Nem tão di­fe­ren­tes as­sim

O quan­to ho­mens e mu­lhe­res têm ca­be­ças dis­tin­tas? Exis­te um se­xo mais in­te­li­gen­te?

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO MAR­CE­LO RICCIARDI/COLABORADOR DESIGN DIEGO DI­AS

Não é pre­ci­so ser ne­nhum es­pe­ci­a­lis­ta em com­por­ta­men­to hu­ma­no pa­ra per­ce­ber co­mo, usu­al­men­te, ho­mens e mu­lhe­res re­a­gem de formas di­fe­ren­tes a uma mes­ma si­tu­a­ção. A dis­cre­pân­cia po­de ser ex­pli­ca­da por vi­e­ses va­ri­a­dos. A psi­co­lo­gia, por exem­plo, ava­lia co­mo as pres­sões so­ci­ais de­ter­mi­nam pa­peis es­pe­cí­fi­cos – ain­da que ho­je em dia es­ses per­so­na­gens não es­te­jam mais tão con­so­li­da­dos

co­mo an­tes. Le­van­do em con­ta a bi­o­lo­gia, a ação dos hormô­ni­os se­xu­ais tam­bém exer­ce for­te in­fluên­cia, tal qual é vis­to ao se ob­ser­var um ca­sal de mes­ma es­pé­cie na na­tu­re­za sel­va­gem. Ago­ra, tam­bém a neu­ro­lo­gia vem cons­ta­tan­do que o fun­ci­o­na­men­to dos cé­re­bros mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no apre­sen­ta in­tri­gan­tes par­ti­cu­la­ri­da­des.

Neurô­ni­os na ba­lan­ça

Ho­je, sa­be-se que o cé­re­bro hu­ma­no tem cer­ca de 86 bi­lhões de neurô­ni­os, e que os ho­mens apre­sen­tam, em mé­dia, de 10 a 20 bi­lhões de­les a mais do que as mu­lhe­res. No en­tan­to, an­tes que al­guém fa­le em su­pe­ri­o­ri­da­de mas­cu­li­na, a van­ta­gem nu­mé­ri­ca não po­de ser obri­ga­to­ri­a­men­te tra­du­zi­da co­mo mai­or in­te­lec­to. Atu­al­men­te, es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que, tão im­por­tan­te quan­to o nú­me­ro de neurô­ni­os, é a efi­ci­ên­cia na co­mu­ni­ca­ção en­tre eles o fa­tor pre­pon­de­ran­te. “Es­tu­dos de neu­ro­a­na­to­mia mos­tra­ram que, en­quan­to ho­mens têm uma quan­ti­da­de su­pe­ri­or de neurô­ni­os, os cé­re­bros das mu­lhe­res apre­sen­tam uma re­de mais den­sa de in­ter­co­ne­xões, o que con­tri­bui pa­ra di­fe­ren­tes ar­ran­jos de or­ga­ni­za­ção ce­re­bral”, con­fir­ma o neu­ro­lo­gis­ta Fá­bio Sawa­da Shi­ba.

Es­tu­do pu­bli­ca­do em 2013 pe­la neu­ro­ci­en­tis­ta Ra­gi­ni Ver­ma, pes­qui­sa­do­ra da Universidade da Pen­sil­vâ­nia, nos Es­ta­dos Uni­dos, aju­da a elu­ci­dar es­sas formas de pen­sar dis­tin­tas. Exa­mes com o au­xí­lio de res­so­nân­cia mag­né­ti­ca por di­fu­são mos­tra­ram que, en­quan­to as co­ne­xões den­tro de um mes­mo he­mis­fé­rio ce­re­bral são pre­do­mi­nan­tes nos ho­mens, nas mu­lhe­res a co­nec­ti­vi­da­de é mai­or en­tre os he­mis­fé­ri­os es­quer­do e di­rei­to.

Is­so cor­ro­bo­ra a te­se de que ta­re­fas mo­to­ras e de ori­en­ta­ção es­pa­ci­al – co­mo in­ter­pre­tar ma­pas ou ope­rar má­qui­nas – são re­a­li­za­das com mais fa­ci­li­da­de por eles. Por ou­tro la­do, elas se sa­em me­lhor quan­do são ne­ces­sá­ri­as qua­li­da­des co­mo me­mó­ria e so­ci­a­bi­li­da­de – não por aca­so, a fa­mo­sa in­tui­ção fe­mi­ni­na en­vol­ve mui­to a in­ter­pre­ta­ção das emo­ções alhei­as. Du­ran­te a in­fân­cia, por in­te­gra­rem me­lhor os dois he­mis­fé­ri­os, a ten­dên­cia é que as me­ni­nas co­me­cem a fa­lar mais ce­do e te­nham me­lhor de­sem­pe­nho nas ta­re­fas es­co­la­res que pri­vi­le­gi­em a lin­gua­gem.

