Se deu bran­co, fa­ça exercícios

Ve­ja quais são os be­ne­fí­ci­os da gi­nás­ti­ca ce­re­bral pa­ra a saú­de do seu cé­re­bro

Segredos da Mente - - Pílulas - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS RA­FA­EL DE TO­LE­DO/ COLABORADOR DESIGN DOUGLAS NORONHA/ COLABORADOR

Quem nun­ca te­ve um “bran­co” ines­pe­ra­do em um mo­men­to de ten­são, pre­ju­di­can­do, des­se mo­do, o de­sem­pe­nho da memória que a si­tu­a­ção pe­dia? Com o pas­sar do tem­po ou por le­sões que afe­tam o cé­re­bro se o ór­gão não for exer­ci­ta­do to­dos os di­as, perde o po­ten­ci­al de se re­mo­de­lar con­for­me as ne­ces­si­da­des do or­ga­nis­mo – ca­rac­te­rís­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo plas­ti­ci­da­de ce­re­bral. No en­tan­to, são pou­cas as pes­so­as adep­tas de ati­vi­da­des que es­ti­mu­lam o ór­gão, di­mi­nuin­do, as­sim, sua ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va.

Com o ad­ven­to das tec­no­lo­gi­as que pos­si­bi­li­tam inú­me­ras fun­ções aos seus usuá­ri­os, a ati­vi­da­de ce­re­bral é con­di­ci­o­na­da a fun­ções menores e mais re­pe­ti­ti­vas. Pa­ra com­ba­ter os efei­tos do se­den­ta­ris­mo e pro­mo­ver a lon­ge­vi­da­de do ór­gão, o trei­no, tam­bém cha­ma­do de neu­ró­bi­ca, sur­giu co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra o exer­cí­cio da mente, pos­si­bi­li­tan­do aos seus usuá­ri­os a des­co­ber­ta da ca­pa­ci­da­de fun­ci­o­nal em ati­vi­da­des diá­ri­as. E qual foi o be­ne­fí­cio per­ce­bi­do pe­los pra­ti­can­tes? Me­lhor per­for­man­ce do cé­re­bro em prá­ti­cas que pos­suíam mai­or di­fi­cul­da­de de ela­bo­ra­ção.

O que é gi­nás­ti­ca ce­re­bral?

A neu­ró­bi­ca sur­giu na dé­ca­da de 60, mas foi des­cri­ta pe­los neu­ro­ci­en­tis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos La­wren­ce Katz e Man­ning Ru­din, au­to­res do li­vro

Man­te­nha seu cé­re­bro vi­vo, anos mais tar­de. O sur­gi­men­to des­se te­ma veio com a per­cep­ção de que, as­sim co­mo o cor­po, o ór­gão tam­bém pos­sui te­ci­dos ner­vo­sos que ne­ces­si­tam ser exer­ci­ta­dos pa­ra evi­tar o atro­fi­a­men­to.

No ca­so do cé­re­bro, a gi­nás­ti­ca re­a­li­za­da en­vol­ve a ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­cí­nio, além de per­mi­tir mai­or nú­me­ro de li­ga­ções en­tre áre­as dis­tin­tas do ór­gão. Se­gun­do o psi­có­lo­go Thi­a­go Go­mes, “os exercícios ce­re­brais ofe­re­cem ao cé­re­bro ex­pe­ri­ên­ci­as fo­ra da ro­ti­na ou ines­pe­ra­das, usan­do vá­ri­as com­bi­na­ções de sen­ti­dos (vi­são, ol­fa­to, ta­to, pa­la­dar e au­di­ção) além do sen­ti­do emo­ci­o­nal”.

