Cé­re­bro em de­sen­vol­vi­men­to

Tu­do que in­flui quan­do es­te im­por­tan­te ór­gão es­tá se for­man­do nas cri­an­ças

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO KAREN BARBARINI ENTREVISTAS KARINA ALONSO/COLABORADORA DESIGN JAMILE CURY GANDARA

Con­fi­ra tu­do que in­flui quan­do es­te im­por­tan­te ór­gão es­tá se for­man­do nas cri­an­ças

Co­mo se de­sen­vol­ve o cé­re­bro de uma pes­soa tão pe­que­na? O que fa­zer pa­ra es­ti­mu­lar o apren­di­za­do e ga­ran­tir que o de­sen­vol­vi­men­to neu­ro­ló­gi­co se­ja o me­lhor pos­sí­vel? As ques­tões são vá­li­das, es­pe­ci­al­men­te pa­ra pais que de­se­jam des­co­brir a me­lhor for­ma de edu­car seus fi­lhos. Po­rém, nem sem­pre as res­pos­tas são sim­ples.

A for­ma­ção do cé­re­bro co­me­ça já nas pri­mei­ras se­ma­nas de ges­ta­ção e é nes­sa fa­se que se ori­gi­na o tu­bo neu­ral, que da­rá ori­gem ao cé­re­bro. Es­se pro­ces­so é ex­tre­ma­men­te com­ple­xo e exi­ge a sin­cro­nia de vá­ri­as eta­pas, além da for­ma­ção de mui­tas di­fe­ren­tes es­tru­tu­ras, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Fá­bio Sawa­da Shi­ba. A es­tru­tu­ra bá­si­ca ter­mi­na de se for­mar na 24ª se­ma­na de ges­ta­ção, mas o cé­re­bro se de­sen­vol­ve até o fi­nal da ado­les­cên­cia. No en­tan­to, ele con­ti­nu­a­rá se adap­tan­do a no­vos es­tí­mu­los até o fim da vi­da.

Más in­fluên­ci­as

O de­sen­vol­vi­men­to ce­re­bral vai mui­to além de uma sim­ples mul­ti­pli­ca­ção de cé­lu­las. Is­so por­que o or­ga­nis­mo é sus­ce­tí­vel a fa­to­res in­ter­nos e ex­ter­nos, que po­dem al­te­rar o rit­mo da for­ma­ção ce­re­bral du­ran­te e de­pois da ges­ta­ção. Sa­be-se, por exem­plo, que o uso de al­guns me­di­ca­men­tos, ví­cio em dro­gas, de­fi­ci­ên­ci­as nu­tri­ci­o­nais e in­fec­ções na mãe po­dem al­te­rar o de­sen­vol­vi­men­to do cé­re­bro da cri­an­ça.

Além dis­so, Shi­ba ex­pli­ca que com­pli­ca­ções na gravidez e no par­to pre­ma­tu­ro, so­fri­men­to do fe­to ou trau­ma­tis­mos tam­bém são fa­to­res de di­fi­cul­da­de no de­sen­vol­vi­men­to da mente. O psi­qui­a­tra Jô Fur­lan tam­bém res­sal­ta que é es­sen­ci­al que a mãe não cul­ti­ve há­bi­tos pre­ju­di­ci­ais, co­mo o ta­ba­gis­mo, in­ges­tão de be­bi­das al­coó­li­cas e al­to ní­vel de es­tres­se. Ter bons cos­tu­mes ali­men­ta­res e evi­tar a obe­si­da­de, pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas e um lar com boa qua­li­da­de afe­ti­va são de­ter­mi­nan­tes

pa­ra um bom de­sen­vol­vi­men­to neu­ral do be­bê.

De­pois do nas­ci­men­to, há um pe­río­do crí­ti­co no de­sen­vol­vi­men­to que du­ra até os dois anos. Es­pe­ci­al­men­te nes­sa fa­se, maus tra­tos ou fal­ta de cui­da­dos po­dem afe­tar ne­ga­ti­va­men­te a for­ma­ção do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral. Nes­sa épo­ca, o cé­re­bro tam­bém po­de ser pre­ju­di­ca­do por do­en­ças e mal­for­ma­ções de ori­gem ge­né­ti­ca, de­fi­ci­ên­ci­as nu­tri­ci­o­nais, in­to­xi­ca­ções, trau­ma­tis­mos cra­ni­a­nos e in­fec­ções no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral.

