Pi­lu­las da redação

Segredos da Mente - - Índice -

Os es­tu­dos atu­ais mais cu­ri­o­sos e in­te­res­san­tes da neu­ro­ci­ên­cia

Tra­ta­men­to de zum­bi­dos

Um es­tu­do re­a­li­za­do por pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, do cam­pus de São Car­los, re­ve­lou que im­pul­sos ele­tro­mag­né­ti­cos con­tri­bu­em pa­ra o tra­ta­men­to do zum­bi­do no ou­vi­do, pro­ble­ma que afe­ta mi­lhões de bra­si­lei­ros. A pes­qui­sa re­a­li­za­da em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as Cog­ni­ti­vas do Irã e a Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da USP de Ri­bei­rão Pre­to de­mons­tra, a par­tir de um ex­pe­ri­men­to, que o cór­tex pré-fron­tal é a re­gião mais atin­gi­da pe­lo incô­mo­do. Sen­do as­sim, na ex­pe­ri­ên­cia re­a­li­za­da, foi ana­li­sa­do o cé­re­bro de 40 pa­ci­en­tes por meio de um ma­pe­a­men­to fei­to com ele­tro­dos, em 20 ses­sões de im­pul­sos ele­tro­mag­né­ti­cos. Es­se es­tu­do pos­si­bi­li­ta­rá o tra­ta­men­to mais efi­caz do que os tra­di­ci­o­nais pre­sen­tes no mer­ca­do. O gran­de desafio dos pro­fis­si­o­nais é en­con­trar um mé­to­do que não com­pro­me­ta as li­ga­ções ce­re­brais.

A quí­mi­ca do cé­re­bro

A pes­qui­sa­do­ra De­ni­se Fitz­ge­rald, após ter so­fri­do uma pa­ra­li­sia tem­po­rá­ria oca­si­o­na­da por uma mi­e­li­te trans­ver­sa – do­en­ça que aco­me­te a me­du­la es­pi­nhal – per­ce­beu a ne­ces­si­da­de do es­tu­do vol­ta­do pa­ra o re­pa­ro quí­mi­co ce­re­bral. Sua pes­qui­sa re­a­li­za­da no Ins­ti­tu­to de Neu­roi­mu­no­lo­gia da Uni­ver­si­da­de Qu­e­en, em Bel­fast, no Rei­no Uni­do, vol­ta-se ao tra­ta­men­to da es­cle­ro­se múl­ti­pla. Ape­sar de as do­en­ças pos­suí­rem du­ra­ções e cau­sas dis­tin­tas, am­bas atin­gem a mi­e­li­na, pro­te­ção res­pon­sá­vel por re­ves­tir as cé­lu­las ner­vo­sas, pos­si­bi­li­tan­do, as­sim, o en­ca­mi­nha­men­to de im­pul­sos ner­vo­sos. Por re­co­nhe­cer a mem­bra­na co­mo um agen­te in­va­sor, o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, na es­cle­ro­se múl­ti­pla, ata­ca pro­gres­si­va­men­te a cé­lu­la ner­vo­sa. O pro­ces­so su­ge­ri­do pe­lo ex­pe­ri­men­to é re­a­li­za­do com a pre­sen­ça de uma pro­teí­na de­no­mi­na­da CCN3, res­pon­sá­vel pe­la re­cu­pe­ra­ção quí­mi­ca ce­lu­lar. Ela pos­si­bi­li­ta que as cé­lu­las tron­co se trans­for­mem em cor­pús­cu­los pro­du­to­res de mi­e­li­na. O es­tu­do es­tá em fa­se de tes­tes em ca­mun­don­gos e, em bre­ve, se­rá apli­ca­do aos te­ci­dos ner­vo­sos hu­ma­nos.

