Pe­gan­do um ata­lho

Que tal po­ten­ci­a­li­zar a in­te­li­gên­cia uti­li­zan­do al­guns mé­to­dos al­ter­na­ti­vos?

Segredos da Mente - - Sumario - TEX­TO E ENTREVISTAS AUGUSTO BIASON/ COLABORADOR DESIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

D uran­te mais de qua­tro sé­cu­los, acre­di­tou-se que as pes­so­as nas­ci­am com um cer­to ní­vel de in­te­li­gên­cia — e que a com­pe­tên­cia se­ria a mes­ma pe­lo res­to da vi­da. Foi só na dé­ca­da de 1970 que es­sa vi­são co­me­çou a mu­dar, após al­guns es­tu­dos mos­tra­rem que o cé­re­bro era ca­paz de se de­sen­vol­ver ao re­ce­ber de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los. A ver­da­de, sa­be-se ho­je, é que nos­so ór­gão se mo­di­fi­ca ao lon­go dos anos, cri­an­do e for­ta­le­cen­do co­ne­xões que nos fa­zem pen­sar de for­ma mais rá­pi­da e efi­caz.

E quem não quer ter es­sas co­ne­xões — e, con­se­quen­te­men­te, a in­te­li­gên­cia — po­ten­ci­a­li­za­das? Pa­ra nos­so azar, is­so ain­da não é pos­sí­vel de uma ho­ra pa­ra a ou­tra. Co­mo vis­to nas ma­té­ri­as an­te­ri­o­res, é pre­ci­so mui­ta de­di­ca­ção. Mas, se vo­cê não es­tá tão dis­pos­to a pra­ti­car exer­cí­ci­os es­pe­cí­fi­cos pa­ra o cé­re­bro, ain­da po­de­rá au­men­tar su­as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas re­a­li­zan­do ati­vi­da­des que, à pri­mei­ra vis­ta, não apa­ren­tam aju­dar tan­to o or­gão.

A im­por­tân­cia do hobby

O es­sen­ci­al, ga­ran­tem os es­pe­ci­a­lis­tas, é man­ter a mente sem­pre ati­va, tan­to di­re­ta co­mo in­di­re­ta­men­te. Mas co­mo ter o cé­re­bro es­ti­mu­la­do sem em­pre­gar mui­tos es­for­ços? A saí­da, acre­di­te se qui­ser, po­de ser aque­la ati­vi­da­de que vo­cê ado­ra fa­zer nas ho­ras va­gas. Ao con­trá­rio do que mui­ta gen­te pen­sa, ter um hobby não é uma to­tal per­da de tem­po. Além de re­la­xar e aju­dar a su­pe­rar o té­dio, os pas­sa­tem­pos po­dem ser gran­des aju­dan­tes pa­ra for­ta­le­cer a in­te­li­gên­cia.

“Es­tar aten­to aos sons do dia a dia, fa­zer pa­la­vras-cru­za­das, ler po­e­si­as e livros com bas­tan­te aten­ção, re­sol­ver pro­ble­mas ma­te­má­ti­cos, en­tre ou­tros, são mé­to­dos que aju­dam”, in­di­ca o co­a­ch e te­ra­peu­ta Wil­li­am Fer­raz. E não pa­ra por aí. Al­gu­mas pes­qui­sas in­di­cam que ou­vir mú­si­ca, co­mer de­ter­mi­na­dos ali­men­tos e, até mes­mo, le­var uns cho­ques po­dem dar uma for­ça pa­ra nos­sas fa­cul­da­des cog­ni­ti­vas. Con­fi­ra a se­guir al­guns mé­to­dos não tão con­ven­ci­o­nais que, in­di­re­ta­men­te, pro­me­tem oti­mi­zar a in­te­li­gên­cia.

“O ato de pres­tar aten­ção e clas­si­fi­car os sons, de cer­ta for­ma, tor­na a pes­soa mais in­te­li­gen­te” Da­vid Mal­do­na­do, mu­si­co­te­ra­peu­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.