Se­res bri­lhan­tes

Foi-se o tem­po em que os hu­ma­nos eram con­si­de­ra­dos a úni­ca es­pé­cie inteligente da Ter­ra

Segredos da Mente - - News - TEXTO E ENTREVISTAS KARINA ALONSO/COLABORADORA DESIGN TAINARA RICALDES/COLABORADORA

Há quem ain­da acre­di­te que os hu­ma­nos são os úni­cos se­res vi­vos ca­pa­zes de usar a me­mó­ria, fa­zer con­tas, ar­rom­bar fe­cha­du­ras e re­co­nhe­cer ou­tros in­di­ví­du­os da mes­ma es­pé­cie. Aliás, até pou­co tem­po atrás, a ci­ên­cia ain­da não acei­ta­va o fa­to de que os ani­mais pos­su­em uma in­te­li­gên­cia que pu­des­se ser com­pa­ra­da à dos hu­ma­nos, acre­di­tan­do que su­as ações eram res­pos­tas ins­tin­ti­vas ou es­tra­té­gi­as de so­bre­vi­vên­cia.

O pri­mei­ro es­tu­di­o­so que começa a en­ca­rar os ani­mais com a atu­al per­cep­ção da ci­ên­cia foi Char­les Darwin, en­quan­to pro­cu­ra­va des­ven­dar os mis­té­ri­os do de­sen­vol­vi­men­to do cé­re­bro hu­ma­no. Pa­ra Darwin, a in­te­li­gên­cia evo­luiu a par­tir de or­ga­nis­mos pri­mi­ti­vos en­quan­to pas­sa­vam por de­sa­fi­os sim­ples, co­muns a ou­tros ani­mais. Se­guin­do a li­nha de sua te­o­ria da evo­lu­ção das es­pé­ci­es, o ci­en­tis­ta acre­di­ta­va que os se­res in­fe­ri­o­res na es­ca­la evo­lu­ti­va tam­bém te­ri­am in­te­li­gên­cia e sen­ti­men­tos, mas em ní­veis dis­tin­tos dos mais evo­luí­dos. Su­as idei­as de­mo­ra­ram pa­ra se­rem acei­tas, mas, com o de­sen­vol­vi­men­to de pes­qui­sas na área, ho­je sa­be-se que a di­fe­ren­ci­a­ção en­tre o in­te­lec­to de­les e do nos­so é da­do por graus e não por ti­pos.

Du­ran­te a his­tó­ria

Em 350 a.C., o fi­ló­so­fo gre­go Aris­tó­te­les es­cre­veu o li­vro His­to­ria Ani­ma­lium, em que fa­zia des­cri­ções da fi­si­o­lo­gia e do com­por­ta­men­to de ba­lei­as e gol­fi­nhos, dan­do des­ta­que pa­ra o cui­da­do com a pro­le, e di­fe­ren­ci­an­do-os dos ou­tros ani­mais ma­ri­nhos. Sé­cu­los de­pois, o ci­en­tis­ta rus­so Ivan Pa­vlov de­mons­trou os me­ca­nis­mos do re­fle­xo con­di­ci­o­na­do, quan­do um es­tí­mu­lo ex­ter­no pas­sa a pro­vo­car re­a­ções no cor­po do ani­mal.

Nos anos 1970, foi re­a­li­za­do o es­tu­do que deu um sal­to no de­sen­vol­vi­men­to das pes­qui­sas na área. O psi­có­lo­go ame­ri­ca­no Gor­don G. Gal­lup fa­zia al­gum ti­po de mar­ca­ção em um ani­mal que es­ti­ves­se dor­min­do e, quan­do ele acor­da­va, era pos­to em fren­te a um es­pe­lho. Vá­ri­as es­pé­ci­es, co­mo chim­pan­zés e gol­fi­nhos, re­co­nhe­ce­ram seu re­fle­xo e ten­ta­ram lim­par a su­per­fí­cie, co­mo se fos­se uma man­cha. Al­guns es­tu­di­o­sos en­ten­dem o ato co­mo um si­nal de que al­gu­mas de­las sa­bem da sua in­di­vi­du­a­li­da­de. Mas os crí­ti­cos apon­ta­ram uma fa­lha no tes­te: ele é ba­se­a­do no prin­ci­pal sen­ti­do hu­ma­no, a vi­são. É que, pa­ra mui­tos ani­mais, ou­tros sen­ti­dos são mais im­por­tan­tes, co­mo o ol­fa­to. Em se­res hu­ma­nos, o tes­te mos­trou que os be­bês co­me­çam a re­co­nhe­cer o re­fle­xo no es­pe­lho en­tre os 18 me­ses e dois anos de ida­de, sen­do que até 30% das cri­an­ças au­tis­tas não apre­sen­ta­vam tal ca­pa­ci­da­de.

