Do co­ra­ção à mente

Sa­ber usar os sen­ti­men­tos a seu fa­vor é o gran­de trun­fo das pes­so­as emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­tes

Segredos da Mente - - Sumario -

Sa­ber uti­li­zar os sen­ti­men­tos a seu fa­vor é o gran­de trun­fo das pes­so­as emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­tes

Vo­cê se con­si­de­ra uma pes­soa in­te­li­gen­te? Ou, ao me­nos, há al­guém que vo­cê con­si­de­re in­te­li­gen­te e que lhe sir­va de ins­pi­ra­ção? A res­pos­ta po­de va­ri­ar con­for­me os cri­té­ri­os que se use pa­ra de­no­mi­nar o que é in­te­li­gên­cia. A mai­o­ria das pes­so­as con­si­de­ra in­te­li­gen­te al­guém que sai­ba bem fa­zer con­tas arit­mé­ti­cas ou de­co­rar fór­mu­las e da­dos. Nes­se ca­so, ca­be re­fle­tir se ape­nas is­so é o su­fi­ci­en­te.

O con­cei­to de in­te­li­gên­cia emocional, que tem con­quis­ta­do ca­da dia mais adep­tos, res­sal­ta que co­nhe­ci­men­to e ta­len­to tor­nam-se um des­per­dí­cio quan­do não se faz bom uso de am­bos. E que, pa­ra apro­vei­tar me­lhor su­as ca­pa­ci­da­des e ser fe­liz em di­fe­ren­tes as­pec­tos da vi­da (re­la­ci­o­na­men­tos, car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, es­tu­dos ou no que mais for pre­ci­so) uma ati­tu­de re­al­men­te efi­caz con­ta mui­to: sa­ber usar as emo­ções a seu fa­vor. En­tram em jo­go as emo­ções

Ali­ar emo­ções e in­te­li­gên­cia foi uma ten­dên­cia que se con­so­li­dou por pen­sa­do­res dos Es­ta­dos Uni­dos a par­tir dos anos 1980. Foi nes­sa épo­ca que Howard Gard­ner no­ta­bi­li­zou- se pe­la te­o­ria das Inteligências Múltiplas, in­de­pen­den­tes en­tre si e que ope­ra­ri­am em blo­cos se­pa­ra­dos no cé­re­bro: ló­gi­co-ma­te­má­ti­ca, lin­guís­ti­ca, musical, na­tu­ra­lis­ta, es­pa­ci­al, cor­po­ral-ci­nes­té­si­ca, in­tra­pes­so­al e in­ter­pes­so­al (ve­ja mais so­bre elas na ma­té­ria da pá­gi­na 18). Pos­te­ri­or­men­te, tam­bém ga­nha­ram cré­di­to as idei­as de Peter Sa­lo­vey e John Mayer, que di­vi­di­ram a in­te­li­gên­cia emocional em qua­tro do­mí­ni­os se­pa­ra­dos: per­cep­ção, uso, en­ten­di­men­to e con­tro­le das emo­ções.

En­tre­tan­to, o gran­de di­vi­sor de águas foi a obra In­te­li­gên­cia Emocional, de Da­ni­el Go­le­man, quem re­al­men­te po­pu­la­ri­zou o ter­mo. Não por aca­so, o li­vro tor­nou-se best-sel­ler e abriu ca­mi­nho pa­ra que vá­ri­as ou­tras pu­bli­ca­ções nes­sa mes­ma li­nha con­so­li­das­sem um seg­men­to à par­te den­tro do mer­ca­do edi­to­ri­al (ve­ja mais a par­tir da p´ ågi­na 88). Es­sen­ci­al­men­te, Go­le­man mos­trou que a in­te­li­gên­cia emocional é a gran­de res­pon­sá­vel pe­lo su­ces­so ou in­su­ces­so de al­guém. Pes­so­as que são ca­pa­zes de es­ta­be­le­cer re­la­ci­o­na­men­tos sau­dá­veis – não ape­nas com os ou­tros ao re­dor, mas tam­bém con­si­go pró­pri­as – são mais fe­li­zes por não se­rem re­féns das emo­ções ne­ga­ti­vas e têm mui­to mais chan­ces de se­rem bem-su­ce­di­das em di­fe­ren­tes es­fe­ras. Pa­ra ser emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­te De acor­do com Go­le­man, a in­te­li­gên­cia emocional se ba­seia em cin­co ha­bi­li­da­des: 1 Au­to­co­nhe­ci­men­to emocional: ser ca­paz de dis­tin­guir e as­su­mir, com cla­re­za, quais as emo­ções es­tão pre­sen­tes em vo­cê em um de­ter­mi­na­do mo­men­to;

