Alzheimer e Parkinson: com­pre­en­den­do as do­en­ças

Tan­to o Alzheimer quan­to o Parkinson são do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas ce­re­brais ain­da in­ves­ti­ga­das pe­los ci­en­tis­tas, já que am­bas não têm cu­ra; ape­nas con­tro­le

Segredos da Mente - - Sumário -

Ve­ja quais são seus efei­tos no cé­re­bro

Qu­em des­co­bre ter uma do­en­ça crô­ni­ca sa­be que te­rá de fa­zer adap­ta­ções em sua ro­ti­na. Os cui­da­dos são pa­ra a vi­da to­da e po­dem in­cluir tra­ta­men­tos com me­di­ca­ção, exa­mes pe­rió­di­cos, mas, prin­ci­pal­men­te, mu­dan­ças nos há­bi­tos – e elas po­dem ser ne­ces­sá­ri­as por cau­sa das al­te­ra­ções no pró­prio or­ga­nis­mo, que aca­ba de­man­dan­do mo­vi­men­tos di­fe­ren­tes, adap­ta­ções no lar, aten­ção da fa­mí­lia. É as­sim pa­ra qu­em tem a do­en­ça de Parkinson ou Alzheimer. A se­guir vo­cê en­ten­de me­lhor a ori­gem das do­en­ças e com­pre­en­de o di­ag­nós­ti­co de am­bas!

Cé­re­bro di­mi­nuí­do

Qu­an­do uma pes­soa es­tá com Alzheimer, ocor­re a per­da pro­gres­si­va da mas­sa ce­re­bral, tal co­mo a mor­te das cé­lu­las ner­vo­sas. Des­ta ma­nei­ra, to­das as fun­ções cor­po­rais vão sen­do afe­ta­das, des­de as mais sim­ples até as mais com­ple­xas. Co­mo con­sequên­cia, os ven­trí­cu­los (co­mo são cha­ma­dos os es­pa­ços na­tu­rais do cé­re­bro) au­men­tam de ta­ma­nho, cri­an­do vá­ri­as ca­vi­da­des mai­o­res do que o nor­mal. So­ma­do a is­so, acu­mu­la­dos de pro­teí­nas aca­bam se jun­tan­do às cé­lu­las ner­vo­sas res­tan­tes, fa­tor que es­tá sen­do es­tu­da­do pe­los ci­en­tis­tas co­mo uma pos­sí­vel cau­sa da agres­si­vi­da­de e avan­ço da do­en­ça. “O Alzheimer acar­re­ta a re­du­ção pro­gres­si­va da me­mó­ria e da fun­ção cog­ni­ti­va glo­bal, com pre­juí­zo das ha­bi­li­da­des in­te­lec­ti­vas pre­vi­a­men­te ad­qui­ri­das, com­pro­me­ten­do a área ocu­pa­ci­o­nal, so­ci­al, afe­ti­va e com­por­ta­men­tal. Ve­em-se pre­juí­zos em tor­no de 87% na me­mó­ria, de 70% na lin­gua­gem e de 45% pa­ra a par­te vi­su­o­es­pa­ci­al e aten­ção”, con­ta a neu­rop­si­qui­a­tra Evelyn Vi­no­cur. Pou­co a pou­co, o pa­ci­en­te vai per­den­do a cons­ci­ên­cia de su­as pró­pri­as fun­ções. O cé­re­bro, co­mo co­man­dan­te da má­qui­na tão com­ple­xa de­no­mi­na­da cor­po hu­ma­no, vai dei­xan­do de la­do o cos­tu­me de dar or­dens. No úl­ti­mo es­tá­gio da do­en­ça, o pa­ci­en­te ten­de a de­pen­der de ou­tras pes­so­as pa­ra tu­do, até o mo­men­to no qual ne­nhum me­ca­nis­mo do or­ga­nis­mo pas­se a fun­ci­o­nar de­vi­da­men­te; en­tre o di­ag­nós­ti­co ini­ci­al e o seu fa­le­ci­men­to, cal­cu­la- se de oi­to a dez anos de con­vi­vên­cia com o Alzheimer. “Na mai­o­ria das ve­zes, a cau­sa do óbi­to do pa­ci­en­te são com­pli­ca­ções clí­ni­cas du­ran­te a pro­gres­são neu­ro­ló­gi­ca, tal co­mo in­fec­ções, aci­den­tes vas­cu­la­res car­día­cos ou ce­re­brais ou em­bo­lia pul­mo­nar”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.