A ciência do gê­nio

En­ten­da o que sig­ni­fi­ca ser genial e con­fi­ra as dicas de co­mo ter uma mente bri­lhan­te

Segredos da Mente - - Pílulas - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA ÉRIKA ARAÚJO DESIGN GUI­LHER­ME LAURENTE/COLABORADOR

Pin­tar a Mo­na­li­sa e A Úl­ti­ma Ceia, con­ce­ber o pro­tót ipo de um helicóptero en­tre os sé­cu­los 15 e 16 e de­se­nhar o Ho­mem Vi­tru­vi­a­no. De­sen­vol­ver a te­o­ria da re­la­ti­vi­da­de, es­ta­be­le­cer um dos pi­la­res da Fí­si­ca Mo­der­na e cri­ar a equa­ção con­si­de­ra­da a mais fa­mo­sa do mun­do – fór­mu­la de equi­va­lên­cia mas­sa-ener­gia ( E=mc ²). Ser pre­si­den­te de uma das mai­o­res em­pre­sas do pla­ne­ta, a Ap­ple, re­vo­lu­ci­o­nar a tec­no­lo­gia e a for­ma co­mo as pes­so­as ao re­dor do glo­bo se co­mu­ni­cam. Ga­nhar o prê­mio de me­lhor jo­ga­do­ra do mun­do cin­co ve­zes con­se­cu­ti­vas e se tor­nar a mai­or go­le­a­do­ra da his­tó­ria da seleção bra­si­lei­ra – con­tan­do a fe­mi­ni­na e a mas­cu­li­na.

Com ba­se nes­sas bre­ves des­cri­ções de fei­tos que mu­da­ram o cur­so da his­tó­ria, vo­cê já sa­be de quais pes­so­as es­ta­mos fa­lan­do? Res­pec­ti­va­men­te, Leonardo da Vin­ci, Al­bert Eins­tein, Ste­ve Jobs e Mar­ta. Eles são con­si­de­ra­dos al­guns dos mai­o­res gê­ni­os que já pas­sa­ram pe­la Ter­ra, e su­as con­tri­bui­ções pa­ra a hu­ma­ni­da­de – ca­da um em sua área – são de fa­zer in­ve­ja a qual­quer um. Afi­nal, quem não que­ria ser o res­pon­sá­vel por um fei­to ca­paz de ser lem­bra­do pa­ra sem­pre?

Men­tes bri­lhan­tes

Pe­la gran­di­o­si­da­de do le­ga­do des­sas fi­gu­ras, a ciência se de­bru­çou so­bre su­as tra­je­tó­ri­as e ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra ten­tar en­ten­der o que sig­ni­fi­ca ser um gê­nio. O sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra, se­gun­do o di­ci­o­ná­rio, é um “in­di­ví­duo que pos­sui uma ex­tra­or­di­ná­ria ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al”. De acor­do com Victor Ribeiro, ad­mi­nis­tra­dor es­pe­ci­a­lis­ta em apren­di­za­gem ace­le­ra­da, ges­tão e educação cor­po­ra­ti­va, “gê­nio” é o ró­tu­lo que, po­pu­lar­men­te, da­mos pa­ra pes­so­as que ob­têm re­sul­ta­dos “ge­ni­ais” ou ex­tra­or­di­ná­ri­os.

“Pa­ra a ciência, en­tre­tan­to, o ter­mo ten­de a ser sinô­ni­mo de ‘su­per­do­ta­do’ ou ‘ sa­vant’, uma con­di­ção pre­sen­te des­de o nas­ci­men­to de­vi­do à ge­né­ti­ca. Mas a boa notícia é: a mai­o­ria es­ma­ga­do­ra da­que­les que con­si­de­ra­mos gê­ni­os são pes­so­as mui­to mais pró­xi­mas de nós, mas que de­sen­vol­ve­ram ha­bi­li­da­des ex­tra­or­di­ná­ri­as e atin­gi­ram re­sul­ta­dos fo­ra do co­mum”, pon­tua o pro­fis­si­o­nal.

