Neurô­ni­os a me­nos

O que acon­te­ce quan­do o cé­re­bro começa a per­der su­as ca­pa­ci­da­des

Segredos da Mente - - News -

Édi­fí­cil en­con­trar pa­la­vras que des­cre­vam com jus­ti­ça a vas­ta com­ple­xi­da­de e po­ten­ci­a­li­da­de da men­te hu­ma­na. No en­tan­to, o cen­tro de co­man­do do cor­po tam­bém tem su­as vul­ne­ra­bi­li­da­des, que se tor­nam ex­pos­tas di­an­te de do­en­ças, co­mo ocor­re com o Alzhei­mer. Em ou­tros ca­sos, a ida­de avan­ça­da ou há­bi­tos de vi­da na­da sau­dá­veis le­vam a um qua­dro clí­ni­co de de­mên­cia – sem con­tar aci­den­tes que atin­jam a re­gião da ca­be­ça.

Even­tu­al­men­te, o ter­mo de­mên­cia apa­re­ce co­mo sinô­ni­mo de lou­cu­ra. Na lin­gua­gem da me­di­ci­na, seu sig­ni­fi­ca­do é um pou­co di­fe­ren­te: “De­mên­ci­as são do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas em que há per­da de ca­pa­ci­da­des cog­ni­ti­vas pre­vi­a­men­te ad­qui­ri­das e fun­ci­o­nan­tes, e ocor­rem em pes­so­as, até en­tão, sa­di­as. São fun­ções men­tais que se re­la­ci­o­nam com me­mó­ria, ori­en­ta­ção, lin­gua­gem, fle­xi­bi­li­da­de men­tal, aten­ção e abs­tra­ção”, des­cre­ve o neu­ro­lo­gis­ta Flá­vio Se­keff Sal­lem. Por­tan­to, é mais do que per­der a no­ção da re­a­li­da­de e se dei­xar le­var por de­lí­ri­os. Tra­tam-se de sé­ri­os da­nos ao cé­re­bro, que não po­dem ser me­nos­pre­za­dos, pois com­pro­me­tem, e mui­to, a au­to­no­mia dos por­ta­do­res e, con­se­quen­te­men­te, ha­bi­li­da­des na­tu­rais re­la­ci­o­na­das à in­te­li­gên­cia.

Si­nais de pe­ri­go

O mai­or ris­co pa­ra a in­te­gri­da­de do cé­re­bro en­con­tra-se nas do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas, ou se­ja, aque­las que re­sul­tam na des­trui­ção pro­gres­si­va dos neurô­ni­os. Es­tão en­tre as mais ame­a­ça­do­ras:

• Alzhei­mer: a per­da de me­mó­ria é o sin­to­ma mais co­nhe­ci­do e que cos­tu­ma apa­re­cer pri­mei­ro. Pos­te­ri­or­men­te, ma­ni­fes­tam-se a in­ca­pa­ci­da­de de se co­mu­ni­car e até re­a­li­zar as ne­ces­si­da­des bá­si­cas sem au­xí­lio, fo­ra as mu­dan­ças brus­cas de tem­pe­ra­men­to. Su­as re­ais cau­sas ain­da não fo­ram to­tal­men­te des­ven­da­das.

• Par­kin­son: fo­ra os tre­mo­res nas mãos, sin­to­mas co­mo len­ti­dão nos mo­vi­men­tos e di­fi­cul­da­des na fa­la de­nun­ci­am a do­en­ça, que evo­lui de ma­nei­ra bem su­til. Sua cau­sa é a di­mi­nui­ção agu­da dos ní­veis de do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor que, en­tre ou­tras fun­ções, con­tro­la os mo­vi­men­tos.

• Es­cle­ro­se múl­ti­pla: acon­te­ce quan­do o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co do pa­ci­en­te pas­sa a agre­dir a bai­nha de mi­e­li­na, mem­bra­na que envolve os axô­ni­os, pon­to em que os neurô­ni­os se co­nec­tam. É mo­ti­va­da por uma mis­tu­ra de fa­to­res ge­né­ti­cos e am­bi­en­tais. Com o tem­po, ocor­re per­da da mas­sa en­ce­fá­li­ca e per­de-se equi­lí­brio e for­ça, além da lu­ci­dez em si.

• Do­en­ça de Hun­ting­ton: pro­vo­ca es­pas­mos mus­cu­la­res, di­fi­cul­da­des de equi­lí­brio e pi­o­ra das fun­ções cog­ni­ti­vas. Os sin­to­mas cos­tu­mam apa­re­cer na fai­xa en­tre os 20 e os 40 anos de ida­de. Ocor­re por uma mu­ta­ção ge­né­ti­ca em um dos cro­mos­so­mos dos por­ta­do­res.

Ques­tão de ida­de?