Qua­se hu­ma­nos

O fa­mo­so pa­pa­gaio cin­za afri­ca­no Alex con­ta­va até seis, ti­nha um vo­ca­bu­lá­rio com­pa­ra­do

ao de uma cri­an­ça de dois anos de ida­de e sa­bia di­fe­ren­ci­ar ob­je­tos pe­lo for­ma­to, cor e com­po­si­ção. Sua trei­na­do­ra, a pes­qui­sa­do­ra Ire­ne Pep­per­berg, da Pur­due Uni­ver­sity, dos Es­ta­dos Uni­dos, tra­ba­lhou na área por qua­se 30 anos e con­se­guiu aca­bar com a te­o­ria de que a in­te­li­gên­cia é ex­clu­si­va­men­te re­la­ci­o­na­da com o ta­ma­nho do cé­re­bro e a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va do ani­mal.

Nei­mar Ron­ca­ti, pro­fes­sor do cur­so de me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria da Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi, ex­pli­ca que a in­te­li­gên­cia ani­mal po­de ser com­pa­ra­da com a hu­ma­na, mas é pre­ci­so en­ten­der as di­fe­ren­ças fun­da­men­tais, co­mo a ma­nei­ra que con­se­gui­mos re­sol­ver pro­ble­mas e agre­gar co­nhe­ci­men­tos con­for­me en­fren­ta­mos no­vas si­tu­a­ções. Atu­al­men­te, o ser hu­ma­no po­de ser co­lo­ca­do no to­po da ca­deia, pe­la for­ma que es­ta­be­le­ce­mos re­la­ci­o­na­men­tos e nos or­ga­ni­za­mos em so­ci­e­da­de. Se­gun­do o pro­fes­sor, mes­mo que al­guns ani­mais tam­bém te­nham es­sas ca­pa­ci­da­des, ge­ral­men­te o fa­zem pa­ra pre­ser­var a es­pé­cie, de mo­do ins­tin­ti­vo, di­fe­ren­te­men­te dos se­res hu­ma­nos.

Ou­tras per­cep­ções

Os se­res hu­ma­nos têm uma per­cep­ção de mun­do ba­se­a­da nos cin­co sen­ti­dos e, se­gun­do o pro­fes­sor Nei­mar Ron­ca­ti, há gran­des di­fe­ren­ças na uti­li­za­ção de ca­da um de­les nas di­ver­sas es­pé­ci­es ani­mais exis­ten­tes. Os cães, por exem­plo, apre­sen­tam uma vi­são in­fe­ri­or à nos­sa, mas têm o ol­fa­to mui­to me­lhor, fa­zen­do com que o uti­li­zem mais pa­ra iden­ti­fi­car di­fe­ren­tes si­tu­a­ções.

Mar­cos Fer­nan­des, ve­te­ri­ná­rio ho­me­o­pa­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em psi­ca­ná­li­se, ex­pli­ca que os ani­mais apa­ren­tam ter um sex­to sen­ti­do, ou se­ja, uma per­cep­ção ex­tras­sen­so­ri­al: são co­muns re­la­tos de tu­to­res que pre­sen­ci­a­ram si­tu­a­ções

em que ani­mais ti­ve­ram uma an­te­vi­são de al­go que acon­te­ce­ria no fu­tu­ro. Fa­to pa­re­ci­do foi per­ce­bi­do du­ran­te o tsu­na­mi de de­zem­bro de 2004, em que mi­lha­res de pes­so­as mor­re­ram na Ásia. Di­ver­sos ani­mais co­me­ça­ram a fu­gir mi­nu­tos an­tes do acon­te­ci­men­to. Mui­tos dos que fa­le­ce­ram, não pu­de­ram fu­gir por­que es­ta­vam apri­si­o­na­dos.

