha­bi­tan­tes. No Bra­sil, os nú­me­ros su­pe­ram a ca­sa dos 90 mi­lhões – qua­se a me­ta­de dos 204 mi­lhões de bra­si­lei­ros, se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca ( IBGE).

Ou se­ja, o Fa­ce­bo­ok já se tor­nou par­te sig­ni­fi­ca­ti­va na vi­da de mui­ta gen­te, aqui e lá fo­ra. Man­dar men­sa­gens a ou­tros mem­bros, pu­bli­car acon­te­ci­men­tos e pen­sa­men­tos do seu dia a dia ou cur­tir um tex­to es­cri­to por ou­tra pes­soa vi­rou ro­ti­na – até mes­mo um ví­cio, com gen­te so­fren­do de abs­ti­nên­cia quan­do não es­tá co­nec­ta­da. “O Fa­ce­bo­ok tem se tor­na­do o gran­de ‘di­ta­dor’ da in­clu­são. As pes­so­as se ex­põem, fa­lam do seu co­ti­di­a­no e olham a vi­da dos ou­tros o dia to­do. É lá tam­bém que as opi­niões em mas­sa têm se for­ma­do. Até men­ti­ras se tor­nam vi­rais em pou­cas ho­ras”, ex­pli­ca a mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia Ka­ri­na Rodrigues.

E se vo­cê sou­bes­se que, de al­gu­ma for­ma, a re­de so­ci­al po­de es­tar ma­ni­pu­lan­do su­as emo­ções? Is­so mes­mo: os do­nos da pá­gi­na já as­su­mi­ram aber­ta­men­te que, em um ex­pe­ri­men­to se­cre­to, con­se­gui­ram in­flu­en­ci­ar o es­ta­do de hu­mor de apro­xi­ma­da­men­te 700 mil usuá­ri­os. A par­tir daí, é im­pos­sí­vel não pen­sar no pe­ri­go que ta­ma­nho po­der re­pre­sen­ta.

O que vo­cê vê (e o que não vê)

Se vo­cê ain­da não aces­sa o Fa­ce­bo­ok e não sa­be co­mo fun­ci­o­na, uma for­ma de en­ten­der es­ta re­de so­ci­al é ima­gi­ná-la co­mo um pon­to de en­con­tro en­tre per­fis di­ver­sos (o cha­ma­do

fe­ed de no­tí­ci­as ou ti­me­li­ne). Ca­da pes­soa tem o seu mu­ral vir­tu­al par­ti­cu­lar, em que é pos­sí­vel pu­bli­car tex­tos, ima­gens e ví­de­os. O conteúdo com­par­ti­lha­do po­de tan­to ser pro­du­zi­do pe­lo pró­prio usuá­rio quan­to com­par­ti­lha­do por meio de ou­tras fon­tes. Tu­do aqui­lo que al­guém pu­bli­ca aca­ba sen­do aces­sí­vel a qu­em in­te­gra sua re­de de ami­gos, e vi­ce-ver­sa – even­tu­al­men­te, pos­ta­gens de ami­gos dos ami­gos tam­bém des­pon­tam na ti­me­li­ne.

Um fa­tor im­por­tan­te e des­co­nhe­ci­do por uma par­te dos pre­sen­tes ali é que nem tu­do que é pu­bli­ca­do pe­los seus con­ta­tos e pá­gi­nas em ge­ral ne­ces­sa­ri­a­men­te apa­re­ce no fe­ed de no­tí­ci­as. Até por­que, ima­gi­ne, nem ha­ve­ria pos­si­bi­li­da­de pa­ra tan­ta coi­sa ao mes­mo tempo! Pen­san­do nis­so, os de­sen­vol­ve­do­res do si­te ela­bo­ra­ram um com­ple­xo sis­te­ma que “fil­tra” o conteúdo da­qui­lo que che­ga até vo­cê.

