O QUE FA­ZER PA­RA MU­DAR?

Segredos da Mente - - News -

Em­bo­ra a ci­ên­cia apre­sen­te in­dí­ci­os con­sis­ten­tes de que a po­bre­za é ca­paz de li­mi­tar a in­te­li­gên­cia, é pre­ci­so ter cui­da­do pa­ra não se re­for­çar, as­sim, pe­ri­go­sos pre­con­cei­tos que só di­fi­cul­tam ain­da mais a vi­da de quem con­vi­ve com a mi­sé­ria. “Não que to­das as cri­an­ças da clas­se bai­xa vi­vam em am­bi­en­tes ruins e as da clas­se mé­dia vi­vam em óti­mas con­di­ções, mas tra­tan­do- se do as­pec­to ma­te­ri­al e do ca­pi­tal econô­mi­co, as di­fe­ren­ças são gri­tan­tes. Quan­do se fa­la nas ques­tões emo­ci­o­nais, é fun­da­men­tal que a cri­an­ça se sin­ta aco­lhi­da, que­ri­da, pro­te­gi­da, ou­vi­da, as­sis­ti­da e is­so in­de­pen­de da clas­se so­ci­al” des­ta­ca Ma­rí­lia Freitas Ros­si, pe­da­go­ga. Já es­ti­ve­ram em vo­ga an­te­ri­or­men­te te­o­ri­as co­mo o de­ter­mi­nis­mo ge­né­ti­co e so­ci­al, pos­te­ri­or­men­te des­cons­truí­das. Não que a in­fluên­cia do meio ex­ter­no ou al­gum ti­po de obs­tá­cu­lo de ca­rá­ter bi­o­ló­gi­co não fa­çam a di­fe­ren­ça. No en­tan­to, não de­cre­tam ab­so­lu­ta­men­te o fra­cas­so de uma pes­soa. Uma so­ci­e­da­de mais jus­ta, que ofe­re­ça o má­xi­mo pos­sí­vel de opor­tu­ni­da­des pa­ra to­dos, aca­ba di­mi­nuin­do tal dis­cre­pân­cia. O Bra­sil, por exem­plo, já deu re­cen­te­men­te al­guns pas­sos im­por­tan­tes no sen­ti­do de mi­ni­mi­zar as dis­tor­ções so­ci­o­e­conô­mi­cas. Um re­la­tó­rio do Ban­co Mun­di­al, pu­bli­ca­do em abril de 2015, ates­tou que, no in­ter­va­lo en­tre os anos de 2001 e 2013, caiu de 10% pa­ra 4% a fai­xa da po­pu­la­ção que vi­via com me­nos de 2,5 dó­la­res por dia. Até 1999, os ín­di­ces de po­bre­za ex­tre­ma no país gi­ra­vam em tor­no de 26%. Po­rém, de lá pa­ra cá, 25 mi­lhões de bra­si­lei­ros dei­xa­ram a po­bre­za ex­tre­ma e mo­de­ra­da, o que re­pre­sen­ta uma em ca­da du­as pes­so­as que as­cen­de­ram so­ci­al­men­te no res­tan­te da Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be. Além da pró­pria pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca, pro­gra­mas go­ver­na­men­tais – ca­so do Bol­sa Fa­mí­lia – con­tri­buí­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra a me­lho­ra nos ín­di­ces so­ci­ais (in­clu­si­ve, de anal­fa­be­tis­mo). Por ou­tro la­do, há quem ta­xe tais ini­ci­a­ti­vas co­mo as­sis­ten­ci­a­lis­tas, não re­sol­ven­do os pro­ble­mas em seu âma­go. Com os in­di­ca­do­res econô­mi­cos em que­da, tam­bém se ques­ti­o­na até que pon­to se­rá pos­sí­vel man­ter as úl­ti­mas con­quis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.