Me­mó­ria de ele­fan­te

Em 2013, o bió­lo­go Ja­son Bruck, da Uni­ver­si­da­de de Chi­ca­go (EUA), pu­bli­cou um es­tu­do na re­vis­ta bri­tâ­ni­ca Pro­ce­e­dings B afir­man­do que os gol­fi­nhos pos­su­em a ca­pa­ci­da­de de re­co­nhe­cer a lon­go pra­zo seus se­me­lhan­tes, por meio de um as­so­bio ca­rac­te­rís­ti­co, que fun­ci­o­na co­mo se fos­se uma as­si­na­tu­ra pes­so­al. O bió­lo­go es­tu­dou 43 gol­fi­nhos alo­ja­dos em seis zo­o­ló­gi­cos e par­ques aquá­ti­cos di­fe­ren­tes que in­ter­cam­bi­a­vam ani­mais en­tre si, man­ten­do re­gis­tro de ca­da um. Du­ran­te a pes­qui­sa, os gol­fi­nhos ou­vi­am gra­va­ções de as­so­bi­os de ou­tros de sua es­pé­cie e re­a­gi­am por mui­to mais tem­po quan­do ou­vi­am sons fa­mi­li­a­res, mes­mo de­pois de 20 anos de se­pa­ra­ção.

Nei­mar Ron­ca­ti ex­pli­ca que os ani­mais guar­dam me­mó­ria, sen­do que al­gu­mas es­pé­ci­es apa­ren­tam in­clu­si­ve ter uma ca­pa­ci­da­de mai­or de me­mo­ri­za­ção que a dos hu­ma­nos. Es­se é o ca­so dos ele­fan­tes, que pos­su­em a ha­bi­li­da­de por exi­gên­ci­as de seu mo­do de vi­da. Co­mo per­cor­rem gran­des dis­tân­ci­as, pre­ci­sam ter uma boa lem­bran­ça es­pa­ci­al pa­ra sa­be­rem on­de en­con­trar água e co­mi­da, mes­mo de­pois de an­da­rem mui­tos quilô­me­tros.

Po­ten­ci­a­li­zan­do a in­te­li­gên­cia

As­sim co­mo acon­te­ce com os hu­ma­nos, tam­bém é pos­sí­vel trei­nar o in­te­lec­to dos ani­mais. Se­gun­do o ve­te­ri­ná­rio Mar­cos Fer­nan­des, “a in­te­li­gên­cia dos ani­mais é cons­ta­ta­da por meio do trei­na­men­to e na ava­li­a­ção de ca­pa­ci­da­des cog­ni­ti­vas, com­pro­va­das me­di­an­te ex­pe­ri­men­tos ci­en­tí­fi­cos”. Sua ava­li­a­ção é da­da por meio do re­for­ço po­si­ti­vo, ou se­ja, quan­do o ani­mal acer­ta uma fun­ção, é pre­mi­a­do e, quan­do er­ra, não re­ce­be o prê­mio.

O pro­fes­sor Nei­mar Ron­ca­ti ex­pli­ca que o ades­tra­men­to não é só uti­li­za­do pa­ra exi­bi­ci­o­nis­mo, mas tam­bém pa­ra cães gui­as ou acom­pa­nhan­tes de cri­an­ças com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, por exem­plo. O pe­río­do mais pro­pí­cio pa­ra o trei­na­men­to de cães é quan­do eles es­tão jo­vens, ge­ral­men­te en­tre 30 e 90 dias de vi­da, pe­río­do cha­ma­do de so­ci­a­li­za­ção. Em qu­al­quer ou­tra ida­de há a pos­si­bi­li­da­de de trei­na­men­to, po­rém, en­quan­to jo­vem, o ani­mal se mos­tra mais aber­to pa­ra o apren­di­za­do e pa­ra acei­tar a li­de­ran­ça de um ser hu­ma­no.

NO MUN­DO DOS SO­NHOS

Você já viu um ca­chor­ro cho­ran­do ou mo­vi­men­tan­do as pa­tas en­quan­to dor­mia? O pro­fes­sor Nei­mar Ron­ca­ti ex­pli­ca que, pos­si­vel­men­te, os ani­mais so­nham da mes­ma ma­nei­ra que os hu­ma­nos. Nos cães, o fa­to acon­te­ce mais du­ran­te a fa­se de cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to. “Exis­tem pes­qui­sas com­pro­van­do que vá­ri­as es­pé­ci­es de­mons­tram as mes­mas fa­ses do so­no que os hu­ma­nos, in­cluin­do a cha­ma­da fa­se REM, que se­ria quan­do es­ta­mos so­nhan­do”, con­clui o pro­fes­sor.

CONSULTORIA Mar­cos Fer­nan­des, ve­te­ri­ná­rio ho­me­o­pa­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em psi­ca­ná­li­se; Nei­mar Ron­ca­ti, pro­fes­sor do cur­so de Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria da Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.