Bons re­la­ci­o­na­men­tos

Ha­ja in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal no con­ví­vio com o pró­xi­mo

Segredos da Mente - - News - TEXTO E ENTREVISTAS MARCELO RICCIARDI/COLABORADOR DESIGN DIEGO DIAS

Quem as­sis­tiu ao filme Náu­fra­go, su­ces­so de Hollywo­od lan­ça­do em 2001, emo­ci­o­nou-se com o dra­ma do per­so­na­gem Chuck No­land (in­ter­pre­ta­do pe­lo ator nor­te-ame­ri­ca­no Tom Hanks). Após um aci­den­te de avião, o exe­cu­ti­vo se vê obri­ga­do a bus­car for­ças pa­ra so­bre­vi­ver em uma ilha de­ser­ta no meio do oce­a­no. A so­li­dão de No­land só não é com­ple­ta gra­ças a Wilson, uma bo­la de vô­lei que se trans­for­ma em um ami­go ima­gi­ná­rio, o úni­co pos­sí­vel.

Quem, em mo­men­tos de de­cep­ção ou rai­va com to­dos ao re­dor, não pen­sou em se iso­lar do res­to do mun­do? Nes­sas ho­ras, é bom lem­brar-se de No­land, que en­tra em re­al de­ses­pe­ro quan­do, a cer­ta al­tu­ra da tra­ma, per­de até a com­pa­nhia de Wilson. Pois é, por mais que as pes­so­as se­jam re­ple­tas de im­per­fei­ções, a tão de­li­ca­da co­e­xis­tên­cia com seus se­me­lhan­tes faz bem ao ser hu­ma­no e é pra­ti­ca­men­te uma ne­ces­si­da­de, tal qual co­mer, dor­mir ou ir ao ba­nhei­ro. Di­an­te dis­so, sa­ber apli­car a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal em qu­al­quer ti­po de re­la­ci­o­na­men­to só traz a ga­nhar, pa­ra você e pa­ra os ou­tros.

Mar de ro­sas?

A rosa é a flor mais usa­da pa­ra re­pre­sen­tar o amor. A ale­go­ria faz sen­ti­do: a be­le­za de su­as pé­ta­las e a su­a­vi­da­de do seu per­fu­me são su­bli­mes. No en­tan­to, ro­sas têm es­pi­nhos, as­sim co­mo uma re­la­ção a dois não é for­ma­da so­men­te por mo­men­tos co­lo­ri­dos. Por trás da fa­cha­da ca­ri­nho­sa, mui­tos ca­sais es­con­dem uma ba­ta­lha per­pé­tua. Os sor­ri­sos fe­li­zes nas fotos nem sem­pre sig­ni­fi­cam re­al ale­gria. E, com o tem­po, os de­fei­tos da pes­soa ao la­do tor­nam-se in­su­por­tá­veis. Al­guns na­mo­ros, noi­va­dos e ca­sa­men­tos des­fa­zem-se nes­sas ho­ras. Ou­tros per­du­ram, mas o con­ví­vio pas­sa lon­ge de ser sa­tis­fa­tó­rio.

Mas por que é tão di­fí­cil as­sim en­con­trar uma al­ma gê­mea? Tal­vez por­que se es­te­ja es­pe­ran­do de­mais do ou­tro: “Gos­to de di­zer que ter in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal num re­la­ci­o­na­men­to é sa­ber quem você é e quem o ou­tro é. O mai­or pro­ble­ma, a meu ver, é o ser ima­gi­ná­rio que cri­a­mos de nos­so par”, pon­de­ra a pro­fes­so­ra, con­sul­to­ra e co­a­ch Do­lo­res Af­fon­so. “Es­pe­ra­mos de­mais do ou­tro. Exi­gi­mos mui­tos e que­re­mos que o ou­tro se­ja o que so­nha­mos. Ou se­ja, aqui­lo que ide­a­li­za­mos nem sem­pre é a re­a­li­da­de e se en­cai­xar nes­te per­fil não é sau­dá­vel pa­ra o par­cei­ro e nem pa­ra o re­la­ci­o­na­men­to”, aler­ta.

