• Ní­vel avan­ça­do:

Segredos da Mente - - News -

a ci­ne­si­o­te­ra­pia uti­li­za-se de mo­vi­men­tos ati­vos (quan­do es­tes são pos­sí­veis) e pas­si­vos pa­ra es­ti­mu­lar os sis­te­mas neu­ro­mus­cu­lo­es­que­lé­ti­co e cir­cu­la­tó­rio. O ide­al é que o pa­ci­en­te par­ti­ci­pe, ain­da que mi­ni­ma­men­te, da exe­cu­ção dos exer­cí­ci­os. Se, por sua vez, não for pos­sí­vel re­ge­ne­rar os neurô­ni­os afe­ta­dos por al­gu­ma do­en­ça ou aci­den­te, um fa­tor em es­pe­ci­al irá ser de­ci­si­vo pa­ra pre­ser­var a qua­li­da­de de vi­da: pro­cu­rar aju­da o mais ce­do pos­sí­vel. “Iden­ti­fi­can­do pre­co­ce­men­te as di­fi­cul­da­des, es­tas se­rão os prin­ci­pais al­vos do tra­ta­men­to, com o pro­fis­si­o­nal cri­an­do es­tra­té­gi­as pa­ra po­ten­ci­a­li­zar as ha­bi­li­da­des re­ma­nes­cen­tes”, acon­se­lha Lya­na. Um bom te­ra­peu­ta, por si­nal, se­rá fun­da­men­tal ain­da pa­ra aque­les que con­vi­vem de per­to com o pa­ci­en­te: “Ori­en­ta­ções ao pa­ci­en­te, fa­mi­li­a­res e cui­da­do­res são atri­bui­ções do pro­fis­si­o­nal da te­ra­pia ocu­pa­ci­o­nal em to­das as fa­ses de in­ter­ven­ção, as­sim co­mo a ade­qua­ção de al­gum re­cur­so au­xi­li­a­dor de mo­bi­li­da­de, co­mo a ca­dei­ra de ro­das e adap­ta­ções ao lon­go do tra­ta­men­to”, con­clui a te­ra­peu­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.