O pa­pel da ge­né­ti­ca

Se­gun­do Jô Fur­lan, a ge­né­ti­ca in­flu­en­cia 70% da in­te­li­gên­cia hu­ma­na. Os ou­tros 30% se de­vem a fa­to­res am­bi­en­tais, co­mo es­tí­mu­los, trei­na­men­tos, en­tre ou­tros. “Ob­ser­va­mos, sim, a pos­si­bi­li­da­de de ge­ne­ti­ca­men­te uma pes­soa ser mais in­te­li­gen­te do que ou­tra. Is­so não é de­ter­mi­nan­te, mas uma pos­si­bi­li­da­de que po­de­rá ou não se tor­nar re­a­li­da­de”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta.

Ques­tão de gê­ne­ro

É de co­nhe­ci­men­to po­pu­lar que as me­ni­nas al­can­çam a ma­tu­ri­da­de mais rá­pi­do. De fa­to, pes­qui­sas re­cen­tes re­ve­la­ram que o cé­re­bro de­las ama­du­re­ce cer­ca de cin­co anos an­tes dos me­ni­nos. Es­ti­ma-se que es­se pro­ces­so cos­tu­ma acon­te­cer en­tre os dez e 12 anos ne­las e en­tre os 15 e 20 anos ne­les. Po­rém, is­so não sig­ni­fi­ca que as ga­ro­tas se­jam mais in­te­li­gen­tes, já que não fo­ram iden­ti­fi­ca­das di­fe­ren­ças na per­for­man­ce in­te­lec­tu­al dos dois gê­ne­ros (ve­ja mais a par­tir da pá­gi­na 62).

Cri­an­ça es­ti­mu­la­da = adul­to in­te­li­gen­te

En­tre os fa­to­res am­bi­en­tais que co­la­bo­ram pa­ra a for­ma­ção da in­te­li­gên­cia es­tá o es­tí­mu­lo. Por is­so, é es­sen­ci­al apro­vei­tar a ca­pa­ci­da­de de apren­di­za­do da cri­an­ça pa­ra aju­dar a for­ma­ção da in­te­li­gên­cia. Shi­ba ex­pli­ca que é pre­ci­so in­cen­ti­var as ha­bi­li­da­des vi­su­ais e au­di­ti­vas, in­cluin­do a fa­la. Tam­bém é ne­ces­sá­rio fa­zer brin­ca­dei­ras que trei­nem ha­bi­li­da­des co­mo a co­or­de­na­ção mo­to­ra.

Pa­ra o psi­qui­a­tra Jô Fur­lan, é pa­pel da fa­mí­lia, ain­da, es­ti­mu­lar os es­tu­dos, co­brar com­pro­me­ti­men­to e en­si­nar a re­si­li­ên­cia e o es­tí­mu­lo à su­pe­ra­ção. Ele re­for­ça que exis­tem o la­do cri­a­ti­vo e o la­do ló­gi­co, e que am­bos de­vem ser in­cen­ti­va­dos. Des­sa for­ma, a cri­an­ça tra­ba­lha os dois he­mis­fé­ri­os do cé­re­bro, além do lo­bo fron­tal, “que te­rá um pa­pel fun­da­men­tal no de­sen­vol­vi­men­to das cren­ças e va­lo­res, as­sim co­mo na to­ma­da de de­ci­sões”, ex­pli­ca.

Em to­das as ati­vi­da­des da cri­an­ça, se­jam de­se­nhos ou ou­tras brin­ca­dei­ras, é im­por­tan­te va­lo­ri­zar e es­ti­mu­lar a cri­a­ti­vi­da­de, a ini­ci­a­ti­va, a pro­a­ti­vi­da­de, o pla­ne­ja­men­to e a ação. Não bas­ta di­zer que es­tá bo­ni­to, e sim pro­mo­ver a me­lho­ra, bus­can­do ou­tras fon­tes da cri­an­ça se apri­mo­rar e se de­sen­vol­ver, co­mo re­vis­tas de de­se­nho e brin­ca­dei­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.