En­ten­der emo­ci­o­nal­men­te vo­cê mes­mo e as pes­so­as ao seu re­dor é uma for­ma in­te­li­gen­te de li­dar com a vi­da e o ca­mi­nho pa­ra o su­ces­so nas mais di­fe­ren­tes áre­as.

2 Con­tro­le emocional: uma vez que os pró­pri­os sen­ti­men­tos fo­ram iden­ti­fi­ca­dos, o pas­so se­guin­te é sa­ber co­mo ad­mi­nis­trá-los, de acor­do com ca­da si­tu­a­ção; 3

Au­to­mo­ti­va­ção: um me­lhor do­mí­nio das emo­ções sig­ni­fi­ca ca­na­li­zá-las pa­ra al­go pro­du­ti­vo. É, co­mo diz o di­ta­do, fa­zer dos mui­tos li­mões que a vi­da ofe­re­ce uma de­li­ci­o­sa li­mo­na­da. Ou, usan­do um ou­tro pro­vér­bio, não per­der tan­to tem­po cho­ran­do o lei­te der­ra­ma­do pa­ra, o quan­to an­tes, tra­çar no­vos caminhos e bus­car for­ças pa­ra su­pe­rar uma frus­tra­ção; 4 Re­co­nhe­ci­men­to das emo­ções em ou­tras pes­so­as: é o que tam­bém po­de ser cha­ma­do de em­pa­tia. “Ela se faz ne­ces­sá­ria em to­dos os mo­men­tos de nos­sa vi­da, se­jam eles pes­so­ais ou pro­fis­si­o­nais. In­te­ra­gi­mos cons­tan­te­men­te com pes­so­as e as nos­sas ações e re­a­ções po­dem ser mu­da­das em ra­zão de­las. Pos­so mu­dar

mi­nha ati­tu­de em re­la­ção a al­gum epi­só­dio em ra­zão de con­se­guir me co­lo­car no lu­gar da pes­soa, que te­ve a ex­pe­ri­ên­cia e en­ten­der a sua re­a­ção”, ex­pli­ca o es­cri­tor, con­sul­tor fi­nan­cei­ro e co­a­ch Amau­ri Nó­bre­ga; 5 Ha­bi­li­da­des em re­la­ci­o­na­men­tos: re­co­nhe­cen­do su­as pró­pri­as emo­ções e as que pas­sam pe­la ca­be­ça das pes­so­as ao ser re­dor, tor­na- se pos­sí­vel de­sen­vol­ver uma con­vi­vên­cia mais sau­dá­vel com elas, em qual­quer ti­po de am­bi­en­te. Pa­ra si e pa­ra o pró­xi­mo

Co­mo se vê, tais qua­li­da­des men­ci­o­na­das por Go­le­man po­dem ser se­pa­ra­das em dois gru­pos. As in­tra­pes­so­ais são vol­ta­das pa­ra o re­la­ci­o­na­men­to con­si­go pró­prio, co­mo acon­te­ce com as três pri­mei­ras. Já as du­as úl­ti­mas são de ca­rá­ter in­ter­pes­so­al, mos­tran­do- se im­por­tan­tes em ta­re­fas co­mo:

Or­ga­ni­za­ção de gru­pos: a vi­são pa­ra co­or­de­nar os es­for­ços in­di­vi­du­ais den­tro de uma co­le­ti­vi­da­de. En­vol­ve tam­bém ob­ter des­se gru­po o re­co­nhe­ci­men­to co­mo li­de­ran­ça e des­per­tar em to­dos uma cooperação es­pon­tâ­nea no ca­mi­nho de al­gum ob­je­ti­vo mai­or.

