As má­qui­nas e nós

As par­ti­cu­la­ri­da­des da in­te­li­gên­cia hu­ma­na e a evo­lu­ção da tec­no­lo­gia na in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO ÉRI­CA AGUI­AR ENTREVISTAS ÉRI­CA AGUI­AR E CAROLINA VI­EI­RA/ COLABORADORA DESIGN JAMILE CURY GANDARA

A evo­lu­ção da tec­no­lo­gia na in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e co­mo ela es­tá pre­sen­te em di­fe­ren­tes fa­ses da vi­da

Ho­je em dia, com­pu­ta­do­res e ou­tros dis­po­si­ti­vos já con­se­guem re­pro­du­zir as­pec­tos do com­por­ta­men­to in­te­li­gen­te hu­ma­no co­mo a ha­bi­li­da­de de fa­zer cál­cu­los ma­te­má­ti­cos e re­co­nhe­cer ou­tras lín­guas.

Se­gun­do o pro­fes­sor da Universidade de São Pau­lo ( USP) Flá­vio Cor­rêa, atu­al­men­te, a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al tem si­do uti­li­za­da em di­ver­sas áre­as. “Exis­tem sis­te­mas ba­se­a­dos em in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pa­ra de­tec­tar com­por­ta­men­tos sus­pei­tos em uso de car­tões de cré­di­to, pa­ra con­tro­lar de for­ma autô­no­ma robôs mó­veis (co­mo, por exem­plo, as son­das en­vi­a­das a ou­tros pla­ne­tas), pa­ra con­tro­lar per­so­na­gens em al­guns jo­gos de com­pu­ta­dor e pa­ra ana­li­sar in­te­res­ses de con­su­mi­do­res e su­ge­rir no­vos itens pa­ra com­pras em lo­jas vir­tu­ais”, exem­pli­fi­ca Flá­vio.

A ori­gem do ter­mo

A IA, co­mo tam­bém é co­nhe­ci­da, co­me­çou com um sis­te­ma de ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co pa­ra a re­so­lu­ção de jo­gos. “Um dos pri­mei­ros gran­des de­sa­fi­os da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al foi pa­ra ga­nhar de uma pes­soa no xa­drez, no ca­so, o cam­peão Kas­pa­rov”, con­ta Fer­nan­do Osó­rio, pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as Ma­te­má­ti­cas e de Com­pu­ta­ção ( ICMC) da USP em São Car­los (SP).

Em­bo­ra a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al te­nha apa­re­ci­do com a in­ven­ção do com­pu­ta­dor – an­tes cha­ma­do de cé­re­bro ele­trô­ni­co –, o ter­mo só sur­giu em 1956, du­ran­te um con­gres­so re­a­li­za­do nos Esta-

dos Uni­dos no Dart­mouth Col­le­ge. “Hou­ve um en­con­tro de pes­qui­sa­do­res, en­tre eles Mar­vin Minsky, que tem vá­ri­as obras e livros da área de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. Fo­ram eles que de­ram o no­me”, re­la­ta Fer­nan­do Osó­rio.

“Ini­ci­al­men­te, o in­te­res­se prin­ci­pal foi de na­tu­re­za ci­en­tí­fi­ca e, pos­te­ri­or­men­te, re­sul­ta­dos tec­no­ló­gi­cos fo­ram re­for­çan­do e re­a­li­men­tan­do a área”, res­sal­ta Flá­vio Cor­rêa.

Em to­do can­to

Atu­al­men­te, uma cal­cu­la­do­ra não é mais con­si­de­ra­da co­mo um dis­po­si­ti­vo de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, ape­sar de fa­zer cál­cu­los, mui­tas ve­zes, bem me­lhor do que um hu­ma­no. Pro­cu­ra-se, nor­mal­men­te, as­so­ci­ar o ter­mo às pes­qui­sas de pon­ta, o que há de mais so­fis­ti­ca­do na área tec­no­ló­gi­ca co­mo, por exem­plo, a ro­bó­ti­ca.

Pa­ra o pro­fes­sor Fer­nan­do Osó­rio, a área da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al po­de ser sub­di­vi­di­da em vá­ri­as su­bá­re­as. En­tre elas, es­tá a par­te de ma­chi­ne

le­ar­ning, que são dis­po­si­ti­vos ca­pa­zes de ad­qui­rir co­nhe­ci­men­to. “Con­for­me vai pas­san­do o tem­po e as ex­pe­ri­ên­ci­as que elas têm, as má­qui­nas vão apren­den­do e me­lho­ran­do”, ex­pli­ca Osó­rio. Es­se ti­po de IA é mui­to uti­li­za­do pe­la Go­o­gle, que re­co­nhe­ce me­lhor os gos­tos das pes­so­as a ca­da aces­so.

Ou­tros sis­te­mas tra­ba­lham com in­te­li­gên­cia co­le­ti­va. As­sim co­mo acon­te­ce na so­ci­e­da­de hu­ma­na, es­sa in­te­li­gên­cia “evo­lui mais ra­pi­da­men­te por­que a in­te­li­gên­cia do gru­po é su­pe­ri­or à in­te­li­gên­cia in­di­vi­du­al”, diz Fer­nan­do.

Exis­te ain­da a ro­bó­ti­ca, que tem evo­luí­do mui­to, des­de dro­nes – veí­cu­los aé­re­os não tri­pu­la­dos – até au­to­mó­veis que an­dam sem mo­to­ris­ta.

