Dois em um

En­ten­da co­mo o trans­tor­no bi­po­lar acon­te­ce no cé­re­bro e su­as con­sequên­ci­as na vi­da do por­ta­dor

Segredos da Mente - - Sumário -

O trans­tor­no bi­po­lar é uma das do­en­ças da men­te mais com­ple­xas exis­ten­tes. Fa­ça o tes­te e ti­re su­as dú­vi­das!

Qu­em é que nun­ca acor­dou de mau hu­mor de ma­nhã, mas já no iní­cio do dia no tra­ba­lho ou na es­co­la tu­do cor­reu su­per­bem e a fe­li­ci­da­de to­mou con­ta de seu in­te­ri­or? Al­te­ra­ções de hu­mor são co­muns no dia a dia das pes­so­as! Mas vo­cê sa­be até que pon­to is­so é nor­mal? O trans­tor­no bi­po­lar tem cau­sa­do dú­vi­das en­tre as pes­so­as e, por is­so, al­guns pa­ci­en­tes com a do­en­ça ain­da es­tão sem tra­ta­men­to. As­sim, va­le co­nhe­cer as ca­rac­te­rís­ti­cas des­se pro­ble­ma que atin­ge cer­ca de 8% da po­pu­la­ção – se­gun­do a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Trans­tor­no Bi­po­lar (ABTB). Ex­pli­ca­mos nas li­nhas a se­guir um pou­co mais so­bre o trans­tor­no, su­as con­sequên­ci­as e trou­xe­mos um tes­te que po­de aju­dar a iden­ti­fi­cá-lo (é cla­ro, sem subs­ti­tuir de ma­nei­ra al­gu­ma uma con­sul­ta mé­di­ca).

Afi­nal, o que é trans­tor­no bi­po­lar?

Ele é di­ag­nos­ti­ca­do com al­te­ra­ções de hu­mor que apa­re­cem co­mo epi­só­di­os de­pres­si­vos al­ter­na­dos com os de eu­fo­ria – tam­bém co­nhe­ci­dos co­mo ma­nia –, em di­fe­ren­tes graus de in­ten­si­da­de. “Ge­ral­men­te, ele é ca­rac­te­ri­za­do por mu­dan­ças no mo­do de ser ha­bi­tu­al, com o pa­ci­en­te apre­sen­tan­do-se mais tris­te, ir­ri­ta­do, sem âni­mo ou im­pa­ci­en­te – em sua for­ma de­pres­si­va. Ou com a men­te, a fa­la e o com­por­ta­men­to ace­le­ra­dos – o que ca­rac­te­ri­za sua for­ma eu­fó­ri­ca. Es­tas du­as ma­nei­ras po­dem se so­mar e coin­ci­dir na mes­ma pes­soa, re­sul­tan­do no trans­tor­no”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta Sil­ves­tre, San­der Frid­man. A ABTB diz que es­sa do­en­ça é uma con­di­ção mé­di­ca fre­quen­te. O de ti­po I, que se dá pe­la pre­sen­ça de epi­só­di­os de de­pres­são e de ma­nia, ocor­re em cer­ca de 1% da po­pu­la­ção ge­ral. Já se con­si­de­rar os qua­dros mais bran­dos – os de­no­mi­na­dos ‘es­pec­tro bi­po­lar’ –, co­mo o ti­po II, que é mar­ca­do pe­la al­ter­nân­cia de de­pres­são e epi­só­di­os mais le­ves de eu­fo­ria, a pre­do­mi­nân­cia po­de che­gar a até 8% da po­pu­la­ção. As­sim, es­ti­ma-se que cer­ca de 1,8 a 15 mi­lhões de bra­si­lei­ros se­jam por­ta­do­res do trans­tor­no bi­po­lar, em su­as di­fe­ren­tes for­mas de apre­sen­ta­ção.

Em ca­da fa­se, uma sen­sa­ção

Em­bo­ra se­ja tí­pi­ca nas cri­ses, a ca­rac­te­rís­ti­ca mais mar­can­te pre­sen­te nos por­ta­do­res do trans­tor­no é a mu­dan­ça em re­la­ção ao mo­do ha­bi­tu­al de ser da pes­soa. Se­gun­do o pro­fis­si­o­nal, al­gu­mas pes­so­as po­dem ter seus sin­to­mas por tem­po tão pro­lon­ga­do que eles se con­fun­dem com a per­so­na­li­da­de do do­en­te. Con­fi­ra a se­guir as du­as fa­ses mais mar­can­tes do trans­tor­no:

• De­pres­são: nes­se pe­río­do, po­de ocor­rer a per­da qu­a­se com­ple­ta dos in­te­res­ses pes­so­ais, bem co­mo fal­ta de ener­gia e de ini­ci­a­ti­va, uma ex­tre­ma in­qui­e­tu­de an­gus­ti­a­da, so­no ruim – acor­dan­do, mui­tas ve­zes, ce­do de­mais ou so­no ex­ces­si­vo. “Aten­ção e me­mó­ria po­dem fi­car mui­to pre­ju­di­ca­das, in­ter­fe­rin­do no de­sem­pe­nho no tra­ba­lho, nos es­tu­dos e na ca­pa­ci­da­de de cui­dar de um de­pen­den­te, por exem­plo, e até de an­dar so­zi­nho pe­la rua com se­gu­ran­ça”, ex­pli­ca San­der. A pes­soa, nor­mal­men­te, fa­la mui­to pou­co, com vo­lu­me de voz bai­xo e ex­pres­são cor­po­ral con­ti­da. “Po­de ha­ver tam­bém a per­da do de­se­jo se­xu­al e até da ca­pa­ci­da­de de amar ou de vi­ven­ci­ar o amor, ame­a­çan­do a con­ti­nui­da­de dos la­ços fa­mi­li­a­res”, com­ple­ta o psi­qui­a­tra.

Pre­o­cu­pa­ções ou de­se­jo de mor­rer tam­bém são co­muns, as­sim co­mo fan­ta­si­as, pla­nos e ten­ta­ti­vas de sui­cí­dio, cu­jo ris­co é al­to e aumenta mui­to mais qu­an­do as­so­ci­a­do ao abu­so ou de­pen­dên­cia de ál­co­ol. “Às ve­zes, vi­sões de pes­so­as que já mor­re­ram, vo­zes que fa­lam com o do­en­te ou lhe co­man­dam fu­gas e atos sui­ci­das po­dem acom­pa­nhar e agra­var mui­to o qua­dro, au­men­tan­do o ris­co pa­ra a so­bre­vi­vên­cia dos pa­ci­en­tes”, con­ta o pro­fis­si­o­nal.

• Eu­fo­ria: a for­ma ma­nía­ca é um es­ta­do de exal­ta­ção do hu­mor, com au­men­to de ener­gia, sem qual­quer re­la­ção com o mo­men­to em que a pes­soa es­tá vi­ven­do. Nes­se pe­río­do, o pa­ci­en­te não es­tá de­pri­mi­do nem ale­gre por mo­ti­vo es­pe­ci­al, mas apre­sen­ta hu­mor eu­fó­ri­co ou ir­ri­tá­vel. Em ge­ral, a mu­dan­ça do com­por­ta­men­to na eu­fo­ria é sú­bi­ta, mas o in­di­ví­duo não per­ce­be sua al­te­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.