Ne­go­ci­a­ção de so­lu­ções: em mo­men­tos de con­fli­tos, é sa­ber exer­cer o pa­pel de me­di­a­dor, fa­zen­do a pon­te pa­ra que as du­as par­tes se en­ten­dam.

Em­pa­tia: a já ci­ta­da ca­pa­ci­da­de de co­lo­car-se no lu­gar do ou­tro, usan­do-a a fa­vor do in­te­res­se co­mum.

Os en­si­na­men­tos da in­te­li­gên­cia emocional atu­am a ní­vel in­tra­pes­so­al e in­ter­pes­so­al.

Sen­si­bi­li­da­de so­ci­al: é a ca­pa­ci­da­de de es­trei­tar re­la­ci­o­na­men­tos e es­ta­be­le­cer re­la­ções de con­fi­an­ça en­tre os mem­bros de uma equi­pe. Au­to­no­mia pes­so­al

A me­lhor ma­nei­ra de com­pre­en­der a im­por­tân­cia da in­te­li­gên­cia emocional é pen­sar a res­pei­to do quan­to, em de­ter­mi­na­das oca­siões, não sa­ber ad­mi­nis­trar emo­ções li­mi­tou a sua vi­da. Po­de ter si­do quan­do a ver­go­nha o im­pe­diu de fa­lar al­gum as­sun­to de­li­ca­do com um cli­en­te ou o che­fe, tra­van­do a as­cen­são pro­fis­si­o­nal (ve­ja mais na p´ ågi­na 28). Quan­do o ciú­me e a fal­ta de diá­lo­go es­tra­ga­ram o re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so (con­fi­ra co­mo na pá­gi­na 31). Ou quan­do o te­mor na vés­pe­ra do ves­ti­bu­lar ou de al­gu­ma pro­va im­por­tan­te apa­ga da sua mente tu­do aqui­lo que foi es­tu­da­do (des­cu­bra por que na pá­gi­na 34).

Por­tan­to, do­mi­nar as emo­ções é pré-re­qui­si­to pa­ra se fa­zer uso dos ta­len­tos pes­so­ais. “Ter in­te­li­gên­cia emocional é ser ca­paz de usar su­as emo­ções a seu fa­vor. Nes­se sen­ti­do, sa­ber iden­ti­fi­ca-las, con­tro­lá-las e usá-las é es­sen­ci­al. Ca­da pes­soa é úni­ca, com seus pró­pri­os sen­ti­men­tos, me­dos, vi­são e co­nhe­ci­men­to da vi­da e das coi­sas. Is­so po­de ge­rar con­fli­tos, se­ja num re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so, nu­ma ami­za­de ou no tra­ba­lho”, fri­sa a pro­fes­so­ra, con­sul­to­ra e co­a­ch Do­lo­res Af­fon­so.

A pró­pria pre­va­lên­cia ca­da dia mai­or de do­en­ças de cu­nho emocional mos­tra que fal­ta um tan­to quan­to de en­ten­di­men­to in­ter­no à mui­ta gen­te: “De­pres­são e an­si­e­da­de, olhan­do pa­ra o la­do pro­fis­si­o­nal, ocor­rem mui­to de­vi­do a ex­pec­ta­ti­vas não cor­res­pon­di­das. As pes­so­as cri­am pla­nos, mas não se pla­ne­jam pa­ra que acon­te­çam, ou se­ja, não fa­zem na­da. Des­ta for­ma, ge­ram an­si­e­da­de e de­pois frus­tra­ções por não te­rem atin­gi­do aque­les ob­je­ti­vos”, lem­bra Amau­ri. CONSULTORIAS Amau­ri Nó­bre­ga, con­sul­tor exe­cu­ti­vo, pa­les­tran­te, co­a­ch e es­cri­tor; Do­lo­res Af­fon­so, co­a­ch, pa­les­tran­te, con­sul­to­ra, de­sig­ner ins­tru­ci­o­nal, pro­fes­so­ra e ide­a­li­za­do­ra do Con­gres­so de Aces­si­bi­li­da­de ( www. do­lo­re­saf­fon­so.com.br).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.