No tra­ba­lho

Co­mo a (fal­ta de) in­te­li­gên­cia emocional in­flui, e mui­to, na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO E ENTREVISTAS MAR­CE­LO RICCIARDI/COLABORADOR DESIGN DIEGO DI­AS

Co­mo a (fal­ta de) in­te­li­gên­cia emocional po­de in­fluir, e mui­to, na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal

Na mai­or par­te das ve­zes, os en­si­na­men­tos da in­te­li­gên­cia emocional apa­re­cem re­la­ci­o­na­dos ao am­bi­en­te pro­fis­si­o­nal. O que é na­tu­ral, uma vez que re­la­ci­o­nar-se bem com os co­le­gas de tra­ba­lho exi­ge ap­ti­dões um pou­co di­fe­ren­tes da­que­las ne­ces­sá­ri­as pa­ra o con­ví­vio ro­ti­nei­ro com os ami­gos – que, na ver­da­de, são com­pa­nhi­as vo­lun­ta­ri­a­men­te es­co­lhi­das e com quem se tem vá­ri­as afi­ni­da­des pré­vi­as. Não se po­de es­que­cer que, den­tro de um co­mér­cio, es­cri­tó­rio ou em­pre­sa, ser­vi­ços são pres­ta­dos a ter­cei­ros e es­tes têm de apre­sen­tar qua­li­da­de, o que re­sul­ta em mai­o­res res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra os en­vol­vi­dos.

“No am­bi­en­te pro­fis­si­o­nal, há a ne­ces­si­da­de de sa­ber li­dar com as di­fe­ren­ças de com­por­ta­men­to. Acei­tar idei­as que não se­jam su­as e en­ten­der a cul­tu­ra das ou­tras pes­so­as, a fim de pro­mo­ver um lo­cal de tra­ba­lho ami­gá­vel e pro­du­ti­vo”, ob­ser­va o con­sul­tor e co­a­ch Da­ni­el Fur­ta­do. O es­pe­ci­a­lis­ta lem­bra que, nes­se uni­ver­so, a pos­tu­ra tem de ser di­fe­ren­ci­a­da: “Não há es­pa­ço pa­ra egos in­fla­dos e pa­ra o au­to­ri­ta­ris­mo, mes­mo que o pro­fis­si­o­nal se­ja mui­to com­pe­ten­te no que faz. Ou se­ja, além da téc­ni­ca, o gran­de di­fe­ren­ci­al de­se­ja­do no mer­ca­do de tra­ba­lho é cons­ti­tuí­do por pes­so­as equi­li­bra­das que sai­bam tra­ba­lhar em equi­pe e que pos­sam acres­cen­tar ao gru­po, a si pró­prio e à em­pre­sa”. Nin­guém ga­nha so­zi­nho

No mun­do em­pre­sa­ri­al, não fal­tam exem­plos de pro­fis­si­o­nais de gran­de sa­ber téc­ni­co cu­jas car­rei­ras nun­ca des­lan­cha­ram. Ca­sos em que tais ap­ti­dões não fo­ram o bas­tan­te fren­te a uma ne­ces­si­da­de pra­ti­ca­men­te ine­vi­tá­vel: tra­ba­lhar em equi­pe. Um con­tex­to em que tan­to o au­to­con­tro­le fren­te às pró­pri­as emo­ções quan­to a em­pa­tia – a ca­pa­ci­da­de de se co­lo­car no lu­gar do ou­tro e com­pre­en­der sua for­ma de pen­sar e agir – tor­nam-se pré-re­qui­si­tos pa­ra atin­gir o su­ces­so.

