CA­BE­ÇA A MIL

Segredos da Mente - - Pilulas -

Se vo­cê se con­si­de­ra uma pes­soa com os pen­sa­men­tos mui­to ace­le­ra­dos no dia a dia, em um pri­mei­ro mo­men­to, tal­vez a me­di­ta­ção não se­ja mui­to acon­se­lhá­vel. Is­so por­que, se a an­si­e­da­de es­ti­ver mui­to pre­sen­te, se­rá mais di­fí­cil acal­mar a men­te e en­trar em um es­ta­do me­di­ta­ti­vo. Des­se mo­do, o es­pe­ci­a­lis­ta em io­ga, pro­je­ci­o­lo­gia e cons­ci­en­ci­o­lo­gia Luiz Gus­ta­vo Mu­ji­ca res­sal­ta que “se­ria in­te­res­san­te bus­car al­gu­ma li­nha de me­di­ta­ção mais ati­va, que fo­que na ace­le­ra­ção to­tal pa­ra de­pois cur­tir o re­la­xa­men­to. Pois, se vo­cê for pa­ra a ten­ta­ti­va de re­la­xa­men­to di­re­to, po­de ocor­rer uma in­qui­e­ta­ção mui­to gran­de e, co­mo con­sequên­cia, a de­sis­tên­cia”. Con­tu­do, se vo­cê pos­sui uma mai­or fa­ci­li­da­de em se con­cen­trar, o es­pe­ci­a­lis­ta apon­ta que uma me­di­ta­ção mais fo­ca­li­za­da po­de ser ide­al, “na qual vo­cê co­lo­ca to­da a aten­ção em um ob­je­to ou al­gum fa­to, ob­ser­van­do com gran­de pro­fun­di­da­de, sem­pre evi­tan­do o jul­ga­men­to e pro­cu­ran­do se fun­dir com o mo­ti­vo da ob­ser­va­ção”, co­men­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.