Tra­ta-se de um me­ca­nis­mo que fun­ci­o­na por meio de com­ple­xos al­go­rit­mos (uma sequên­cia de ins­tru­ções pré-es­ta­be­le­ci­das) e se­le­ci­o­na o que jul­ga ser de in­te­res­se pa­ra ca­da per­fil. Por is­so mes­mo, pos­ta­gens de qu­em es­tá na mes­ma ci­da­de que vo­cê ou têm mais ami­gos em co­mum aca­bam “fu­ran­do a fi­la” em sua ti­me­li­ne e ten­do pre­fe­rên­cia. Tu­do is­so sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de fa­ci­li­tar a vi­da de qu­em aces­sa.

O que vo­cê sen­te (e o que não sen­te)

A ca­pa­ci­da­de de tais al­go­rit­mos é ta­ma­nha que eles são ca­pa­zes de re­co­nhe­cer pa­la­vras e frases que de­no­tam sen­ti­men­tos di­fe­ren­tes co­mo ale­gria ou tris­te­za. Foi a par­tir daí que per­fis de 689.003 usuá­ri­os fo­ram ma­ni­pu­la­dos, de mo­do que, em um es­pa­ço de 20 di­as, uma par­te de­les re­ce­beu em sua ti­me­li­ne so­men­te atu­a­li­za­ções po­si­ti­vas, en­quan­to a ou­tra foi “pre­sen­te­a­da” com pos­ta­gens pre­do­mi­nan­te­men­te ne­ga­ti­vas. Tu­do co­mo par­te de um ex­pe­ri­men­to mo­ni­to­ra­do por pes­qui­sa­do­res das Uni­ver­si­da­des de Cor­nell e da Ca­li­fór­nia, am­bas nos Es­ta­dos Uni­dos.

Os re­sul­ta­dos fo­ram pu­bli­ca­dos em ju­nho de 2014 no pe­rió­di­co ci­en­tí­fi­co nor­te-ame­ri­ca­no Pro­ce­e­dings of the Na­ti­o­nal Aca­demy of Sci­en­ce. A con­clu­são? As pu­bli­ca­ções pos­te­ri­o­res de qu­em foi par­te do ex­pe­ri­men­to aca­ba­ram en­dos­san­do os es­ta­dos de hu­mor a que fo­ram in­ten­ci­o­nal­men­te ex­pos­tos du­ran­te es­se in­ter­va­lo de tempo.

Es­sa ab­sor­ção com­por­ta­men­tal po­de ser ex­pli­ca­da pe­la fal­ta de dis­cer­ni­men­to de mui­tos usuá­ri­os. “As­sim co­mo a pes­soa pos­ta só uma par­te de sua his­tó­ria, ela não pen­sa que os ou­tros tam­bém fa­zem is­so. En­tão, há es­sa im­pres­são de que to­dos es­tão fe­li­zes ou tris­tes, vi­a­jan­do o tempo in­tei­ro, na­mo­ran­do e com ou sem di­nhei­ro. Com is­so, mui­tos per­ce­bem: ‘to­do mun­do tem tu­do e

“O ví­cio sur­ge com a ten­ta­ti­va do in­di­ví­duo de pre­en­cher uma ne­ces­si­da­de pe­lo sen­ti­men­to de fal­ta. Des­ta for­ma, o Fa­ce­bo­ok se tor­na uma fer­ra­men­ta bas­tan­te atra­ti­va, pois a pes­soa con­se­gue al­gum ti­po de gra­ti­fi­ca­ção a to­do ins­tan­te” Be­a­triz Bre­ves, psi­có­lo­ga

eu não te­nho na­da’”, exem­pli­fi­ca Ka­ri­na.

Is­so quer di­zer que as re­pre­sen­ta­ções no âm­bi­to di­gi­tal nem sem­pre são ver­da­dei­ras. “A re­de so­ci­al pos­si­bi­li­ta a in­te­ra­ção en­tre a re­a­li­da­de psí­qui­ca das pes­so­as sem que ne­ces­sa­ri­a­men­te a re­a­li­da­de ob­je­ti­va se in­ter­po­nha, já que tu­do se pas­sa de for­ma vir­tu­al, por meio da te­la de um com­pu­ta­dor ou smartpho­ne. As­sim, é pos­sí­vel cri­ar per­so­na­gens e diá­lo­gos fal­sos”, des­cre­ve a psi­có­lo­ga Be­a­triz Bre­ves.