“In­di­ví­du­os com co­nhe­ci­men­to, mas que apre­sen­tam pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to, ten­dem a se­rem iso­la­dos e, por fim, re­ti­ra­dos das equi­pes, es­pe­ci­al­men­te nos di­as atu­ais, em que a re­de de re­la­ci­o­na­men­tos tor­na-se fun­da­men­tal. Is­so va­le, in­clu­si­ve, pa­ra se po­si­ci­o­nar no mer­ca­do pro­fis­si­o­nal, con­si­de­ran­do que a in­for­ma­ção es­tá a um cli­que de dis­tân­cia e a má fa­ma de um pro­fis­si­o­nal che­ga ra­pi­da­men­te ao co­nhe­ci­men­to de to­dos. Fa­zen­do uma me­tá­fo­ra com o fu­te­bol, de na­da adi­an­ta um jo­ga­dor ser o ar­ti­lhei­ro de uma com­pe­ti­ção e o ti­me não ser o cam­peão”, pon­de­ra Da­ni­el. O ca­mi­nho pa­ra a li­de­ran­ça

A uni­ver­so do tra­ba­lho é mar­ca­do não só por di­vi­sões de afa­ze­res co­mo tam­bém de hi­e­rar­qui­as, o que ine­vi­ta­vel­men­te le­va a atri­tos, pe­que­nos ou se­ve­ros. Se­ja qual for a or­ga­ni­za­ção, não é pre­ci­so pro­cu­rar mui­to pa­ra achar al­gum fun­ci­o­ná­rio re­cla­man­do do che­fe e tra­van­do com ele um con­fli­to in­ter­no que, quan­do ex­plo­de, afe­ta até quem não tem re­la­ção di­re­ta com o pro­ble­ma – in­clu­si­ve, os cli­en­tes.

A ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lhar em equi­pe, re­la­ci­o­nan­do-se bem com os co­le­gas, no pa­pel de co­man­da­do ou de lí­der, é o que a in­te­li­gên­cia emocional pre­ga na vi­da pro­fis­si­o­nal.

Pa­ra quem an­da ten­do pro­ble­mas com al­gum su­pe­ri­or, a so­lu­ção pas­sa pe­la in­te­li­gên­cia emocional, co­mo ga­ran­te o con­sul­tor: “As re­la­ções in­ter­pes­so­ais en­vol­vem emo­ções e a ra­zão. Lo­go, en­ten­der as de­man­das do che­fe pro­ble­má­ti­co e os ob­je­ti­vos da em­pre­sa, além de man­ter-se fo­ca­do nos re­sul­ta­dos, de­di­can­do-se pro­fis­si­o­nal­men­te à ati­vi­da­de, fa­zem par­te de um con­jun­to de ações que ten­dem a neu­tra­li­zar o com­por­ta­men­to do su­pe­ri­or”.

Não se tra­ta de es­pe­rar por um ce­ná­rio em que co­man­dan­te e co­man­da­do vi­vam às mil ma­ra­vi­lhas. No en­tan­to, com uma do­se ex­tra de pre­pa­ro, o se­gun­do en­fren­ta­rá com mais se­gu­ran­ça pos­sí­veis con­fli­tos: “O pro­fis­si­o­nal emo­ci­o­nal­men­te ma­du­ro sa­be po­si­ci­o­nar-se na re­la­ção de for­ma as­ser­ti­va e nun­ca sub­mis­sa, fo­can­do em so­lu­ções, fa­zen­do com que o lí­der en­ten­da o in­di­ví­duo co­mo um ali­a­do que agre­ga va­lor ao tra­ba­lho, sen­do des­sa for­ma, res­pei­ta­do”, con­fir­ma Da­ni­el.

Quem ho­je es­tá co­me­çan­do a car­rei­ra, mui­to pro­va­vel­men­te no fu­tu­ro, te­rá a chan­ce de li­de­rar e ex­pe­ri­en­ci­ar o ou­tro la­do da mo­e­da. Si­tu­a­ção em que tu­do aqui­lo que se vi­ven­ci­ou an­tes não po­de ser es­que­ci­do, ser­vin­do de re­per­tó­rio pa­ra não re­pe­tir as fa­lhas dos an­ti­gos che­fes: “Li­de­rar diz res­pei­to a re­la­ci­o­nar-se com pes­so­as, bus­can­do o tem­po to­do mo­ti­var a equi­pe, aju­dan­do-a a li­be­rar seus ta­len­tos, e con­se­guir o com­pro­me­ti­men­to em pro­pó­si­tos co­muns”, lem­bra o con­sul­tor.