Você an­tes de tu­do

Con­tro­lar as ex­pec­ta­ti­vas pas­sa por en­ten­der que o ou­tro não é o gran­de res­pon­sá­vel pe­la sua fe­li­ci­da­de, que de­ve ser autô­no­ma no in­te­ri­or de ca­da um. Even­tu­al­men­te, se­rá pre­ci­so ce­der em al­guns pon­tos, mas is­so não sig­ni­fi­ca que uma das par­tes te­nha de se anu­lar pa­ra se ade­quar à ou­tra: “O pen­sa­men­to de que ‘so­mos um só’ é fal­so! Ca­da pes­soa é úni­ca e tem seus pró­pri­os so­nhos, ob­je­ti­vos e ma­nei­ra de pen­sar e é pre­ci­so res­pei­tar is­so. Amor não é quan­do as pes­so­as pen­sam igual ou não en­fren­tam atri­tos e con­fli­tos, mas quan­do con­se­gui­mos usar nos­sas emo­ções pa­ra trans­for­mar as ad­ver­si­da­des em cres­ci­men­to e apren­di­za­do mú­tuo, mes­mo com

Ca­sais amo­ro­sos, pais e fi­lhos e tam­bém ami­gos po­dem in­ten­si­fi­car seus la­ços quan­do ado­tam a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

idei­as e de­se­jos di­fe­ren­tes”, lem­bra Do­lo­res.

Al­gu­mas di­fe­ren­ças, aliás, po­dem fa­zer mui­to bem ao ca­sal quan­do ad­mi­nis­tra­das de uma ma­nei­ra emo­ci­o­nal­men­te inteligente, co­mo des­ta­ca a con­sul­to­ra: “É mui­to im­por­tan­te com­pre­en­der que os opos­tos se atra­em, mas a con­vi­vên­cia é di­fí­cil. Por ou­tro la­do, ser mui­to pa­re­ci­do po­de ge­rar uma aco­mo­da­ção ruim no re­la­ci­o­na­men­to. Fal­ta de­sa­fio”.

Amor pró­prio, que não sig­ni­fi­ca vi­ver so­zi­nho, é um be­lo exem­plo de in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal – in­clu­si­ve, na ho­ra de re­co­nhe­cer que é me­lhor par­tir pa­ra ou­tra. Vol­tan­do a Náu­fra­go: du­ran­te o pe­río­do em que per­ma­ne­ce na ilha, No­land bus­ca for­ças em uma fo­to que gu­ar­da da es­po­sa. Quan­do vol­ta pa­ra a ci­vi­li­za­ção, des­co­bre que ela (que o con­si­de­ra­va mor­to) já ha­via se ca­sa­do no­va­men­te e, in­clu­si­ve, ti­nha fi­lhos com o no­vo ma­ri­do. O pro­ta­go­nis­ta en­ten­de que a si­tu­a­ção mu­dou e re­sol­ve se­guir em fren­te com sua vi­da, sem se pren­der a la­men­tar as ar­ti­ma­nhas do des­ti­no.

De pais pa­ra fi­lhos

En­ten­der a sin­gu­la­ri­da­de do ou­tro tam­bém é pré-re­qui­si­to pa­ra que pais e fi­lhos se en­ten­dam me­lhor. “O pri­mei­ro pon­to a se des­ta­car quan­do fa­lo em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal dos pais é per­ce­ber que os fi­lhos não são có­pi­as de­les”, lem­bra Do­lo­res. A co­a­ch pros­se­gue: “Não se­rão co­mo eles e não se­rão o que eles que­rem que se­jam. Afi­nal, são pes­so­as. São úni­cas e pos­su­em seus pró­pri­os so­nhos, de­se­jos e ne­ces­si­da­des. Di­an­te dis­so, os pais pre­ci­sam re­pen­sar sua for­ma de se re­la­ci­o­nar com os fi­lhos, co­mo os mo­ti­vam, co­mo os en­si­nam, co­mo apren­dem com eles e co­mo con­vi­vem den­tro e fo­ra de ca­sa. Sa­ber li­dar com as emo­ções, não se des­con­tro­lar e nem gri­tar ou agre­dir fí­si­ca, psi­co­ló­gi­ca e emo­ci­o­nal­men­te re­quer mui­ta in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal”.