Des­sa for­ma, eles não só apre­sen­ta­ram in­te­li­gên­cia e de­sem­pe­nho acima da mé­dia, mas tam­bém o di­fe­ren­ci­al de se­rem ino­va­do­res e fo­ra dos pa­drões. Con­for­me ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Jú­lia Bá­rány, os gran­des gê­ni­os têm em co­mum a obs­ti­na­ção e a le­al­da­de pa­ra con­si­go mes­mos. “Eles não se con­for­ma­ram aos mol­des es­ta­be­le­ci­dos e pen­sa­ram ‘fo­ra da cai­xa’”, res­sal­ta a pro­fis­si­o­nal. Pa­ra psi­có­lo­ga An­drez­za Fer­ra­ri, além dis­so, “ser um gê­nio sig­ni­fi­ca uti­li­zar os re­cur­sos da sua mente emo­ci­o­nal, ins­tin­ti­va e ra­ci­o­nal pa­ra realizar seus de­se­jos”.

Leonardo da Vin­ci

O cur­rí­cu­lo do re­nas­cen­tis­ta é ex­ten­so: pin­tor, po­e­ta, ci­en­tis­ta, in­ven­tor, músico, es­cul­tor, ar­qui­te­to, ma­te­má­ti­co, en­ge­nhei­ro, ana­to­mis­ta e bo­tâ­ni­co. Pa­ra de­sem­pe­nhar tan­tas fun­ções, a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al do ita­li­a­no era imensa, o que fez o no­me Leonardo da Vin­ci ser sinô­ni­mo de gê­nio. Ins­pi­re- se nes­sa personalidade his­tó­ri­ca:

• Se­ja cu­ri­o­so

Ter uma mente cu­ri­o­sa, in­te­res­sa­da, sem­pre re­cep­ti­va a no­vas idei­as e dis­pos­ta a apren­der con­teú­dos di­fe­ren­tes, co­mo fa­zia Da Vin­ci, são qua­li­da­des es­sen­ci­ais pa­ra quem quer me­lho­rar a ca­da dia. Além dis­so, quem não pos­sui co­nhe­ci­men­to não pos­sui ba­ses de in­for­ma­ções pa­ra a ino­va­ção.

• Qu­es­ti­o­ne-se e tes­te seus co­nhe­ci­men­tos

Olhe pa­ra si mes­mo e iden­ti­fi­que aqui­lo em que vo­cê é bom e o que vo­cê não faz bem. As­sim, ten­te me­lho­rar seus pon­tos ne­ga­ti­vos e en­ri­que­ça ain­da mais os po­si­ti­vos, pois é por meio de­les que vo­cê po­de se des­ta­car. Leonardo da Vin­ci cos­tu­ma­va qu­es­ti­o­nar tu­do aqui­lo que sa­bia pa­ra re­no­var sua vi­são da re­a­li­da­de.

• Não se pren­da a ape­nas uma ati­vi­da­de

Co­mo pu­de­mos per­ce­ber pe­la quan­ti­da­de de fun­ções que o ita­li­a­no de­sem­pe­nhou ao lon­go de sua tra­je­tó­ria, ele bus­ca­va usar o seu cé­re­bro co­mo um to­do, de­sen­vol­ven­do a mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel de ha­bi­li­da­des. En­quan­to pin­ta­va um qua­dro, ele tra­ba­lha­va em um novo equi­pa­men­to e, des­sa for­ma, es­ti­mu­la­va di­fe­ren­tes áre­as do cé­re­bro.

• Co­lo­que em prá­ti­ca!

Te­nha sem­pre em mente que er­rar faz par­te da vi­da e que, por meio de ex­pe­ri­ên­ci­as ne­ga­ti­vas, po­de-se ex­trair mui­to apren­di­za­do. Por is­so, não te­nha me­do de dar idei­as e co­lo­car pro­je­tos em prá­ti­ca. Se não, nun­ca sa­be­rá se da­ria cer­to.

Al­bert Eins­tein

Um dos in­te­lec­tu­ais mais fa­mo­sos da his­tó­ria, o ale­mão de­sen­vol­veu al­gu­mas das te­o­ri­as que de­ram ba­se à ciência mo­der­na. Des­sa for­ma, ta­ma­nha a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de de Eins­tein co­mo um gê­nio da hu­ma­ni­da­de, seu cé­re­bro foi di­vi­di­do e do­a­do pa­ra fins de pes­qui­sa após sua mor­te em 1955. Os es­tu­dos se ar­ras­ta­ram por dé­ca­das e al­gu­mas pes­qui­sas con­fir­ma­ram, por exemplo, que o fí­si­co pos­suía co­ne­xões ce­re­brais fo­ra do co­mum en­tre o la­do es­quer­do e o di­rei­to do ór­gão. Pa­ra se­guir um ca­mi­nho co­mo o do des­co­bri­dor da lei do efei­to fo­to­e­lé­tri­co, ins­pi­re-se em su­as ca­rac­te­rís­ti­cas.