Osó­rio tam­bém tra­ba­lha com um pro­je­to na USP de um car­ro que se lo­co­mo­ve sem mo­to­ris­ta. “Nós fa­ze­mos ele an­dar co­mo se fos­se di­ri­gi­do por um ser hu­ma­no, mas, na re­a­li­da­de, ele es­tá pro­ces­san­do da­dos atra­vés de softwa­res de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al”, ex­pli­ca o pro­fes­sor.

Ho­je em dia, já exis­tem robôs que tra­ba­lham na área agrí­co­la, pul­ve­ri­zan­do plan­ta­ções. Osó­rio ex­pli­ca que “eles pas­sam na plan­ta­ção e in­clu­si­ve re­gu­lam a quan­ti­da­de de de­fen­si­vo con­for­me o ta­ma­nho da área e a quan­ti­da­de de ve­ge­ta­ção”.

Ou­tra ta­re­fa de al­tís­si­mo ris­co à saú­de fei­ta, ho­je, por robôs é a ex­plo­ra­ção de mi­nas sub­ter­râ­ne­as. Mas, pa­ra que tu­do is­so fun­ci­o­ne e o robô não per­fu­re o lo­cal er­ra­do, são ne­ces­sá­ri­os sis­te­mas de pro­ces­sa­men­to de ima­gens.

Des­sa ma­nei­ra, com os robôs ocu­pan­do ca­da vez mais o es­pa­ço dos se­res hu­ma­nos na área ru­ral e den­tro das in­dús­tri­as (mui­tas uti­li­zam má­qui­nas pa­ra ter mais pre­ci­são no cor­te e na montagem de pro­du­tos), se­rá que um dia se­re­mos dei­xa­dos pa­ra trás?

Fo­mos ul­tra­pas­sa­dos?

Po­de até pa­re­cer te­ma de fil­mes de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, mas a per­gun­ta “se­re­mos ul­tra­pas­sa­dos um dia?” pai­ra so­bre as dis­cus­sões quan­do o as­sun­to é in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. O ser hu­ma­no é um con­jun­to de ca­pa­ci­da­des que ain­da são su­pe­ri­o­res ao que se con­se­guiu, até ho­je, co­lo­car den­tro de um úni­co dis­po­si­ti­vo.

Por ou­tro la­do, “exis­tem as­pec­tos da in­te­li­gên­cia que já fo­ram fa­cil­men­te su­pe­ra­dos por com­pu­ta­do­res (co­mo ve­lo­ci­da­de e pre­ci­são pa­ra efe­tu­ar ope­ra­ções arit­mé­ti­cas), exis­tem ou­tros as­pec­tos em que a si­tu­a­ção é in­ver­sa (co­mo ca­pa­ci­da­de de in­ter­pre­ta­ção de ce­nas em ima­gens fo­to­grá­fi­cas) e exis­tem ain­da ou­tros as­pec­tos de­sen­vol­vi­dos com fa­ci­li­da­de por hu­ma­nos, po­rém ain­da in­con­ce­bí­veis pa­ra com­pu­ta­do­res (co­mo a in­tui­ção e a cri­a­ti­vi­da­de ne­ces­sá­ri­as pa­ra, por exem­plo, uma no­va des­co­ber­ta ci­en­tí­fi­ca)”, ex­pli­ca Flá­vio Cor­rêa.

Mas... os robôs po­de­ri­am ser ca­pa­zes de to­mar o po­der e con­tro­lar o mun­do? “É cla­ro que sim. Des­de que, por trás, exis­ta um ser hu­ma­no que te­nha pla­ne­ja­do is­so. Por­que, no fun­do, quem cria as apli­ca­ções e os robôs são os se­res hu­ma­nos”, afir­ma Fer­nan­do Osó­rio. Um exem­plo dis­so, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, é o uso que se faz da ener­gia nu­cle­ar. A par­tir de­la, é pos­sí­vel tan­to fa­zer uma bom­ba (es­tu­dan­do es­pe­ci­fi­ca­men­te co­mo mon­tar um de­to­na­dor ou a bom­ba em si) quan­to cons­truir uma usi­na (com­pre­en­den­do co­mo ge­rar ca­lor e ener­gia). “São as pes­so­as que fa­zem o mau uso”, afir­ma.

Osó­rio ci­ta que, ho­je, um exem­plo é o uso que os Es­ta­dos Uni­dos fa­zem dos dro­nes – co­mo sis­te­mas in­te­li­gen­tes com re­co­nhe­ci­men­to de pa­drões – pa­ra com­ba­ter ini­mi­gos. O pro­fes­sor lem­bra que “atu­al­men­te, ain­da se pro­cu­ra fa­zer com que o ata­que se­ja fei­to por um hu­ma­no, ou se­ja, quem aper­ta o ga­ti­lho da ar­ma fi­nal, mes­mo à dis­tân­cia, é um hu­ma­no, mas po­de­ria ser au­to­má­ti­co”.

“Exis­tem sis­te­mas ba­se­a­dos em in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pa­ra de­tec­tar com­por­ta­men­tos sus­pei­tos em uso de car­tões de cré­di­to, pa­ra con­tro­lar de for­ma autô­no­ma robôs mó­veis (co­mo, por exem­plo, as son­das en­vi­a­das a ou­tros pla­ne­tas), pa­ra con­tro­lar per­so­na­gens em al­guns jo­gos de com­pu­ta­dor e pa­ra ana­li­sar in­te­res­ses de con­su­mi­do­res e su­ge­rir no­vos itens pa­ra com­pras em lo­jas vir­tu­ais” Flá­vio Cor­rêa, pro­fes­sor da Universidade de São Pau­lo (USP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.