Su­ple­men­to men­tal

Ve­ja co­mo es­sa prá­ti­ca mi­le­nar po­de tra­zer be­ne­fí­ci­os in­crí­veis pa­ra o seu cé­re­bro, trans­for­man­do-o em uma má­qui­na po­de­ro­sa

Segredos da Mente - - Pilulas - TEXTO E ENTREVISTAS LE­O­NAR­DO GUERINO/COLABORADOR DESIGN DOU­GLAS NORONHA/COLABORADOR

Mais do que ape­nas be­ne­fí­ci­os fí­si­cos, o exer­cí­cio da me­di­ta­ção tam­bém po­de pro­por­ci­o­nar a seus pra­ti­can­tes di­ver­sos ou­tros efei­tos po­si­ti­vos, oca­si­o­nan­do uma re­vo­lu­ção no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral. O aper­fei­ço­a­men­to de fa­to­res co­mo cri­a­ti­vi­da­de, me­mó­ria, con­cen­tra­ção e re­la­ções in­ter­pes­so­ais e emo­ci­o­nais são ape­nas al­guns itens da vas­ta lis­ta de be­ne­fí­ci­os cog­ni­ti­vos pro­por­ci­o­na­dos por meio do ato re­gu­lar de meditar.

Is­so acon­te­ce por­que, du­ran­te a ati­vi­da­de, o in­di­ví­duo não exer­ce, sim­ples­men­te, uma ação de re­la­xa­men­to, mas sim um exer­cí­cio de fo­co e con­cen­tra­ção cons­tan­te que in­du­zi­rão a am­pli­ar as áre­as já ci­ta­das.

“A prá­ti­ca em si é um tra­ba­lho de aten­ção e re­cor­da­ção. Is­so por­que vo­cê tem de se lem­brar e fo­car em seu ob­je­to de me­mó­ria que po­de ser sua res­pi­ra­ção, uma ima­gem, etc. Vo­cê tem que sus­ten­tar es­sa fi­gu­ra du­ran­te to­do o pe­río­do da ati­vi­da­de”, ex­pli­ca a psi­co­bió­lo­ga e pes­qui­sa­do­ra Eli­sa Ha­ru­mi Ko­za­sa. “En­quan­to es­ti­ver fo­ca­do nes­ses com­po­nen­tes, vo­cê não es­tá dei­xan­do que pro­ces­sos co­mo pre­o­cu­pa­ções e ou­tros ele­men­tos se ins­ta­lem na sua men­te, cen­tran­do-se em al­gu­ma coi­sa es­pe­cí­fi­ca”, com­ple­ta.

Par­cei­ro da me­di­ci­na

Ao lon­go dos anos, di­ver­sos es­tu­dos vêm com­pro­van­do a efi­cá­cia da me­di­ta­ção pa­ra o bem-es­tar e saú­de de seus pra­ti­can­tes. Um des­tes, re­a­li­za­do no ano de 2011 por pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, mos­trou re­du­ções da den­si­da­de de ma­té­ria cin­zen­ta na amíg­da­la ce­re­bral, que é co­nhe­ci­da por de­sem­pe­nhar um pa­pel re­le­van­te nos sen­ti­men­tos de an­si­e­da­de e es­tres­se. A pes­qui­sa reu­niu 16 in­te­gran­tes que par­ti­ci­pa­ram do pro­gra­ma de re­du­ção de es­for­ço com ba­se na aten­ção, re­a­li­zan­do exer­cí­ci­os de me­di­ta­ção e con­cen­tra­ção. Du­ran­te a aná­li­se, fo­ram fei­tas res­so­nân­ci­as mag­né­ti­ca da es­tru­tu­ra do cé­re­bro des­ses in­di­ví­du­os, con­fir­man­do-se, as­sim, a te­o­ria dos pes­qui­sa­do­res so­bre os efei­tos da me­di­ta­ção.

Mui­tos mé­di­cos e ci­en­tis­tas es­tão con­vic­tos dos efei­tos be­né­fi­cos ob­ti­dos por meio do ato de meditar. Tan­to que, em al­guns lo­cais, es­sa prá­ti­ca é as­so­ci­a­da aos tra­ta­men­tos mé­di­cos con­ven­ci­o­nais. Exem­plo dis­so é o hos­pi­tal nor­te-ame­ri­ca­no Co­lum­bia Presby­te­ri­an Me­di­cal Cen­ter, que ofe­re­ce aos pa­ci­en­tes a re­a­li­za­ção de au­las de me­di­ta­ção co­mo au­xí­lio pa­ra os pro­ce­di­men­tos pós-ope­ra­tó­ri­os.

“Exis­tem al­guns ca­sos em que a me­di­ta­ção po­de ser um in­te­res­san­te co­ad­ju­van­te nos tra­ta­men­tos mé­di­cos, co­mo nos ca­sos de es­tres­se e de­pres­são. Con­tu­do, es­se não de­ve ser um tra­ta­men­to úni­co e ex­clu­si­vo, uma vez que se tra­ta de uma te­ra­pia com­ple­men­tar ou in­te­gra­ti­va em saú­de”, con­ta Eli­sa Ko­za­sa. “Mas exis­tem vá­ri­os es­tu­dos in­di­can­do que a me­di­ta­ção po­de be­ne­fi­ci­ar pes­so­as que apre­sen­tam pro­ble­mas de an­si­e­da­de, dé­fi­cit de aten­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de e até ca­sos de do­res crô­ni­cas”, es­cla­re­ce a ci­en­tis­ta.

E não é ne­ces­sá­rio de­sem­bar­car­mos na Amé­ri­ca do Nor­te pa­ra ver­mos tra­ta­men­tos al­ter­na­ti­vos e efi­ca­zes pa­ra a po­pu­la­ção. Os mes­mos po­dem ser en­con­tra­dos aqui no Bra­sil. “Ho­je em dia, exis­te a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de prá­ti­cas in­te­gra­ti­vas e com­ple­men­ta­res, que é do sis­te­ma úni­co de saú­de (SUS). Há uma po­lí­ti­ca de saú­de que traz a me­di­ta­ção e o io­ga co­mo sen­do prá­ti­cas re­co­men­da­das a se­rem im­ple­men­ta­das. Além da ne­ces­si­da­de do de­sen­vol­vi­men­to de pes­qui­sas a res­pei­to des­sas ati­vi­da­des”, afir­ma Eli­sa.

“Exis­tem al­guns ca­sos em que a me­di­ta­ção po­de ser um in­te­res­san­te co­ad­ju­van­te nos tra­ta­men­tos mé­di­cos, co­mo nos ca­sos de es­tres­se e de­pres­são” Eli­sa Ha­ru­mi Ko­za­sa, psi­co­bió­lo­ga e pes­qui­sa­do­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.