Tô­ni­co pa­ra o cé­re­bro

A prá­ti­ca re­gu­lar é ca­paz de al­te­rar e apri­mo­rar es­tru­tu­ras cerebrais e, des­se mo­do, con­tri­buir com a saú­de fí­si­ca e men­tal de qu­em a pra­ti­ca

Segredos da Mente - - Pilulas - TEXTO E ENTREVISTAS RAFAEL DE TOLEDO/COLABORADOR DESIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

Co­mo uma prá­ti­ca mi­le­nar po­de ser tão re­qui­si­ta­da em uma era tec­no­ló­gi­ca, na qual a mai­o­ria das fa­ci­li­da­des é pro­por­ci­o­na­da por apa­re­lhos ele­trô­ni­cos? É des­sa for­ma que a me­di­ta­ção se apre­sen­ta nos di­as atu­ais, pro­por­ci­o­nan­do aqui­lo que a tec­no­lo­gia não foi ca­paz de su­prir: mo­men­tos de re­fle­xão, no qual o cé­re­bro ad­qui­re uma frequên­cia me­nor, be­ne­fi­ci­an­do não so­men­te os cir­cui­tos neu­ro­ló­gi­cos, mas tam­bém ou­tros ór­gãos do cor­po.

Al­te­ran­do a frequên­cia

Com a quan­ti­da­de de in­for­ma­ções e ati­vi­da­des a se­rem as­si­mi­la­das, as on­das cerebrais au­men­tam pa­ra que pos­sa­mos tra­ba­lhar de acor­do com a de­man­da. A me­di­ta­ção, por­tan­to, tem o po­ten­ci­al de re­du­zir a frequên­cia do cé­re­bro e, des­se mo­do, pro­du­zir o re­la­xa­men­to físico e men­tal. Se­gun­do a ins­tru­to­ra de io­ga Vâ­nia Cou­ti­nho, quan­do o en­fo­que men­tal des­via-se pa­ra a res­pi­ra­ção, so­lu­ções são apre­sen­ta­das com mai­or ra­pi­dez.

Ape­sar de se con­cen­trar na res­pi­ra­ção, o cor­po, du­ran­te a me­di­ta­ção pro­fun­da, di­mi­nui o con­su­mo em até 17% de oxi­gê­nio, além dos ba­ti­men­tos car­día­cos re­du­zi­rem pa­ra três por mi­nu­to, sen­do que, no es­ta­do físico co­mum, apre­sen­ta­mos 60 pal­pi­ta­ções no mes­mo pe­río­do de tem­po. Es­sa ques­tão foi no­ta­da por Her­bert Ben­son, car­di­o­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, por meio de um ex­pe­ri­men­to no qual ele e ou­tros pes­qui­sa­do­res ava­li­a­ram a ati­vi­da­de car­día­ca de me­di­ta­do­res du­ran­te a prá­ti­ca.

A re­du­ção da ati­vi­da­de de ou­tros ór­gãos é com­bi­na­da com a di­mi­nui­ção da frequên­cia ce­re­bral, que pas­sa a se apre­sen­tar co­mo the­ta, es­pec­tro que com­pre­en­de en­tre 4 a 7 Hz. Nes­se mo­men­to, o cor­po en­tra em um es­ta­do de “su­per­cons­ci­ên­cia”, de­vi­do ao rit­mo mais len­to. No en­tan­to, an­tes dis­so, ou­tras frequên­ci­as mai­o­res co­mo a al­fa e a ga­ma são no­ta­das no cé­re­bro, sen­do a úl­ti­ma mais co­mum no pro­ces­so de me­di­ta­ção re­cor­ren­te.

