De­pres­são sem mis­té­ri­os

Com­pre­en­da co­mo são as ma­ni­fes­ta­ções que es­se trans­tor­no cau­sa no cor­po

Segredos da Mente - - Sumário -

Co­nhe­ça me­lhor o trans­tor­no que tem a tris­te­za pro­fun­da co­mo sin­to­ma prin­ci­pal

An­tes de fa­lar so­bre as cau­sas e as con­sequên­ci­as da de­pres­são, é im­pres­cin­dí­vel com­pre­en­der que ela é uma do­en­ça e, por is­so, ne­ces­si­ta de tra­ta­men­to. Lon­ge de ser ape­nas uma tris­te­za pro­fun­da pas­sa­gei­ra, a de­pres­são afe­ta não só qu­em so­fre com o pro­ble­ma, mas tam­bém as pes­so­as ao re­dor e, por is­so, o pa­ci­en­te ne­ces­si­ta de aju­da pa­ra en­fren­tá-la. “Di­fe­ren­te das tris­te­zas do dia a dia, a de­pres­são é mais du­ra­dou­ra e traz sin­to­mas co­mo per­da de ape­ti­te e al­te­ra­ções do so­no. Em mui­tos ca­sos, a pes­soa não con­se­gue, a prin­cí­pio, iden­ti­fi­car o mo­ti­vo da de­pres­são e, em ge­ral, não pos­sui um úni­co mo­ti­vo”, con­ta a psi­có­lo­ga Már­cia Fra­ga.

Por que ela acon­te­ce?

En­tre os fa­to­res que po­dem de­sen­ca­de­ar a do­en­ça, es­tão os bi­o­ló­gi­cos, psi­co­ló­gi­cos e am­bi­en­tais. “Pesquisas in­di­cam que fi­lhos de pais de­pres­si­vos têm mai­or ten­dên­cia à de­pres­são. Is­so ocor­re por­que a de­pres­são es­tá re­la­ci­o­na­da à pro­du­ção de se­ro­to­ni­na no in­di­ví­duo, que é her­da­da ge­ne­ti­ca­men­te, além dis­so, não po­de­mos es­que­cer que a con­vi­vên­cia em um ‘lar de­pri­mi­do’ tam­bém exer­ce in­fluên­cia na for­ma­ção da per­so­na­li­da­de do in­di­ví­duo”, revela a psi­có­lo­ga Mar­cel­la Man­to­va­ni Pa­zi­ni. Em re­la­ção aos fa­to­res psi­co­ló­gi­cos, a de­pres­são es­tá re­la­ci­o­na­da a ex­pe­ri­ên­ci­as de per­das sig­ni­fi­ca­ti­vas, co­mo mor­te de um en­te querido, per­da de um em­pre­go, de um lo­cal de mo­ra­dia, mu­dan­ça de sta­tus so­ci­o­e­conô­mi­co, do­en­ça gra­ve ou crô­ni­ca, ou ain­da al­go pu­ra­men­te sim­bó­li­co e im­por­tan­te pa­ra aque­la pes­soa, e que não pô­de ser al­can­ça­do ou te­nha si­do per­di­do.

No con­sul­tó­rio

É por exis­ti­rem di­fe­ren­tes fa­to­res de­sen­ca­de­an­tes que exis­te a ne­ces­si­da­de de con­sul­tar um mé­di­co as­sim que os sin­to­mas apa­re­ce­rem. “O psi­có­lo­go ou psi­ca­na­lis­ta pro­por­ci­o­na­rá uma es­cu­ta so­bre as ques­tões en­vol­vi­das na cau­sa da de­pres­são e, as­sim, se­rá pos­sí­vel bus­car um mo­do di­fe­ren­te de li­dar com es­sas ques­tões. Já o psi­qui­a­tra in­di­ca­rá a me­di­ca­ção mais ade­qua­da pa­ra pro­por­ci­o­nar me­lho­ra na qua­li­da­de do so­no, no hu­mor e na dis­po­si­ção. Por is­so, é im­pres­cin­dí­vel que o tra­ta­men­to com o psi­có­lo­go e o psi­qui­a­tra se­ja con­co­mi­tan­te, pois am­bos aju­dam em as­pec­tos im­por­tan­tes”, re­co­men­da Már­cia. Con­si­de­ra­da um dos transtornos men­tais mais co­muns, a de­pres­são é di­ag­nos­ti­ca­da por exame clí­ni­co, po­rém al­guns tes­tes po­dem des­car­tar ou­tras do­en­ças que pro­vo­cam sin­to­mas pa­re­ci­dos com os do trans­tor­no. “O di­ag­nós­ti­co cor­re­to da de­pres­são per­mi­te que o mé­di­co in­di­que o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra ca­da ca­so. Se for uma de­pres­são en­dó­ge­na, ou se­ja, de ca­rá­ter mais he­re­di­tá­rio, é pos­sí­vel que o pa­ci­en­te te­nha que usar me­di­ca­ções por um lon­go pe­río­do ou mes­mo por to­da a vi­da. Nu­ma de­pres­são mais re­a­ti­va, ape­nas pe­lo pe­río­do dos sin­to­mas e por um pe­que­no pe­río­do além, co­mo mar­gem de se­gu­ran­ça pa­ra pre­ve­nir re­caí­das”, des­ta­ca o psi­qui­a­tra Cel­so Ro­ber­to Nu­nes.

Se­rá que é tris­te­za ou de­pres­são?

Qu­an­do os sen­ti­men­tos de tris­te­za per­ma­ne­cem por mais de du­as ou três se­ma­nas, uma con­sul­ta com o psi­có­lo­go tor­na-se bem vin­da. Is­so por­que, se­gun­do in­for­ma­ções da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Fa­mi­li­a­res, Ami­gos e Por­ta­do­res de Trans­tor­no Afe­ti­vos (Abra­ta), mui­tas pes­so­as lu­tam con­tra a de­pres­são sem sa­ber que so­frem des­sa do­en­ça. Di­fe­ren­te­men­te das si­tu­a­ções co­muns de tris­te­za, no trans­tor­no de­pres­si­vo, as ten­ta­ti­vas pa­ra afas­tar o mal-es­tar sen­ti­do po­dem não fun­ci­o­nar – além dis­so, ou­tros si­nais po­dem es­tar pre­sen­tes (con­fi­ra na ma­té­ria da pá­gi­na 24). Pa­ra co­la­bo­rar com o di­ag­nós­ti­co, a aten­ção de fa­mi­li­a­res e pes­so­as que­ri­das é fun­da­men­tal, ve­ri­fi­can­do mu­dan­ças de com­por­ta­men­to no pa­ci­en­te, por exem­plo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.