O nú­me­ro de co­ne­xões neu­rais au­men­ta quan­do o cé­re­bro pas­sa a realizar exercícios. Quan­do não pres­ta­mos aten­ção em ati­vi­da­des diá­ri­as, nos aco­mo­da­mos à no­ção de que o mo­do de re­a­li­zá-las é úni­co, tra­ba­lhan­do, as­sim, ape­nas um cam­po ce­re­bral. Des­sa for­ma, Thi­a­go ain­da pon­tua que “a ati­vi­da­de cor­ti­cal au­men­ta em va­ri­a­das áre­as do cé­re­bro, for­ta­le­cen­do as co­ne­xões si­náp­ti­cas e li­gan­do as áre­as di­fe­ren­tes em no­vos pa­drões”. Con­se­quen­te­men­te, es­sa fun­ção in­flu­en­cia na mai­or pro­du­ção de neu­ro­tro­fi­nas, mo­lé­cu­las res­pon­sá­veis pe­lo cres­ci­men­to neu­ro­nal no cé­re­bro.

Co­mo realizar?

En­ga­na- se aque­le que ima­gi­na que a gi­nás­ti­ca ce­re­bral só se­rá re­a­li­za­da com exercícios com­pli­ca­dos. A ati­vi­da­de fí­si­ca é uma boa apos­ta pa­ra o trei­na­men­to do cé­re­bro, as­sim co­mo afir­ma Pau­lo Ca­miz, mé­di­co ge­ri­a­tra e de­sen­vol­ve­dor do pro­je­to

Mente Tur­bi­na­da. O pro­fis­si­o­nal apon­ta, ain­da, que man­ter- se in­te­lec­tu­al­men­te ati­vo, por meio de lei­tu­ras, con­tri­bui pa­ra o po­ten­ci­al ce­re­bral.

Pa­ra Pau­lo, a re­a­li­za­ção de exercícios neu­ró­bi­cos depende do ren­di­men­to do in­di­ví­duo que quei­ra re­a­li­zá-la. Por­tan­to, o ho­rá­rio fi­ca a cri­té­rio da­que­le que exer­ci­ta­rá o cé­re­bro. Além dis­so, o trei­na­men­to po­de ser in­se­ri­do na ro­ti­na com ati­vi­da­des prá­ti­cas, co­mo an­dar pe­la ca­sa es­tan­do de cos­tas ou tro­car o lu­gar dos ob­je­tos de uso fre­quen­te – ve­ja mais dicas no box.

Atu­al­men­te, de­sen­vol­ve­do­res de apli­ca­ti­vos vêm tra­ba­lhan­do nes­sa área neu­ro­ló­gi­ca de­vi­do a uma procura cons­tan­te pe­lo apri­mo­ra­men­to do cé­re­bro. O mé­to­do cri­a­do por Pau­lo no pro­gra­ma pa­ra dis­po­si­ti­vos mó­veis Mente Tur­bi­na­da, de­mons­tra que jo­gos que es­ti­mu­lam o ra­ci­o­cí­nio po­dem con­tri­buir com mai­or ca­pa­ci­da­de ce­re­bral quan­do apli­ca­dos du­ran­te o dia de ma­nei­ra lú­di­ca a fim de tor­nar a ati­vi­da­de mais pra­ze­ro­sa.

Pa­ra me­lho­rar ain­da mais a ca­pa­ci­da­de de co­ne­xões en­tre os he­mis­fé­ri­os ce­re­brais, é in­di­ca­do as­so­ci­ar o trei­na­men­to do ór­gão a um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, por meio de uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e ati­vi­da­des que man­te­nham o or­ga­nis­mo tran­qui­lo.

“Os exercícios ce­re­brais ofe­re­cem ao cé­re­bro ex­pe­ri­ên­ci­as fo­ra da ro­ti­na ou ines­pe­ra­das” Thi­a­go Go­mes, psi­có­lo­go.

CONSULTORIAS Pau­lo Ca­miz, pro­fes­sor, mé­di­co clí­ni­co- ge­ral e ge­ri­a­tra da USP e Hos­pi­tal das Clí­ni­cas de São Pau­lo; Thi­a­go Go­mes, psi­có­lo­go e es­pe­ci­a­lis­ta em neu­rop­si­co­lo­gia pe­lo De­par­ta­men­to de Neu­ro­lo­gia da HC FMUSP.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.