Me­xen­do nas es­tru­tu­ras

A prá­ti­ca da me­di­ta­ção po­de ser tão be­né­fi­ca ao cé­re­bro que al­gu­mas es­tru­tu­ras cerebrais são afe­ta­das pe­lo rit­mo mais len­to das co­ne­xões. Se­gun­do um es­tu­do re­a­li­za­do pe­lo Wa­ke Fo­rest Bap­tist Me­di­cal Cen­ter, nos Es­ta­dos Uni­dos, a fun­ção da amíg­da­la, re­gião re­gu­la­do­ra das emo­ções, apre­sen­tou uma re­du­ção em sua ati­vi­da­de, di­mi­nuin­do, con­se­quen­te­men­te, o ní­vel de an­si­e­da­de dos par­ti­ci­pan­tes em 39%.

Ou­tra área afe­ta­da pe­los efei­tos da prá­ti­ca é a ca­ma­da mais ex­ter­na do cé­re­bro, o cór­tex, no qual os neurô­ni­os se or­ga­ni­zam pa­ra fun­ções psí­qui­cas e psi­co­mo­to­ras. Pa­ra is­so, a quan­ti­da­de neu­ro­nal é mai­or e, com o ato de meditar, per­ce­be-se uma mo­di­fi­ca­ção da re­gião. Se­gun­do uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, nos Es­ta­dos Uni­dos, li­de­ra­da pe­la ci­en­tis­ta Ei­le­en Lu­ders, pes­so­as que me­di­tam em um pe­río­do de tem­po mai­or ten­dem a ter mais do­bras no cór­tex ce­re­bral, au­xi­li­an­do na ele­va­ção da ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ções.

O hi­po­cam­po, res­pon­sá­vel por pro­ces­sos que en­vol­vem a me­mó­ria e a apren­di­za­gem, tam­bém tem sua re­gião mol­da­da e au­men­ta­da pe­los efei­tos da me­di­ta­ção. Es­sa afir­ma­ção foi apre­sen­ta­da pe­lo es­tu­do de Lu­ders, no qual ava­li­ou, in­clu­si­ve, a di­fe­ren­ça en­tre o de­sen­vol­vi­men­to da mas­sa cin­zen­ta des­ta área em ca­da gê­ne­ro.

Por fim, ou­tra es­tru­tu­ra que re­ce­be be­ne­fí­ci­os a par­tir do mo­men­to que o in­di­ví­duo me­di­ta com frequên­cia é a ín­su­la. As­sim co­mo as de­mais for­ma­ções, es­sa re­gião é de­sen­vol­vi­da, au­xi­li­an­do, in­clu­si­ve, no pro­ces­so de me­di­ta­ção. Is­so ocor­re pois es­sa área é res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le de dis­tra­ções, além de es­tar re­la­ci­o­na­da às emo­ções hu­ma­nas e au­to­cons­ci­ên­cia.

Pen­se em si mes­mo

Um es­tu­do di­vul­ga­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Bos­ton, nos Es­ta­dos Uni­dos, con­clui que as ati­vi­da­des que en­vol­vem io­ga au­men­tam a fun­ção do áci­do ga­ma-ami­no­bu­trí­ni­co (GABA) no or­ga­nis­mo. Tal fa­to in­flu­en­cia di­re­ta­men­te no efei­to cal­man­te pro­du­zi­do pe­lo cé­re­bro, au­xi­li­an­do, des­se mo­do, em ati­vi­da­des que exi­gem re­so­lu­ções.

O pro­fes­sor de me­di­ta­ção Jor­ge Car­ra­no afir­ma que a ati­vi­da­de é be­né­fi­ca no sen­ti­do de que apre­sen­ta à vi­são do ho­mem co­mo a men­te es­tá agi­ta­da. “A prá­ti­ca cria es­pa­ços na sua men­te e, com o tem­po, vo­cê con­se­gue per­ce­ber sua agi­ta­ção, que é na­tu­ral. Nos­sa men­te pro­duz pen­sa­men­tos de for­ma in­ces­san­te, e não há na­da de er­ra­do nis­so. O que es­tá al­te­ra­do e cau­sa nos­sos pro­ble­mas é que te­mos di­fi­cul­da­de de per­ce­ber que to­dos os pen­sa­men­tos, sen­ti­men­tos, opi­niões, va­lo­res e tu­do mais li­ga­do à nos­sa men­te são as­pec­tos tran­si­tó­ri­os”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.