Quem sa­be mais?

A ci­ên­cia a e psi­co­lo­gia ten­tam des­ven­dar se há mes­mo pes­so­as mais in­te­li­gen­tes que ou­tras

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO VITOR MANFIO/COLABORADOR ENTREVISTAS AUGUSTO BIASON E VITOR MANFIO/CO­LA­BO­RA­DO­RES E VICTOR SAN­TOS DESIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

Oas­sun­to é, sem dú­vi­da, um dos mais con­tro­ver­sos ao re­dor do mun­do. Afi­nal, a ideia de que exis­tem pes­so­as mais in­te­li­gen­tes do que ou­tras é, re­al­men­te, ver­da­de? Ou, en­tão, tra­ta-se de uma su­po­si­ção con­ce­bi­da pe­la so­ci­e­da­de com o ob­je­ti­vo de es­ta­be­le­cer hi­e­rar­qui­as e pa­drões, e quem sa­be, pa­ra seg­men­tar o po­der na mão de um gru­po se­le­to de “gê­ni­os”?

Se­gun­do o dou­tor em ci­ên­ci­as mé­di­cas Mar­ce­lo Ba­tis­tuz­zo, de­ter­mi­nar es­se ti­po de clas­si­fi­ca­ção é um pro­ces­so mais com­ple­xo do que se ima­gi­na. O pro­fis­si­o­nal tam­bém es­cla­re­ce que, en­quan­to no sen­so co­mum as pes­so­as de­fi-

nem a mai­o­ria das ha­bi­li­da­des co­mo in­te­li­gên­cia, a ci­ên­cia bus­ca ex­pli­car es­se con­cei­to por meio de di­fe­ren­tes mé­to­dos e com mais apro­fun­da­men­to.

Pon­to de par­ti­da

An­tes de ir a fun­do no de­ba­te en­tre a di­fe­ren­ça de in­te­li­gên­cia en­tre as pes­so­as, é es­sen­ci­al a apre­sen­ta­ção de al­guns as­pec­tos que es­tão di­re­ta­men­te li­ga­dos e in­ter­fe­rem nes­sa ques­tão. O pri­mei­ro de­les é o fa­mo­so Fa­tor ou Te­o­ria G, des­cri­to pe­lo psi­có­lo­go in­glês Char­les Spe­ar­man nas pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo 20.

Na épo­ca, Char­les no­tou que a ha­bi­li­da­de cog­ni­ti­va de uma pes­soa era de­fi­ni­da por pro­ces­sos mais abran­gen­tes re­la­ci­o­na­dos à ati­vi­da­de men­tal ( Fa­tor G). A psi­qui­a­tra Ju­li­e­ta Gu­e­va­ra apon­ta que es­sa ver­ten­te é “sub­ja­cen­te a to­do ti­po de ati­vi­da­de in­te­lec­tu­al na­tu­ral aos se­res hu­ma­nos”. Já a segunda par­te é com­pos­ta por ca­rac­te­rís­ti­cas sub­je­ti­vas e in­di­vi­du­ais ( Fa­tor S, mais es­pe­cí­fi­co). Pa­ra Ju­li­e­ta, o Fa­tor S “de­pen­de de ou­tras va­riá­veis, co­mo ex­pe­ri­ên­cia e trei­na­men­to, que são pas­sí­veis de apren­di­za­do”.

Ape­sar de as de­fi­ni­ções se­rem, de cer­to mo­do, sim­ples, com­pre­en­der seu fun­ci­o­na­men­to é al­go que ain­da in­tri­ga os pro­fis­si­o­nais que es­tu­dam o as­sun­to. “Des­de en­tão, os psi­có­lo­gos ten­tam acer­tar es­se Fa­tor G, que é ape­nas um con­cei­to teó­ri­co, ou se­ja, não exis­te fi­si­ca­men­te. A gen­te não con­se­gue pe­gá-lo, pois não é al­go con­cre­to”, pon­tua Mar­ce­lo.