O pas­sar dos anos é cru­el com o cor­po hu­ma­no co­mo um to­do, in­clu­si­ve o cé­re­bro. Is­so não sig­ni­fi­ca que a de­mên­cia se­ja um ris­co as­so­ci­a­do uni­ca­men­te à ve­lhi­ce: “Es­sa con­di­ção não é ex­clu­si­va da ida­de avan­ça­da, e mui­tas po­dem co­me­çar mes­mo an­tes dos 50 anos de ida­de. Há qua­dros de de­mên­cia se­cun­dá­ri­os, cau­sa­dos por do­en­ças co­mo hi­po­ti­re­oi­dis­mo, sí­fi­lis ou de­fi­ci­ên­cia de vi­ta­mi­na B12”, es­cla­re­ce o neu­ro­lo­gis­ta. Trau­ma­tis­mos cra­ni­a­nos, der­ra­mes ce­re­brais, me­nin­gi­tes e hi­dro­ce­fa­lia são ou­tros pro­ble­mas que aca­bam, por ta­be­la, afe­tan­do ne­ga­ti­va­men­te o fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral. A ge­né­ti­ca tam­bém tem sua par­ce­la de cul­pa nes­sa his­tó­ria, mas nem sem­pre é o mo­ti­vo pre­pon­de­ran­te – ex­ce­ção fei­ta à do­en­ça de Hun­ting­ton.

Se ser­ve de aler­ta, os neurô­ni­os per­di­dos não po­dem mais ser re­cu­pe­ra­dos. Es­tu­di­o­sos acre­di­tam que o cé­re­bro hu­ma­no apre­sen­te al­go em tor­no de 86 bi­lhões de­les. Mes­mo as­sim, não con­vém des­per­di­çá-los, mas to­mar ati­tu­des pa­ra que a re­de neu­ro­nal se ex­pan­da o quan­to for pos­sí­vel: “Neurô­ni­os, em te­se, não se re­ge­ne­ram, mas há evi­dên­ci­as de que no­vos po­dem apa­re­cer, mes­mo após a vi­da adul­ta, quan­do man­te­mos um rit­mo de vi­da que per­mi­ta is­so. Es­pe­ci­al­men­te quan­do evi­ta­mos o es­tres­se, man­te­mos uma boa di­e­ta, evi­ta­mos o uso crô­ni­co de ál­co­ol e fu­mo, pra­ti­ca­mos ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar e nos pre­ve­ni­mos de do­en­ças crô­ni­cas co­mo hi­per­ten­são e di­a­be­tes”, acon­se­lha Flá­vio. A for­mi­dá­vel ca­pa­ci­da­de ce­re­bral de res­pon­der ao am­bi­en­te e com­pen­sar al­gu­ma ava­ria é de­no­mi­na­da neu­ro­plas­ti­ci­da­de e de­ve ser fa­vo­re­ci­da o má­xi­mo pos­sí­vel.

Co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, ci­en­tis­tas tra­ba­lham con­ti­nu­a­men­te pa­ra ana­li­sar os pro­ces­sos neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vos e apon­tar pos­sí­veis so­lu­ções. No que se re­fe­re ao Alzhei­mer, por exem­plo, pes­qui­sa re­a­li­za­da na Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, e pu­bli­ca­da no iní­cio de 2015 pe­lo

Jour­nal of Cli­ni­cal In­ves­ti­ga­ti­on, des­co­briu que a de­fi­ci­ên­cia se dá por uma fa­lha em um ti­po de cé­lu­la cha­ma­do mi­cro­glia, res­pon­sá­vel por uma “fa­xi­na ce­re­bral” con­tra ví­rus, bac­té­ri­as e ou­tros or­ga­nis­mos ma­lé­fi­cos. O ca­mi­nho a ser ex­plo­ra­do é o blo­queio de uma pro­teí­na co­nhe­ci­da co­mo EP2, que au­men­ta com o en­ve­lhe­ci­men­to e pre­ju­di­ca o de­sem­pe­nho des­sas cé­lu­las em es­pe­ci­al.

Se­ja co­mo for, en­quan­to a cu­ra não vem, não cus­ta na­da se pre­ve­nir, cor­re­to? Já es­tá com­pro­va­do que uma vi­da sau­dá­vel, com uma di­e­ta ba­lan­ce­a­da e ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar, di­mi­nui o ris­co não só de de­mên­cia, mas de uma in­fi­ni­da­de de ou­tros ma­les que afe­tam a saú­de. Cui­dar do cor­po tam­bém é cui­dar da men­te. Sai­ba mais so­bre ali­men­ta­ção e exer­cí­ci­os fí­si­cos nas pá­gi­nas 56 e 86, res­pec­ti­va­men­te.

TEXTO E ENTREVISTAS MARCELO RICCIARDI/COLABORADOR DESIGN JAMILE CURY GANDARA

CONSULTORIAS Flá­vio Se­keff Sal­lem, neu­ro­lo­gis­ta do Hos­pi­tal do Co­ra­ção e do Hos­pi­tal Sí­rio- Li­ba­nês, em São Pau­lo (SP); Lya­na Car­va­lho e Sou­sa, pro­fes­so­ra do cur­so de te­ra­pia ocu­pa­ci­o­nal da Uni­ver­si­da­de do Sa­gra­do Co­ra­ção (USC), em Bau­ru (SP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.