Quan­do os pais se pro­põem a de­sen­vol­ve- rem a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal em si pró­pri­os, tra­ta- se do pri­mei­ro pas­so pa­ra cri­a­rem fi­lhos que si­gam pe­lo mes­mo ca­mi­nho. Cri­an­ças emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­tes não ape­nas são mais so­ciá­veis, co­mo ain­da as­si­mi­lam me­lhor aqui­lo que es­tu­dam e tor­nam-se mais ca­pa­zes de so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas que a vi­da traz. Mos­tram me­nos com­por­ta­men­tos bir­ren­tos di­an­te de um não – ain­da que cho­rem ou fa­çam pir­ra­ça vez ou ou­tra (va­le lem­brar que nin­guém é per­fei­to).

Even­tu­ais tro­pe­ços na vi­da es­co­lar são si­tu­a­ções pro­pí­ci­as pa­ra se mos­trar aos fi­lhos os me­lho­res ca­mi­nhos a se­guir no fu­tu­ro e não ape­nas par­tir pa­ra a bron­ca: “Ig­no­rar ou ba­na­li­zar as apre­en­sões, de­se­jos e emo­ções dos fi­lhos não é a so­lu­ção. Im­por sua von­ta­de tam­bém não é. En­tão, va­le di­zer: o ca­mi­nho é o diá­lo­go. Is­so não sig­ni­fi­ca com­pen­sa­ções, pre­mi­a­ções por ir à es­co­la ou ti­rar bo­as no­tas, nem pu­ni­ções quan­do acon­te­ce o con­trá­rio. O X da ques­tão é aju­dar o filho a fa­zer uma es­co­lha, a com­pre­en­der sua pró­pria si­tu­a­ção e sa­ber as con­sequên­ci­as des­sa es­co­lha”, con­clui Do­lo­res.

AMI­GO É COI­SA PA­RA SE GUAR­DAR

Diz o di­ta­do que os me­lho­res ami­gos se re­ve­lam nas pi­o­res ho­ras. O que é ver­da­de, já que, do pon­to de vis­ta emo­ci­o­nal, é mui­to mais fá­cil es­tar per­to de al­guém quan­do o ce­ná­rio ao re­dor é fa­vo­rá­vel. Um bom ami­go é aque­le que ofe­re­ce o om­bro ao pró­xi­mo nos mo­men­tos de di­fi­cul­da­des. En­tre­tan­to, quem se pro­põe a exer­cer es­se pa­pel não de­ve se li­mi­tar a com­par­ti­lhar as do­res, mas tam­bém aju­dar a apon­tar no­vos ca­mi­nhos e in­cen­ti­var o ou­tro a par­tir no­va­men­te em bus­ca do su­ces­so. Tam­bém ca­be ao bom ami­go não so­men­te elo­gi­ar, mas cri­ti­car quan­do for ne­ces­sá­rio, sem­pre com mui­ta sen­si­bi­li­da­de – aliás, sa­ber ou­vir qu­al­quer crí­ti­ca de for­ma cons­tru­ti­va é uma das gran­des qua­li­da­des de quem apre­sen­ta in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal. CONSULTORIA Do­lo­res Af­fon­so, co­a­ch, pa­les­tran­te, con­sul­to­ra, de­sig­ner ins­tru­ci­o­nal, pro­fes­so­ra e ide­a­li­za­do­ra do Con­gres­so de Aces­si­bi­li­da­de ( www.do­lo­re­saf­fon­so.com.br).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.