Ver­ma ba­se­ou su­as con­clu­sões no ma­pe­a­men­to ce­re­bral de 949 pes­so­as, de ida­des en­tre 8 e 22 anos. Ou­tro fa­to re­la­ta­do – e que já ha­via si­do ob­ser­va­do em aná­li­ses an­te­ri­o­res de ou­tros ci­en­tis­tas – é que, em com­pa­ra­ção com o ta­ma­nho to­tal do cé­re­bro, as mu­lhe­res con­tam com mais mas­sa cin­zen­ta (on­de es­tão con­cen­tra­dos

EMO­ÇÕES À FLOR DA PELE

No cam­po da saú­de men­tal, ho­mens e mu­lhe­res tam­bém são dis­tin­tos? “Exis­tem fa­to­res neu­ro­ló­gi­cos e hor­mo­nais que con­tri­bu­em pa­ra di­fe­ren­tes re­a­ções de ho­mens e mu­lhe­res ao es­tres­se e di­fe­ren­tes sus­ce­ti­bi­li­da­des a trans­tor­nos de hu­mor e trans­tor­nos an­si­o­sos. Mas de­ve se le­var em con­si­de­ra­ção o fa­to de ha­ver ain­da uma mai­or re­lu­tân­cia por par­te de pa­ci­en­tes do se­xo mas­cu­li­no em ad­mi­tir tais di­ag­nós­ti­cos, as­sim co­mo há pro­ble­mas pa­ra pa­ci­en­tes do se­xo fe­mi­ni­no ad­mi­ti­rem di­ag­nós­ti­cos de de­pen­dên­cia de ál­co­ol ou dro­gas ilí­ci­tas”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Fa­bio Sawa­da Shi­ba. Pes­qui­sas do Ins­ti­tu­to Ka­ro­lins­ka, de Es­to­col­mo, na Sué­cia, apon­ta­ram que mu­lhe­res sau­dá­veis têm mai­or quan­ti­da­de de re­cep­to­res de se­ro­to­ni­na do que os ho­mens. Po­rém, elas dis­põem de me­nos trans­por­ta­do­res ne­ces­sá­ri­os pa­ra sua ab­sor­ção – a se­ro­to­ni­na é um dos neu­ro­trans­mis­so­res re­la­ci­o­na­dos com a sen­sa­ção de pra­zer e sua fal­ta es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da com a de­pres­são. Ou­tro ítem re­le­van­te é o ci­clo mens­tru­al pe­lo qual pas­sam as mu­lhe­res a ca­da in­ter­va­lo de apro­xi­ma­da­men­te 28 di­as. Sen­do as­sim, ocor­rem flu­tu­a­ções hor­mo­nais que in­ter­fe­rem no hu­mor, prin­ci­pal­men­te nos di­as que an­te­ce­dem a mens­tru­a­ção, o pe­río­do co­nhe­ci­do co­mo ten­são pré- mens­tru­al ( TPM), quan­do elas fi­cam mais su­jei­tas à ir­ri­ta­ção e tris­te­za. O ci­clo mens­tru­al per­du­ra até a úl­ti­ma mens­tru­a­ção, a me­no­pau­sa, por vol­ta dos 50 anos de ida­de. Tem iní­cio en­tão o cli­ma­té­rio, em que são co­muns sin­to­mas co­mo on­das de ca­lor e alterações de so­no, li­bi­do e hu­mor.

os nú­cle­os dos neurô­ni­os), ao pas­so que os ho­mens pos­su­em mais mas­sa bran­ca (com­pos­ta pe­los axô­ni­os, os pro­lon­ga­men­tos que co­nec­tam es­ses mes­mos neurô­ni­os uns aos ou­tros).

Emo­ção con­tra ra­zão?

Em 2001, Jill Golds­tein, pro­fes­so­ra de psi­qui­a­tria da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Har­vard, já ha­via me­di­do e com­pa­ra­do 45 pon­tos di­fe­ren­tes do cé­re­bro de ho­mens e mu­lhe­res sau­dá­veis. Foi des­co­ber­to que, no ca­so de­las, o cór­tex lím­bi­co (que re­gu­la as emo­ções) e al­gu­mas par­tes do lo­bo cen­tral (ati­vo na to­ma­da de de­ci­sões e re­so­lu­ção de pro­ble­mas) eram pro­por­ci­o­nal­men­te mai­o­res. Pa­ra os que con­si­de­ram o la­do mas­cu­li­no mais ra­ci­o­nal e o fe­mi­ni­no es­sen­ci­al­men­te emo­ti­vo, tra­ta-se de um bom ar­gu­men­to. Ne­les, são mai­o­res as áre­as do lo­bo pa­ri­e­tal (en­vol­vi­do na per­cep­ção es­pa­ci­al e on­de são pro­ces­sa­dos os es­tí­mu­los que che­gam por meio dos ór­gãos sen­so­ri­ais) e da amíg­da­la (que con­tro­la o com­por­ta­men­to so­ci­al e se­xu­al).