Além dis­so, ou­tra te­o­ria bus­ca, por meio de su­as sub­di­vi­sões, es­cla­re­cer es­se sis­te­ma cog­ni­ti­vo que nos acom­pa­nha por to­da a vi­da: os con­cei­tos de inteligências cris­ta­li­za­da e flui­da. “A pri­mei­ra é tu­do aqui­lo que a gen­te apren­de, co­mo o vo­ca­bu­lá­rio: va­mos apri­mo­ran­do nos­so vo­cá­bu­lo e am­pli­an­do a sua ca­pa­ci­da­de. Is­to é, al­guém fa­lou, e a gen­te guar­dou em al­gum lu­gar”, ex­pli­ca o dou­tor em ci­ên­ci­as mé­di­cas.

Já a segunda par­te não se acu­mu­la com o tem­po, pois se re­la­ci­o­na mais a ques­tões ins­tan­tâ­ne­as. “A in­te­li­gên­cia flui­da es­tá li­ga­da à me­mó­ria ope­ra­ci­o­nal, que é a ca­pa­ci­da­de de ma­ni­pu­lar es­tí­mu­los men­tal­men­te”, com­ple­ta. Es­se ca­so ocor­re, por exem­plo, na me­mo­ri­za­ção de sequên­ci­as nu­mé­ri­cas em um in­ter­va­lo de tem­po.

In­te­li­gên­cia na ca­be­ça

Após mui­tas ten­ta­ti­vas de al­can­çar, de fa­to, um mé­to­do efi­caz pa­ra me­dir a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va de uma pes­soa, os pes­qui­sa­do­res se apro­vei­ta­ram dos avan­ços tec­no­ló­gi­cos pa­ra com­pre­en­der me­lhor o fun­ci­o­na­men­to do ór­gão que co­man­da to­do es­se sis­te­ma: o cé­re­bro. Por meio de di­ver­sas téc­ni­cas e exa­mes, co­mo res­so­nân­ci­as mag­né­ti­cas e to­mo­gra­fi­as com­pu­ta­do­ri­za­das, foi pos­sí­vel des­ven­dar al­guns enig­mas que di­fi­cul­ta­vam o avan­ço das pes­qui­sas.

Com tes­tes em ani­mais e, pos­te­ri­or­men­te, em se­res hu­ma­nos, fo­ram iden­ti­fi­ca­das as re­giões do cé­re­bro que se re­la­ci­o­nam com es­sa ha­bi­li­da­de in­te­lec­tu­al. “Áre­as fron­to-têm­po­ro-pa­ri­e­tais do he­mis­fé­rio es­quer­do são vi­tais pa­ra

“Há in­di­ví­du­os mais in­te­li­gen­tes de­pen­den­do de on­de es­tão in­se­ri­dos. Além dis­so, exis­tem vá­ri­as formas de ex­pres­sar a in­te­li­gên­cia” Mar­tin Port­ner, mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia

as ope­ra­ções da in­te­li­gên­cia. Além dis­so, a ca­pa­ci­da­de vi­su­al-es­pa­ci­al — que tam­bém per­ten­ce a es­sa es­fe­ra e de­pen­de de cir­cui­tos ori­gi­na­dos no lo­bo oc­ci­pi­tal — tem par­ti­ci­pa­ção di­re­ta nos pro­ces­sos de ra­ci­o­cí­nio”, res­sal­ta o mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia Mar­tin Port­ner.

Se­gun­do Mar­ce­lo Ba­tis­tuz­zo, al­gu­mas pes­qui­sas con­cluí­ram que “o cór­tex pré-fron­tal dor­so­la­te­ral ex­pli­ca 10% da va­ri­a­bi­li­da­de da in­te­li­gên­cia. Não é o vo­lu­me de­le; na ver­da­de; são as co­ne­xões des­sa re­gião com o res­tan­te do cé­re­bro que in­di­cam es­sa por­cen­ta­gem da ha­bi­li­da­de cog­ni­ti­va”.

Ape­sar des­sas es­pe­ci­fi­ca­ções, atu­al­men­te, os es­tu­dos apon­tam pa­ra al­go mais abran­gen­te e abs­tra­to. “Ho­je em dia, há uma ten­dên­cia ho­lís­ti­ca (de in­te­gra­ção) que per­ce­be a in­te­li­gên­cia co­mo o re­sul­ta­do das ope­ra­ções de to­das as par­tes do cé­re­bro”, com­ple­men­ta Mar­tin.