Além dis­so, o aces­so a de­ter­mi­na­dos con­teú­dos po­de in­flu­en­ci­ar di­re­ta­men­te no com­por­ta­men­to de ca­da pes­soa. Pro­va­vel­men­te, is­so ocor­re pe­la re­pe­ti­ção de um mes­mo ti­po de men­sa­gem, “fil­tra­do” pe­la re­de so­ci­al com ba­se em vi­si­tas an­te­ri­o­res do pró­prio usuá­rio. “As­sim, se uma pes­soa co­me­ça a ver di­ver­sas pos­ta­gens afir­man­do que tal com­por­ta­men­to é ina­de­qua­do, a ten­dên­cia é, até pe­la fal­ta de re­fle­xão so­bre as in­for­ma­ções ex­pos­tas, as­si­mi­lar tal con­du­ta co­mo im­pró­pria”, co­men­ta Be­a­triz. A pro­fis­si­o­nal ex­pli­ca que, ge­ral­men­te, não ana­li­sa-se as con­sequên­ci­as e in­ten­ções da­qui­lo que é pos­ta­do, ou se­ja, is­to é fei­to sem se dar con­ta de que aque­la pos­ta­gem po­de es­tar a serviço de al­gum ti­po de ma­ni­pu­la­ção de com­por­ta­men­to.

Por que vi­cia tan­to?

E que ati­re a pri­mei­ra pe­dra qu­em nun­ca en­trou no Fa­ce­bo­ok só pa­ra se dis­trair por al­guns mi­nu­tos e aca­bou per­den­do a no­ção do tempo. Re­al­men­te, a re­de so­ci­al se tor­nou par­te da ro­ti­na de mui­tos, prin­ci­pal­men­te após a po­pu­la­ri­za­ção dos smartpho­nes, e apre­sen­ta- se co­mo uma ten­ta­ção em meio à ro­ti­na es­tres­san­te.

Ape­sar de ser uma vál­vu­la de es­ca­pe pa­ra os pro­ble­mas, al­gu­mas pes­so­as vi­ram de­pen­den­tes por não sa­be­rem uti­li­zá-la da ma­nei­ra ade­qua­da. “O ví­cio sur­ge co­mo a ten­ta­ti­va do in­di­ví­duo de pre­en­cher uma ne­ces­si­da­de pe­lo sen­ti­men­to de fal­ta. Des­ta for­ma, o Fa­ce­bo­ok se tor­na uma fer­ra­men­ta bas­tan­te atra­ti­va, pois a pes­soa, além de ter aces­so à re­de a qual­quer ho­ra do dia ou da noi­te, ela cur­te e é cur­ti­da, tro­ca pos­ta­gens... En­fim, con­se­gue al­gum ti­po de gra­ti­fi­ca­ção a to­do ins­tan­te”, res­sal­ta Be­a­triz.

Is­to é, há uma cer­ta re­la­ção com o sis­te­ma de re­com­pen­sa ce­re­bral, pois acre­di­ta-se que te­rá al­gum ti­po de be­ne­fí­cio ao uti­li­zar a re­de so­ci­al. No en­tan­to, nem sem­pre es­sa res­pos­ta é verdadeira. “A prin­ci­pal ques­tão é que não se aca­ba com a fal­ta, mui­to pe­lo con­trá­rio: a ca­da ilu­são de pre­en­chi­men­to, emer­ge uma fal­ta re­al ain­da mai­or. As­sim, a pes­soa vai ne­ces­si­tan­do com­pul­si­va­men­te ca­da vez mais aqui­lo na qual se vi­ci­ou”, aler­ta Be­a­triz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.