O GPS men­tal

Se­gun­do um es­tu­do re­a­li­za­do por pes­qui­sa­do­res bri­tâ­ni­cos e pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Na­tu­reCom­mu­ni­ca­ti­ons, o cé­re­bro de ta­xis­tas pos­sui um hi­po­cam­po pos­te­ri­or de mai­or den­si­da­de do que aque­les apre­sen­ta­dos nor­mal­men­te. Is­so acon­te­ce por­que es­sa re­gião é res­pon­sá­vel por pos­si­bi­li­tar a no­ção es­pa­ci­al no ser hu­ma­no e, sa­ben­do que mo­to­ris­tas es­tão aten­tos à ori­en­ta­ção ge­o­grá­fi­ca, es­ses pro­fis­si­o­nais aca­bam de­sen­vol­ven­do a área com a me­mo­ri­za­ção dos per­cur­sos re­a­li­za­dos. No en­tan­to, com o avan­ço da tec­no­lo­gia, o de­sen­vol­vi­men­to da no­ção es­pa­ci­al tem si­do pre­ju­di­ca­do pe­lo uso des­me­su­ra­do de apa­re­lhos ele­trô­ni­cos com GPS. As­sim co­mo o cô­mo­do pro­por­ci­o­na­do pe­las cal­cu­la­do­ras, os apa­re­lhos pa­ra in­di­ca­ção es­pa­ci­al po­dem ser ar­ma­di­lhas ao po­ten­ci­al de ori­en­ta­ção do cé­re­bro. Se um apa­re­lho pa­ra di­re­ção es­tá pre­sen­te na ro­ta, lo­go a área ce­re­bral res­pon­sá­vel por de­ter­mi­nar a no­ção ge­o­grá­fi­ca não me­mo­ri­za a re­de de ru­as que es­tá sen­do uti­li­za­da.

Mús­cu­los e mo­vi­men­to

O nor­te-ame­ri­ca­no Bill Ko­che­var, de 56 anos, so­freu um acidente há oi­to anos que o dei­xou te­tra­plé­gi­co. Po­rém, em ex­pe­ri­men­to des­cri­to re­cen­te­men­te pe­la re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca

TheLan­cet, o mo­vi­men­to do pa­ci­en­te foi res­tau­ra­do a par­tir de ele­tro­dos im­plan­ta­dos em seu cé­re­bro, que en­vi­am in­for­ma­ções pa­ra um com­pu­ta­dor. Em res­pos­ta, o apa­re­lho en­via im­pul­sos elé­tri­cos ao mús­cu­lo. Com es­sa ino­va­ção ci­en­tí­fi­ca, o nor­te-ame­ri­ca­no po­de, pe­la pri­mei­ra vez após o acidente de bi­ci­cle­ta que o con­di­ci­o­nou à te­tra­ple­gia, co­mer sem a aju­da de nin­guém. A par­tir do ex­pe­ri­men­to, o pa­ci­en­te con­se­guiu mo­vi­men­tar su­as ar­ti­cu­la­ções em con­jun­to, as­sim co­mo in­di­vi­du­al­men­te. Des­sa for­ma, a ex­pe­ri­ên­cia é con­si­de­ra­da pi­o­nei­ra por ob­ter su­ces­so com­bi­nan­do mo­vi­men­tos mul­ti-ar­ti­cu­la­res e fun­ci­o­nais. O uso da com­pu­ta­ção pa­ra au­xí­lio dos mo­vi­men­tos atinge tam­bém es­tu­dos em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Pes­qui­sa­do­res do Ins­ti­tu­to de Fí­si­ca de São Car­los, da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, es­tão tra­ba­lhan­do na cri­a­ção de um sis­te­ma neu­ro­mór­fi­co artificial, pro­du­zi­do com po­lí­me­ros – ma­te­ri­al que pos­si­bi­li­ta tan­to a cor­ren­te ele­trô­ni­ca quan­to iô­ni­ca. O re­sul­ta­do da apli­ca­ção des­se ma­te­ri­al per­mi­te a com­pa­ra­ção en­tre si­nap­ses neu­rais com a ca­pa­ci­da­de con­ver­so­ra dos po­lí­me­ros. As­sim co­mo o pro­ces­so neu­ro­ló­gi­co, es­se apa­ra­to per­mi­te a trans­for­ma­ção de si­nais quí­mi­cos em ele­trô­ni­cos, as­sim co­mo nas co­ne­xões ner­vo­sas re­a­li­za­das pe­los neurô­ni­os. O avan­ço des­te es­tu­do se re­fle­te na pos­si­bi­li­da­de de com­pu­ta­do­res co­pi­a­rem o fun­ci­o­na­men­to neu­ro­ló­gi­co. A pes­qui­sa foi pu­bli­ca­da pe­la Na­ru­reMa­te­ri­als e abre es­pa­ço pa­ra a uti­li­za­ção tan­to na área bi­o­ló­gi­ca co­mo na com­pu­ta­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.