Re­pro­gra­me seu car­dá­pio (e sua men­te)

Sai­ba co­mo o há­bi­to de meditar po­de al­te­rar sua re­la­ção com os mo­men­tos das re­fei­ções

Segredos da Mente - - Pilulas - TEXTO E ENTREVISTAS JÉSSICA PIRAZZA/COLABORADORA DESIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

Co­bran­ças, pra­zos, pre­o­cu­pa­ções e pres­sões de di­ver­sos ti­pos, me­dos, in­cer­te­zas... A to­do mo­men­to es­ta­mos vul­ne­rá­veis a ser bom­bar­de­a­dos por si­tu­a­ções que po­dem vir a im­pac­tar, de for­ma ne­ga­ti­va, as ex­pe­ri­ên­ci­as da ro­ti­na e, con­se­quen­te­men­te, a qua­li­da­de de vi­da.

“Na mai­o­ria das ve­zes, os pro­ble­mas de pe­so ou quais­quer ou­tros dis­túr­bi­os ali­men­ta­res, por exem­plo, são cau­sa­dos por de­sor­dens co­mo es­tres­se, an­si­e­da­de ou de­pres­são”, ex­pli­ca a as­tró­lo­ga Li­li­an Ma­rins. E é aí que a prá­ti­ca me­di­ta­ti­va po­de en­trar co­mo ali­a­da: já foi ci­en­ti­fi­ca­men­te com­pro­va­do que a me­di­ta­ção é uma óti­ma for­ma de aqui­e­tar a men­te, to­mar cons­ci­ên­cia da res­pi­ra­ção e tam­bém dos sen­ti­men­tos, ati­van­do áre­as im­por­tan­tes pa­ra con­tro­lar

dis­túr­bi­os. “A par­tir do mo­men­to que a me­di­ta­ção nos aju­da a su­pe­rar e en­ten­der o que sen­ti­mos, co­la­bo­ra (e mui­to) pa­ra a cu­ra dos dis­túr­bi­os ali­men­ta­res e ex­ces­so de pe­so”, com­ple­ta Li­li­an.

Acom­pa­nhe, a se­guir, mais in­for­ma­ções so­bre a in­fluên­cia da me­di­ta­ção na ali­men­ta­ção e co­mo a in­ges­tão de de­ter­mi­na­dos ali­men­tos po­de mu­dar — pa­ra me­lhor — a prá­ti­ca do exer­cí­cio me­di­ta­ti­vo e o bem-es­tar do dia a dia.

Ali­men­te-se pa­ra o pre­sen­te

A cor­re­ria do co­ti­di­a­no ati­va de­ter­mi­na­das áre­as no cé­re­bro — co­mo a amíg­da­la ce­re­bral, es­tru­tu­ra im­por­tan­te na me­di­a­ção e con­tro­le das ati­vi­da­des emo­ci­o­nais — que pre­pa­ram o me­ta­bo­lis­mo pa­ra en­fren­tar tem­pos e si­tu­a­ções di­fí­ceis. “Uma das es­tra­té­gi­as cri­a­das pe­lo cé­re­bro é o au­men­to da in­ges­tão de ca­lo­ri­as. Quan­do in­ge­ri­mos mais ca­lo­ri­as e as gas­ta­mos em me­nor quan­ti­da­de, o re­sul­ta­do po­de ser fa­cil­men­te ima­gi­na­do: em pou­co tem­po es­ta­re­mos com o pe­so aci­ma do ide­al”, apon­ta o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner. Por is­so, é pre­ci­so ter em men­te que não é ne­ces­sá­rio ali­men­tar-se pa­ra o fu­tu­ro, mas, sim, aqui­e­tar a men­te no mo­men­to em que se es­tá vi­ven­do, o pre­sen­te. “Um dos se­gre­dos do con­tro­le do pe­so es­tá em re­du­zir a ve­lo­ci­da­de do rit­mo de vi­da do sé­cu­lo XXI. Não há na­da de er­ra­do em avan­çar­mos com o uso de tec­no­lo­gi­as. O pro­ble­ma é quan­do elas pas­sam a ser o cen­tro de tu­do e te­mos que co­mer lan­ches ou ou­tras re­fei­ções de­se­qui­li­bra­das, acom­pa­nhan­do as atu­a­li­za­ções dos ami­gos no Fa­ce­bo­ok ou con­fe­rin­do e-mails, por exem­plo”, sa­li­en­ta Mar­tin.

Aten­ção à me­sa

Fi­car aten­to à ali­men­ta­ção nos aju­da a fa­zer me­lho­res es­co­lhas. É o que com­pro­vou um es­tu­do re­a­li­za­do por pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de Ota­go, na No­va Ze­lân­dia. A aná­li­se cons­ta­tou que, quan­do o as­sun­to é per­da de pe­so, o ato de meditar pro­duz me­lho­res re­sul­ta­dos do que re­a­li­zar uma di­e­ta. Pu­bli­ca­da no pe­rió­di­co

Ame­ri­can Jour­nal of He­alth Pro­mo­ti­on, a pes­qui­sa con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de 225 mu­lhe­res du­ran­te o pe­río­do de dois anos. As par­ti­ci­pan­tes fo­ram di­vi­di­das em três gru­pos, sen­do que aque­las que pra­ti­ca­ram me­di­ta­ção ti­ve­ram mais su­ces­so na per­da de pe­so do que as que não pra­ti­ca­ram o exer­cí­cio.

Se­gun­do os au­to­res do es­tu­do, is­so acon­te­ceu por­que a me­di­ta­ção co­la­bo­ra pa­ra pres­tar mais aten­ção na sen­sa­ção de fo­me e sa­ci­e­da­de, ao in­vés da pes­soa fi­car con­cen­tra­da ape­nas na per­da de pe­so. Além dis­so, ao re­a­li­zar uma re­fei­ção em si­lên­cio, com aten­ção fo­ca­da no mo­men­to, po­de-se per­ce­ber me­lhor as di­fe­ren­tes tex­tu­ras, chei­ros e sa­bo­res dos ali­men­tos.

Ca­rac­te­ri­za­da pe­la cons­ci­ên­cia in­tei­ra­men­te fo­ca­da no pre­sen­te, a téc­ni­ca do mindfulness (ve­ja mais in­for­ma­ções na pá­gi­na 18), quan­do ali­a­da a uma ali­men­ta­ção sa­dia, é efi­caz na per­da e con­tro­le de pe­so. O exer­cí­cio me­di­ta­ti­vo po­de ser fei­to a qual­quer hora do dia e tem du­ra­ção de ape­nas al­guns mi­nu­tos (con­fi­ra o exem­plo no box abai­xo). “Pa­ra que se te­nha mais efi­ci­ên­cia, é im­por­tan­te que a pes­soa pos­sua o rit­mo ide­al de ali­men­ta­ção, ou se­ja, be­ber lí­qui­dos, ali­men­tar-se a ca­da três ou qua­tro ho­ras e in­se­rir cur­tos pe­río­dos de me­di­ta­ção du­ran­te a ro­ti­na. Es­sa é a re­cei­ta ven­ce­do­ra”, fi­na­li­za o neu­ro­lo­gis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.