In­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal

En­ten­da co­mo a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal in­flu­en­cia sua vi­da e con­fi­ra dicas de co­mo apri­mo­rar sua per­cep­ção do mun­do dos sen­ti­men­tos

Segredos da Mente - - Índice - TEX­TO CAMILA RAMOS/COLABORADORA EN­TRE­VIS­TA VICTOR SANTOS/COLABORADOR DESIGN DOUGLAS NORONHA/COLABORADOR

O que é? Qual a im­por­tân­cia? Co­mo de­sen­vol­ver? Con­fi­ra es­sas e ou­tras res­pos­tas

O s sen­ti­men­tos fa­zem par­te do ser hu­ma­no e das re­la­ções so­ci­ais no dia a dia. Por is­so, com­pre­en­dê-los tor­na-se es­sen­ci­al pa­ra a con­vi­vên­cia em so­ci­e­da­de e en­ten­der me­lhor a si mes­mo. Sen­do as­sim, o de­sen­vol­vi­men­to do con­cei­to de in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é uma no­va for­ma de ver o in­te­lec­to hu­ma­no. Se­gun­do Se­ma­dar Marques, es­pe­ci­a­lis­ta na área, a ideia do ter­mo “já ti­nha si­do abor­da­da pe­lo cri­a­dor da Te­o­ria da Evo­lu­ção, Char­les Darwin, no século XIX, que acre­di­ta­va na re­le­vân­cia das emo­ções pa­ra a adap­ta­ção e so­bre­vi­vên­cia das es­pé­ci­es”, mas foi ape­nas na dé­ca­da de 1990 que o te­ma foi de­fi­ni­do pe­los au­to­res Pe­ter Sa­lo­vey e John Mayer, con­so­li­dan­do o as­sun­to.

O que é?

Se­gun­do Se­ma­dar, “in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é um con­cei­to que ba­si­ca­men­te tra­duz a ca­pa­ci­da­de de um in­di­ví­duo de re­co­nhe­cer e ge­rir os pró­pri­os sen­ti­men­tos pa­ra, as­sim, re­co­nhe­cer e in­te­ra­gir mais fa­cil­men­te com as re­a­ções dos ou­tros e li­dar com as de­man­das e ad­ver­si­da­des diá­ri­as. Al­guém com al­ta in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é ca­paz de iden­ti­fi­car as emo­ções, se­jam elas po­si­ti­vas ou não, am­pli­an­do sua au­to­per­cep­ção e en­ten­den­do me­lhor co­mo elas fun­ci­o­nam”.

Por que é im­por­tan­te?

Sa­ber li­dar com as emo­ções é fun­da­men­tal pa­ra uma boa saú­de men­tal e vi­da em so­ci­e­da­de. Exis­tem qua­tro sub­di­vi­sões que aju­dam a en­ten­der e de­sen­vol­ver a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, e pas­sar por elas em eta­pas sig­ni­fi­ca ter um bom con­tro­le das re­la­ções in­tra e in­ter­pes­so­ais. São as ca­te­go­ri­as: au­to­cons­ci­ên­cia, con­tro­le emo­ci­o­nal, em­pa­tia e ges­tão de re­la­ci­o­na­men­tos.

Em ou­tras palavras, é ne­ces­sá­rio sa­ber re­co­nhe­cer as emo­ções e per­ce­ber quan­do elas irão sur­gir; em se­gui­da, é pre­ci­so com­pre­en­der co­mo controlar su­as re­a­ções. Além dis­so, a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal não se res­trin­ge no âm­bi­to in­di­vi­du­al, uma vez que a em­pa­tia é a ca­pa­ci­da­de de per­cep­ção dos sen­ti­men­tos do ou­tro. E quan­do se apren­de a li­dar com eles, en­tão es­tá pron­to pa­ra a úl­ti­ma eta­pa, que é de­sen­vol­ver um re­la­ci­o­na­men­to no qual pre­ten­de se ade­quar com ou­tra pes­soa vi­san­do uma re­la­ção a lon­go pra­zo.

Co­mo se ava­li­ar?

Du­ran­te mui­to tem­po, o Qu­o­ci­en­te In­te­lec­tu­al (tam­bém co­nhe­ci­do co­mo tes­te de Q.I), que me­de o ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co e cog­ni­ti­vo, foi o in­di­ca­ti­vo de uma sa­be­do­ria su­pe­ri­or, fa­zen­do

com que as pes­so­as pen­sas­sem que o in­di­ví­duo com mai­or ín­di­ce te­ria mais êxi­to na vi­da. Con­tu­do, os no­vos co­nhe­ci­men­tos so­bre in­te­lec­to mos­tram que o Qu­o­ci­en­te Emo­ci­o­nal é que de­ter­mi­na as con­quis­tas pes­so­ais e co­le­ti­vas de uma pes­soa.

Es­se tes­te me­de ca­pa­ci­da­des co­mo “au­to­co­nhe­ci­men­to e au­to­ge­ren­ci­a­men­to das emo­ções, re­sis­tên­cia fren­te às si­tu­a­ções ad­ver­sas, ca­pa­ci­da­de de re­co­nhe­cer re­a­ções em ou­tras pes­so­as, con­si­de­rá-las e res­pei­tá-las, fa­vo­re­cen­do re­la­ções e con­ví­vio com os demais”, in­di­ca Se­ma­dar Marques.

Exis­tem di­ver­sos tes­tes pa­ra de­ter­mi­nar a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal de al­guém, mas a es­pe­ci­a­lis­ta ad­ver­te: “É fun­da­men­tal res­sal­tar que é im­pos­sí­vel um ques­ti­o­ná­rio ser 100% exa­to, as­sim co­mo em qual­quer ins­tru­men­to de me­di­ção po­dem ocor­rer fa­lhas. Mas eles são um bom in­di­ca­ti­vo pa­ra am­pli­ar o en­ten­di­men­to so­bre si e com­pre­en­der co­mo o in­di­ví­duo li­da e re­a­ge as di­fe­ren­tes si­tu­a­ções do co­ti­di­a­no”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.