• Va­lo­ri­ze seu po­ten­ci­al

Mui­tas ve­zes, as pes­so­as não en­xer­gam su­as qua­li­da­des e até mes­mo o sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal po­de con­tri­buir pa­ra que os in­di­ví­du­os não re­co­nhe­çam ne­les mes­mos ca­pa­ci­da­des e ta­len­tos. Eins­tein não ti­ra­va no­tas bo­as e sim­ples­men­te não gos­ta­va da es­co­la por­que a sua in­te­li­gên­cia não se en­cai­xa­va nos pa­drões im­pos­tos a ele. Por­tan­to, ten­te iden­ti­fi­car mé­to­dos de apren­di­za­do que fun­ci­o­nam pa­ra vo­cê e ma­nei­ras de de­sen­vol­ver sua in­te­li­gên­cia. Pa­ra is­so, con­fi­ar em si mes­mo é pri­mor­di­al.

• Use a téc­ni­ca da vi­su­a­li­za­ção

Uma estratégia do ci­en­tis­ta pa­ra a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas era vi­su­a­li­zá-los em ima­gens. As­sim, é co­mo se uma ideia fos­se con­cre­ti­za­da. Por exemplo, se vo­cê quer me­mo­ri­zar uma lis­ta de coi­sas a fa­zer, en­tão ima­gi­ne as ati­vi­da­des: vo­cê en­tran­do no car­ro, pa­ran­do no mer­ca­do, de­pois pe­gan­do seu fi­lho na es­co­la e, ao che­gar à sua ca­sa, len­do o ma­te­ri­al ne­ces­sá­rio pa­ra se pre­pa­rar pa­ra aque­la reu­nião im­por­tan­te.

• Crie no­vas abor­da­gens

Eins­tein acre­di­ta­va no di­ta­do po­pu­lar: “não adi­an­ta dar mur­ros em pon­ta de fa­ca”. Ou se­ja, quan­do um pro­ble­ma não foi so­lu­ci­o­na­do com de­ter­mi­na­do mé­to­do, não te­nha me­do de en­ca­rá-lo de ou­tra for­ma, mu­dar a abor­da­gem e ten­tar al­ter­na­ti­vas que ou­tras pes­so­as ain­da não tes­ta­ram. Sen­do as­sim, use sua cri­a­ti­vi­da­de!

Ste­ve Jobs

Ele foi o co­fun­da­dor, pre­si­den­te e di­re­tor exe­cu­ti­vo da Ap­ple, mul­ti­na­ci­o­nal con­si­de­ra­da pe­la re­vis­ta For­tu­ne a em­pre­sa mais ad­mi­ra­da do mun­do em 2008, 2009 e 2010. Por is­so, o le­ga­do de Ste­ve Jobs, mes­mo de­pois da sua mor­te em 2011, ain­da é ti­do co­mo exemplo pa­ra mui­tos em­pre­sá­ri­os e in­ven­to­res.

• Me­di­te

En­tre os há­bi­tos do ame­ri­ca­no, es­ta­va a me­di­ta­ção, prá­ti­ca mi­le­nar com be­ne­fí­ci­os ce­re­brais com­pro­va­dos pe­la ciência – den­tre eles, o au­men­to do foco e a di­mi­nui­ção do es­tres­se.

• Não se dei­xe aba­ter

Dei­xa­do pa­ra ado­ção pe­la mãe bi­o­ló­gi­ca, Jobs aban­do­nou a fa­cul­da­de por­que não te­ve con­di­ções de con­cluir o cur­so. Mes­mo de­pois de par­ti­ci­par da fun­da­ção da Ap­ple, foi de­mi­ti­do. No en­tan­to, se­gun­do o pró­prio, es­se pe­río­do foi bas­tan­te pro­du­ti­vo, por­que sua cri­a­ti­vi­da­de nun­ca es­te­ve tão afi­a­da. As­sim, ele re­tor­nou pa­ra a em­pre­sa al­gum tem­po de­pois e, mes­mo com as di­ver­sas di­fi­cul­da­des pe­las quais pas­sou, mar­cou época por meio do seu tra­ba­lho.

