Co­mo qu­e­ro apren­der

São vá­ri­os os mé­to­dos de en­si­no à sua dis­po­si­ção. Descubra as di­fe­ren­ças

Segredos da Mente - - News - TEXTO CAROLINA VIEIRA/COLABORADORA DESIGN ALINE SANTOS

“Acre­di­to que es­sas li­nhas po­dem con­vi­ver har­mo­ni­ca­men­te. Acho pos­sí­vel ti­rar pro­vei­to do que há de me­lhor em ca­da con­cep­ção” Hel­ga Ce­zar, pe­da­go­ga

Cons­tru­ti­vis­mo

Tem co­mo mai­or re­pre­sen­tan­te o suí­ço Je­an Pi­a­get. Pa­ra ele, o de­sen­vol­vi­men­to cog­ni­ti­vo acon­te­ce de for­ma gra­du­al, na me­di­da em que a cri­an­ça é a pro­ta­go­nis­ta da cons­tru­ção do co­nhe­ci­men­to. “O sa­ber é par­ti­lha­do atra­vés do le­van­ta­men­to de hi­pó­te­ses, re­so­lu­ção de pro­ble­mas e bus­ca da au­to­no­mia do alu­nos” ex­pli­ca Hel­ga Ce­zar, as­ses­so­ra pe­da­gó­gi­ca. Va­lo­ri­za: a in­de­pen­dên­cia, o pen­sa­men­to crí­ti­co, fa­zer coi­sas no­vas ao in­vés de re­pe­tir o que já exis­te.

Wal­dorf

O mé­to­do, pro­pos­to por Ru­dolf Stein, de­fen­de que os es­tu­dan­tes pos­su­em eta­pas de de­sen­vol­vi­men­to, não fo­can­do em con­teú­dos a se­rem trans­mi­ti­dos. “Não há uma exi­gên­cia do de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al lo­go ce­do, pois a cri­an­ça, an­tes de tu­do, tem o di­rei­to de brin­car”, afir­ma a pe­da­go­ga. Va­lo­ri­za: tem­po de apren­di­za­do do alu­no, ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas co­mo es­tí­mu­lo ao pen­sa­men­to cri­a­ti­vo, o em­pe­nho di­an­te de uma ta­re­fa e não só o re­sul­ta­do.

Pau­lo Frei­re

Es­te es­tu­di­o­so per­nam­bu­ca­no ela­bo­rou a co­nhe­ci­da Edu­ca­ção Li­ber­ta­do­ra, na qual o mai­or ob­je­ti­vo é in­cen­ti­var a ca­pa­ci­da­de crí­ti­ca do alu­no. Pa­ra ele, o pro­fes­sor de­ve le­var os jo­vens a co­nhe­cer con­teú­dos, mas não de for­ma ab­so­lu­ta. Va­lo­ri­za: pa­pel do alu­no co­mo agen­te trans­for­ma­dor, a es­co­la co­mo um es­pa­ço de so­ci­a­li­za­ção li­ber­ta­do­ra e não opres­so­ra.

Mon­tes­so­ri­a­no

Fun­da­da pe­la edu­ca­do­ra ita­li­a­na Ma­ria Mon­tes­so­ri, o mé­to­do con­ci­lia o co­nhe­ci­men­to que o alu­no já tem com no­vos con­cei­tos. “As ati­vi­da­des em sa­la de au­la le­vam em con­ta o rit­mo da cri­an­ça. In­clu­si­ve, são usa­dos vá­ri­os ma­te­ri­ais pa­ra es­ti­mu­lar a apren­di­za­gem”, fa­la Hel­ga Ce­zar. Va­lo­ri­za: di­rei­to de es­co­lha da cri­an­ça, au­to­for­ma­ção pa­ra le­var a alu­nos mais in­de­pen­den­tes e con­fi­an­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.