“As di­fe­ren­ças en­tre ho­mens e mu­lhe­res apa­re­cem mais ni­ti­da­men­te, na mé­dia, em ta­re­fas de ori­en­ta­ção es­pa­ci­al ou ra­ci­o­cí­nio ma­te­má­ti­co (pa­ra eles) ou em ta­re­fas de des­tre­za ma­nu­al ou na me­mo­ri­za­ção de de­ta­lhes e pa­la­vras (pa­ra elas)”, afir­ma Fá­bio. “Po­rém, va­le lem­brar que, mes­mo com uma efi­ci­ên­cia me­nor, a gran­de mai­o­ria das pes­so­as con­se­gue re­a­li­zar ta­re­fas em que o se­xo opos­to se sai me­lhor e exis­tem ain­da gran­des di­fe­ren­ças in­di­vi­du­ais nas ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas”, com­ple­men­ta o neu­ro­lo­gis­ta.

En­tre re­gras e ex­ce­ções

Por­tan­to, as des­se­me­lhan­ças ser­vem pa­ra ilus­trar o quão com­ple­xo é o ser hu­ma­no, ain­da mais por­que, iso­la­da­men­te, tais sin­gu­la­ri­da­des são só al­gu­mas das pe­ças do gi­gan­tes­co que­bra-ca­be­ças a que se cha­ma de mente. O am­bi­en­te so­ci­al e fa­mi­li­ar em que uma pes­soa é cri­a­da, por exem­plo, é só um dos ou­tros agen­tes que tam­bém vão con­tri­buir mui­to pa­ra a for­ma­ção de per­so­na­li­da­de e com­por­ta­men­to, ini­bin­do ou re­al­çan­do cer­tas ca­rac­te­rís­ti­cas. No âm­bi­to ge­ral, ho­mens e mu­lhe­res não são ge­o­me­tri­ca­men­te si­mé­tri­cos, mas os pon­tos em co­mum ain­da su­pe­ram as dis­cre­pân­ci­as. Afi­nal, são to­dos Ho­mo sa­pi­ens.

Os cé­re­bros de ho­mens e mu­lhe­res não são ana­to­mi­ca­men­te iguais e a ci­ên­cia ain­da in­ves­ti­ga de que for­ma is­so in­flui na vi­da de ca­da um de­les.

EM QUEM DÓI MAIS

Di­zem que a dor do par­to é a mai­or en­tre to­das que o ser hu­ma­no é ca­paz de vi­ven­ci­ar. Com ba­se nis­so, mui­to já foi di­to que as mu­lhe­res se­ri­am, por na­tu­re­za, mais re­sis­ten­tes à dor do que os ho­mens. Se­rá mes­mo? De acor­do com o pes­qui­sa­dor Osa­ma Tasha­ni, da Universidade Me­tro­po­li­ta­na de Le­eds, na In­gla­ter­ra, tra­ta-se do con­trá­rio. Pa­ra che­gar a es­sa con­clu­são, fo­ram es­tu­da­dos 200 vo­lun­tá­ri­os bri­tâ­ni­cos e lí­bi­os. Os par­ti­ci­pan­tes fo­ram sub­me­ti­dos a tes­tes co­mo te­rem as mãos es­pe­ta­das por um ob­je­to pon­ti­a­gu­do ou se­gu­rá-las aci­ma da ca­be­ça pa­ra se in­ter­rom­per o flu­xo san­guí­neo. Em am­bas as pro­vas, o se­xo mas­cu­li­no aguen­tou por mais tem­po, in­di­can­do apre­sen­tar um li­mi­ar mais al­to pa­ra a dor. Além dis­so, os lí­bi­os (ho­mens e mu­lhe­res) mos­tra­ram ser, de uma for­ma ge­ral, mais re­sis­ten­tes do que os bri­tâ­ni­cos, dan­do mar­gem pa­ra a hi­pó­te­se de que o com­po­nen­te ét­ni­co tam­bém po­de in­flu­en­ci­ar no re­sul­ta­do. O pró­prio es­tu­do in­di­ca que, mais do que a bi­o­lo­gia, os com­por­ta­men­tos cul­tu­rais é que in­du­zem o la­do mas­cu­li­no a evi­tar de­mons­trar e re­la­tar quan­do a dor es­tá pre­sen­te. En­tre­tan­to, não se tra­ta de um con­sen­so. Uma pes­qui­sa pos­te­ri­or, da Universidade de Stan­ford, ana­li­sou os re­gis­tros ele­trô­ni­cos de mais de 11 mil pa­ci­en­tes de am­bos os se­xos, com di­ver­sos ti­pos de do­en­ças, co­mo do­res nas cos­tas, do­res in­fla­ma­tó­ri­as, di­a­be­tes, hi­per­ten­são e até si­nu­si­tes. A eles, foi pe­di­do pa­ra clas­si­fi­ca­rem seu so­fri­men­to di­an­te dos sin­to­mas em uma es­ca­la de ze­ro, pa­ra ne­nhu­ma dor, a dez, pa­ra a mai­or dor su­por­tá­vel. Em 21 das 22 do­en­ças abor­da­das, as mu­lhe­res re­la­ta­ram uma mé­dia mai­or nas no­tas. De mo­do ge­ral, os ín­di­ces fe­mi­ni­nos eram 20% su­pe­ri­o­res aos mas­cu­li­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.