• Se­ja ou­sa­do

Um dos mo­ti­vos pe­los quais Jobs re­vo­lu­ci­o­nou o mer­ca­do de com­pu­ta­do­res e smartpho­nes foi a ori­gi­na­li­da­de. Seus pro­du­tos ofe­re­ce­ram fun­ções cri­a­ti­vas e ino­va­do­ras, fa­to que con­quis­tou mui­tos cli­en­tes e aju­dou a cons­truir a re­pu­ta­ção da mar­ca.

• Sim­pli­fi­que!

Eli­mi­ne tu­do aqui­lo que é des­ne­ces­sá­rio e que atra­pa­lha o bom fun­ci­o­na­men­to do seu ra­ci­o­cí­nio. As­sim, vo­cê se­rá uma pes­soa mais fo­ca­da, um pas­so es­sen­ci­al pa­ra alcançar ob­je­ti­vos. O em­pre­sá­rio ame­ri­ca­no era cons­tan­te­men­te ca­rac­te­ri­za­do pe­la sua sim­pli­ci­da­de.

Bill Ga­tes

Com 60 anos de ida­de, ele foi con­si­de­ra­do pe­la re­vis­ta ame­ri­ca­na For­bes a pes­soa mais ri­ca do mun­do, com uma for­tu­na es­ti­ma­da em 86 bi­lhões de dó­la­res. As­sim, se as em­pre­sas Mi­cro­soft (de Ga­tes) e Ap­ple (de Jobs) pos­su­em gran­de ri­va­li­da­de no mer­ca­do, quan­do pen­sa­mos nos exem­plos dos gê­ni­os por trás das mes­mas, ne­nhum dos dois po­de fi­car de fo­ra.

• Pe­ça fe­ed­back

Ten­do em vis­ta seus fei­tos, Bill Ga­tes é con­si­de­ra­do um dos mai­o­res em­pre­en­de­do­res de to­dos os tem­pos. Des­sa for­ma, uma das su­as es­tra­té­gi­as é o fe­ed­back, ou se­ja, en­ten­der co­mo os ou­tros in­te­ra­gem com vo­cê e com o seu ne­gó­cio.

• Não su­bes­ti­me opor­tu­ni­da­des de cres­cer

Em uma visita à Uni­ver­sity of Southern Ca­li­for­nia, Ga­tes con­ver­sou com alu­nos e deu al­guns con­se­lhos aos jo­vens. Pa­ra o bi­li­o­ná­rio, as pes­so­as não de­vem se ver co­mo su­pe­ri­o­res ou su­bes­ti­mar fun­ções. “Ven­der jor­nal velho ou tra­ba­lhar du­ran­te as fé­ri­as não es­tá abai­xo da sua posição so­ci­al. Seu avós ti­nham uma pa­la­vra di­fe­ren­te pa­ra is­so. Eles cha­ma­vam de opor­tu­ni­da­de”, afir­mou.

• Dê tem­po ao tem­po

Na mes­ma opor­tu­ni­da­de, con­ver­san­do com es­tu­dan­tes, Ga­tes os acon­se­lhou a se­rem pa­ci­en­tes, o que não quer di­zer fal­ta de ambição. “Vo­cê não vai ga­nhar 20 mil dó­la­res por mês as­sim que sair da fa­cul­da­de. Vo­cê não se­rá vi­ce-pre­si­den­te de uma gran­de em­pre­sa, com um car­rão e um te­le­fo­ne à sua dis­po­si­ção an­tes que vo­cê te­nha con­se­gui­do com­prar seu pró­prio car­ro e ter seu pró­prio te­le­fo­ne”, acon­se­lhou o em­pre­sá­rio.

• In­vis­ta nas pes­so­as

Elas se­rão res­pon­sá­veis por ofe­re­cer vi­sões di­fe­ren­tes pa­ra a sua pró­pria tra­je­tó­ria. Além dis­so, Ga­tes acre­di­ta e apli­ca em sua em­pre­sa o prin­cí­pio de que uma equi­pe en­ga­ja­da e mo­ti­va­da é uma das pe­ças-cha­ve pa­ra o su­ces­so de qual­quer em­pre­en­di­men­to. O ame­ri­ca­no re­for­çou es­sa pon­to na obra A ges­tão se­gun­do Bill Ga­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.