Só que es­se pro­ces­so en­vol­ve mais do que as re­giões do ór­gão. Pa­ra que ha­ja uma boa co­mu­ni­ca­ção en­tre as cé­lu­las ner­vo­sas, é es­sen­ci­al o fun­ci­o­na­men­to de neu­ro­trans­mis­so­res. No ca­so da in­te­li­gên­cia, se­gun­do Mar­ce­lo, “o prin­ci­pal é o glu­ta­ma­to e, com cer­te­za, a de­fi­ci­ên­cia des­sa subs­tân­cia vai le­var ao en­fra­que­ci­men­to das co­ne­xões en­tre os neurô­ni­os e pre­ju­di­car a cog­ni­ção”.

Mil e uma di­fe­ren­ças?

Fa­lar so­bre o ser hu­ma­no, cer­ta­men­te, é en­ten­der so­bre di­fe­ren­ças. Em al­gum mo­men­to da sua vi­da, pro­va­vel­men­te, vo­cê já ou­viu aque­la fra­se: “ca­da um é ca­da um”, ou se­ja, não há pes­so­as to­tal­men­te iguais. Quan­do o as­sun­to é o nos­so cé­re­bro e as li­ga­ções que ocor­rem pra­ti­ca­men­te o tem­po to­do pe­los cer­ca de 80 bi­lhões de neurô­ni­os, não po­de­ria ser di­fe­ren­te. “Há in­di­ví­du­os mais in­te­li­gen­tes de­pen­den­do de on­de es­tão in­se­ri­dos. Além dis­so, exis­tem vá­ri­as formas de se ex­pres­sar a in­te­li­gên­cia”, co­men­ta Mar­tin.

No en­tan­to, is­so não quer di­zer que exis­tam as clas­si­fi­ca­ções de gê­ni­os e pes­so­as com li­mi­ta­ções cog­ni­ti­vas (ou ig­no­ran­tes). Na ver­da­de, di­ver­sos fa­to­res po­dem in­flu­en­ci­ar no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to da in­te­li­gên­cia, des­de ques­tões ge­né­ti­cas (mais de­ta­lhes na pá­gi­na 6) até o pró­prio am­bi­en­te. “Is­so de­pen­de mui­to de co­mo a pes­soa foi es­ti­mu­la­da du­ran­te a in­fân­cia e das opor­tu­ni­da­des que ela te­ve de po­der usar to­do o seu apa­ra­to cog­ni­ti­vo e emocional. Além dis­so, po­de ter re­la­ção com a edu­ca­ção ou ser al­go na­tu­ral, is­to é, que a acom­pa­nha des­de o nas­ci­men­to”, elen­ca a mes­tra em psi­co­lo­gia Mau­ra de Al­ba­ne­si. Ve­ja mais na pá­gi­na 40.

Es­sa de­fi­ni­ção de al­guém é mais in­te­li­gen­te do que ou­tro se tor­na ain­da mais com­ple­xa por con­ta dos di­ver­sos ti­pos de ha­bi­li­da­de cog­ni­ti­va (con­fi­ra mais na pá­gi­na 18). Ao le­vá-los em con­si­de­ra­ção, no­ta-se que al­gu­mas pes­so­as têm mais fa­ci­li­da­de em cer­tas áre­as, mas le­vam des­van­ta­gem em ou­tras. En­tão, es­sa te­má­ti­ca di­vi­de opi­niões de pro­fis­si­o­nais li­ga­dos a es­sa área, já que a di­fe­ren­ça de ca­pa­ci­da­de po­de ser in­ter­pre­ta­da de ma­nei­ras dis­tin­tas. “To­dos nós te­mos um ní­vel de in­te­li­gên­cia, uns com mais e ou­tros com me­nos, de­vi­do a fa­to­res co­mo edu­ca­ção, o que foi de­sen­vol­vi­do, es­pe­ra­do e in­cen­ti­va­do. Por is­so, é fun­da­men­tal que ha­ja in­cen­ti­vos e re­co­nhe­ci­men­to do po­ten­ci­al cri­a­ti­vo pa­ra que a in­te­li­gên­cia se­ja es­ti­mu­la­da”, con­clui Mau­ra.

Lo­bo pa­ri­e­tal (fron­to-têm­po­ro­pa­ri­e­tal) Lo­bo oc­ci­pi­tal Cór­tex pré­fron­tal dor­so­la­te­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.