Apren­di­za­do cons­tan­te

Co­nhe­cer ex­pan­de ho­ri­zon­tes, pro­mo­ve uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da e me­lho­ra o co­ti­di­a­no

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO CAMILA RAMOS/COLABORADORA EN­TRE­VIS­TA ÉRIKA ARAÚJO DESIGN VANESSA SUEISHI

En­ten­da por que ad­qui­rir no­vas in­for­ma­ções é es­sen­ci­al pa­ra a sua vi­da – e pa­ra o seu cé­re­bro

Es­ta­mos apren­den­do cons­tan­te­men­te, e não ape­nas na es­co­la, cur­si­nho ou fa­cul­da­de. Pas­sa­mos a mai­or par­te de nos­sas vidas tes­tan­do e co­nhe­cen­do in­te­ra­ções, lu­ga­res, pes­so­as e, as­sim, de­sen­vol­ven­do nos­so cé­re­bro a pen­sar ta­ti­ca­men­te, re­sol­ver pro­ble­mas e per­ce­ber me­lhor o mun­do à nos­sa vol­ta.

“A par­tir da pre­mis­sa de que, ao apren­der, no­vas ha­bi­li­da­des são de­sen­vol­vi­das e be­ne­fi­ci­am a lei­tu­ra e a in­te­ra­ção com o mun­do, o de­sen­vol­vi­men­to do apren­den­te ao ati­var di­fe­ren­tes cir­cui­tos neu­rais o le­va a am­pli­ar e ex­pan­dir as di­fe­ren­tes pos­si­bi­li­da­des e pers­pec­ti­vas de um ob­je­to ou fa­to”, ex­pli­ca Ma­ria de Lur­des Za­mo­ra, pro­fes­so­ra e psi­co­pe­da­go­ga.

Tan­to pa­ra cri­an­ça quan­to pa­ra ido­sos, apren­der é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te. Co­nhe­ci­men­to me­lho­ra a cri­a­ti­vi­da­de, a produtividade no tra­ba­lho, nos dá as­sun­to pa­ra in­te­ra­gir so­ci­al­men­te e, além dis­so, re­ju­ve­nes­ce o cé­re­bro e aju­da a pre­ve­nir do­en­ças co­mo Alzhei­mer, co­mo apon­tam di­ver­sos es­tu­dos.

Apren­der a ser cri­a­ti­vo

Quan­to mais co­nhe­ce­mos do mun­do, le­mos li­vros, apren­de­mos so­bre nos­sa so­ci­e­da­de e co­mo in­te­ra­gir com ela, mais nos­so cé­re­bro es­ta­rá pre­dis­pos­to a fun­ci­o­nar de for­mas di­fe­ren­tes, re­sol­ver pro­ble­mas mais ra­pi­da­men­te e com me­lhor efi­ci­ên­cia. Qu­es­ti­o­nar “por que o mun­do é co­mo é” nos mo­ti­va a pro­cu­rar e que­rer mu­dar a re­a­li­da­de pa­ra ino­var no dia a dia, se­ja em ca­sa ou no tra­ba­lho.

4. Evi­te dis­tra­ções

Apren­der coi­sas no­vas é um pro­ces­so di­fí­cil, prin­ci­pal­men­te quan­do fi­ca­mos mui­to tem­po sem es­tu­dar. Por is­so, pro­cu­rar um am­bi­en­te cal­mo, sem mui­tas pes­so­as ou ele­trô­ni­cos ( TV e ce­lu­la­res), aju­da na ho­ra de se con­cen­trar no que vai apren­der.

5. En­si­ne ou­tra pes­soa

A me­lhor ma­nei­ra de me­mo­ri­zar uma ideia é pen­sar ne­la re­pe­ti­das ve­zes. As­sim, ten­tar en­si­nar ou­tra pes­soa o que apren­deu aju­da a fi­xar o con­teú­do ou prá­ti­ca. Se não con­se­guir al­guém pa­ra en­si­nar, fa­ça ano­ta­ções do que en­ten­deu ou re­pi­ta o con­teú­do em voz al­ta.

6. Ache um mo­ti­vo

Tra­zer o co­nhe­ci­men­to pa­ra seu dia a dia é uma for­ma de in­cen­ti­vo. Quer apren­der a de­se­nhar pa­ra re­la­xar ou apren­der ou­tra lín­gua por uma ne­ces­si­da­de pro­fis­si­o­nal? Ache uma razão pa­ra o que irá fa­zer, e o co­nhe­ci­men­to não se­rá vis­to co­mo al­go se­cun­dá­rio na sua vi­da.

7. Che­ga de ne­ga­ti­vi­da­de

Quan­to mais re­cla­ma­mos e di­ze­mos “não con­si­go”, mais nos­so cé­re­bro vai pro­du­zir pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos. Olhe-se no es­pe­lho e di­ga “eu con­si­go”; des­sa ma­nei­ra, sua vi­são so­bre apren­der al­go novo vai me­lho­rar.

8. Me­xa-se

Um es­tu­do de 2016 do Ins­ti­tu­to Don­ders do Cen­tro Mé­di­co da Uni­ver­si­da­de de Rad­boud, na Holanda, des­co­briu que fa­zer exercícios fí­si­cos al­gu­mas ho­ras de­pois do apren­di­za­do aju­da o cé­re­bro a me­mo­ri­zar. Além dis­so, pra­ti­car al­gu­ma ati­vi­da­de fí­si­ca aju­da a cir­cu­la­ção e au­men­ta o flu­xo san­guí­neo pa­ra o cé­re­bro, aju­dan­do a fi­xar o con­teú­do.

9. Crie re­gras

Fa­ça do há­bi­to de es­tu­dar uma ro­ti­na. Ter um tem­po e lu­gar es­pe­cí­fi­co pa­ra se de­di­car ao apren­di­za­do aju­da a con­ti­nu­ar com a prá­ti­ca um pe­río­do mai­or de tem­po.

CONSULTORIA Ma­ria de Lur­des Za­mo­ra, pro­fes­so­ra, psi­co­pe­da­go­ga, psi­có­lo­ga e co­a­ch ho­lís­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.