En­tão, o ca­mi­nho é não dei­xar o po­der su­bir à ca­be­ça, lem­bran­do que ter au­to­ri­da­de não é o mes­mo que au­to­ri­ta­ris­mo, co­mo apon­ta o co­a­ch: “O bom lí­der é um in­di­ví­duo que sa­be ou­vir, se in­te­res­sa pe­los mem­bros de sua equi­pe e con­se­gue ali­nhar as ne­ces­si­da­des da em­pre­sa com as dos seus mem­bros, bus­can­do a jus­ti­ça na con­du­ção das ati­vi­da­des, man­ten­do re­la­ções amis­to­sas e pro­fis­si­o­nais, equi­li­bran­do emo­ção e ra­zão”.

No pa­pel de che­fe ou não, sa­ber li­dar com pos­sí­veis crí­ti­cas se­rá es­sen­ci­al – prin­ci­pal­men­te, quan­do elas re­al­men­te ti­ve­rem fun­da­men­to. Ou­tro man­da­men­to é nun­ca se aco­mo­dar em uma zo­na de con­for­to, con­si­de­ran­do-se in­subs­ti­tuí­vel pa­ra a or­ga­ni­za­ção (pe­ca­do que tor­nou-se ain­da mais mor­tal no mun­do atu­al, com tu­do se trans­for­man­do a uma ve­lo­ci­da­de nun­ca vis­ta). AGUARDANDO A CHAN­CE Es­tá sem em­pre­go no mo­men­to? En­tão fi­que aten­to, por­que os res­pon­sá­veis pe­la for­ma­ção de no­vos qua­dros den­tro das prin­ci­pais or­ga­ni­za­ções ba­sei­am seus cri­té­ri­os de ad­mis­são em tu­do aqui­lo que pre­ga a in­te­li­gên­cia emocional. Os pro­ces­sos se­le­ti­vos co­me­çam a par­tir de um cur­rí­cu­lo com mui­tas (e bo­as) qua­li­fi­ca­ções, pas­san­do por ou­tras ati­vi­da­des co­mo as di­nâ­mi­cas de gru­po, em que se­rão tes­ta­das as ap­ti­dões do can­di­da­to pa­ra o tra­ba­lho em equi­pe. O prin­ci­pal mo­men­to pa­ra mos­trar va­lor é na en­tre­vis­ta, ca­ra a ca­ra com um ou mais re­cru­ta­do­res. Nes­sa ho­ra, se­guir al­gu­mas di­cas au­men­tam con­si­de­ra­vel­men­te su­as chan­ces de su­ces­so: “An­tes da en­tre­vis­ta, o can­di­da­to de­ve pes­qui­sar so­bre a em­pre­sa, ela­bo­rar o cur­rí­cu­lo es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra va­ga de­se­ja­da, com­pre­en­der a missão e os va­lo­res da in­si­tui­ção e con­ci­liá-los com os seus an­sei­os”, acon­se­lha o co­a­ch Da­ni­el Fur­ta­do. “Além do co­nhe­ci­men­to da ati­vi­da­de, de­ve sa­ber re­co­nhe­cer as pró­pri­as emo­ções e ter equi­lí­brio emocional, res­pei­tar as di­fe­ren­ças de per­so­na­li­da­des, ser em­pá­ti­co, apre­sen­tar uma con­du­ta as­ser­ti­va e pro­a­ti­va. O pro­fis­si­o­nal com in­te­li­gên­cia emocional sa­be va­lo­ri­zar e de­mons­trar seus pon­tos for­tes. Se so­li­ci­ta­do, re­co­nhe­ce quais são as áre­as a se­rem me­lho­ra­das. A se­gu­ran­ça e o au­to­co­nhe­ci­men­to são cons­truí­dos to­dos os di­as a par­tir das es­co­lhas que a pes­soa faz. Na ho­ra da en­tre­vis­ta, man­te­nha a cal­ma e se­ja ver­da­dei­ro e ho­nes­to nas res­pos­tas. Se­ja au­tên­ti­co e na­tu­ral e não ten­te re­pre­sen­tar”, lis­ta Da­ni­el. CONSULTORIA Da­ni­el Fur­ta­do, con­sul­tor, pa­les­tran­te e co­a­ch pes­so­al e pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.