Cor­po e men­te em ris­co

Co­nhe­ça os prin­ci­pais ti­pos de transtornos ali­men­ta­res e co­mo eles se ma­ni­fes­tam no or­ga­nis­mo

Segredos da Mente - - Sumário -

Os dis­túr­bi­os ali­men­ta­res tam­bém são pe­ri­go­sos e pre­ci­sam de aten­ção

Qu­an­do a men­te fi­ca so­bre­car­re­ga­da, po­de ser que al­gu­ma área do cor­po so­fra as con­sequên­ci­as. Uma des­sas par­tes es­tá li­ga­da à ali­men­ta­ção, fon­te vi­tal e in­dis­pen­sá­vel de saú­de. É só co­me­çar a re­pa­rar: há pes­so­as que, em si­tu­a­ções de tris­te­za e de­cep­ção, por exem­plo, dei­xam de co­mer e aca­bam ema­gre­cen­do; já ou­tras, em con­tra­par­ti­da, des­con­tam su­as frus­tra­ções nos ali­men­tos e so­mam al­guns qui­li­nhos ex­tras na ba­lan­ça. A re­la­ção com a qual os dis­túr­bi­os ali­men­ta­res se ma­ni­fes­tam em ca­da pes­soa vai de­pen­der de uma sé­rie de fa­to­res. O gran­de pro­ble­ma ocor­re qu­an­do sé­ri­as com­pli­ca­ções se fa­zem pre­sen­tes, co­mo anorexia, bulimia e com­pul­são ali­men­tar, par­ti­cu­la­ri­da­des que de­man­dam um cui­da­do es­pe­ci­al. “Um pa­drão de com­por­ta­men­to ali­men­tar ina­de­qua­do, que le­va ao pre­juí­zo da saú­de do in­di­ví­duo, po­de ser cha­ma­do de trans­tor­no ali­men­tar”, con­ta a psi­có­lo­ga Ka­ri­na Ro­dri­gues. Sé­ri­as com­pli­ca­ções Ain­da de acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, exis­tem cin­co prin­ci­pais ti­pos de transtornos ali­men­ta­res: • Anorexia

Trau­mas fa­mi­li­a­res, pes­so­ais ou, na mai­o­ria dos ca­sos, a in­fe­li­ci­da­de com a pró­pria apa­rên­cia po­dem le­var a uma bus­ca ex­ces­si­va e de­sen­fre­a­da pe­la per­da de pe­so, o que re­sul­ta em con­sequên­ci­as ex­tre­ma­men­te gra­ves pa­ra a saú­de. “O in­di­ví­duo tem uma vi­são des­tor­ci­da do seu pró­prio cor­po, ven­do a si mes­mo co­mo uma pes­soa obe­sa, qu­an­do na ver­da­de es­tá mui­to abai­xo do pe­so mí­ni­mo. As­sim, ele não co­me pa­ra ema­gre­cer ain­da mais”, co­men­ta Ka­ri­na. Em­bo­ra os ano­ré­xi­cos ten­tem dis­far­çar mui­to bem as ca­rac­te­rís-

Se vo­cê sen­tir que al­go es­tá er­ra­do em re­la­ção à sua ali­men­ta­ção, vi­si­te um es­pe­ci­a­lis­ta! Tra­tar o qua­dro des­de o iní­cio, se­ja ele qual for, fa­rá com que a qua­li­da­de de vi­da se man­te­nha al­ta e, as­sim, to­do o or­ga­nis­mo se­rá equi­li­bra­do

ti­cas da do­en­ça, usan­do rou­pas lar­gas e fin­gin­do se ali­men­tar bem em fren­te aos fa­mi­li­a­res, exis­te uma sé­rie de si­nais que po­dem ser per­ce­bi­dos, co­mo tris­te­za, di­fi­cul­da­des em sair de ca­sa, evi­tar se tro­car na fren­te das pes­so­as, re­cu­sar re­pe­ti­das ve­zes con­vi­tes pa­ra lan­char, en­tre ou­tros. • Bulimia

Ao con­trá­rio da anorexia, a pes­soa não dei­xa de se ali­men­tar, mas sim co­me de­ma­si­a­da­men­te e se ar­re­pen­de de­pois, pro­vo­can­do o vô­mi­to pa­ra se li­vrar de to­do o ex­ces­so con­su­mi­do. O re­sul­ta­do? Com­pli­ca­ções den­tá­ri­as e gas­troin­tes­ti­nais são fa­cil­men­te de­tec­ta­das após al­gum tem­po de con­vi­vên­cia com o pro­ble­ma. “Ao con­trá­rio da anorexia, o in­di­ví­duo se ali­men­ta bem, e na ver­da­de, até em exa­ge­ro. Po­rém, pa­ra evi­tar en­gor­dar, o bu­lí­mi­co apos­ta em téc­ni­cas que cha­ma­mos de ex­pur­ga­ção. Vô­mi­tos, to­mar la­xan­tes pa­ra pro- vo­car di­ar­reia ou fa­zer je­jum são os mais co­muns”, pon­tua a pro­fis­si­o­nal. • Com­pul­são ali­men­tar

O ga­nho de pe­so ten­de a ser o sin­to­ma prin­ci­pal da dis­fun­ção, já que a pes­soa per­de to­tal­men­te o con­tro­le da quan­ti­da­de de ali­men­tos que de­ve con­su­mir pa­ra ter uma vi­da sau­dá­vel. Es­se ti­po de pro­ble­ma vem acom­pa­nha­do, ge­ral­men­te, de um trau­ma, uma per­da ou até mes­mo frus­tra­ções li­ga­das ao tra­ba­lho, ami­za­des e re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so. “O in­di­ví­duo con­so­me ali­men­tos em ex­ces­so, mui­to aci­ma da ne­ces­si­da­de de­le. Po­rém, não faz a ex­pur­ga­ção, co­mum à bulimia”, es­cla­re­ce Ka­ri­na. Des­con­tar as emo­ções na co­mi­da é uma pés­si­ma ideia, já que uma sé­rie de com­pli­ca­ções na saú­de po­dem ser so­ma­das a es­se fa­tor, co­mo sur­gi­men­to de di­a­be­tes, pres­são al­ta e en­fer­mi­da­des car­día­cas. Por is­so, va­le par­tir pa­ra uma ava­li­a­ção clí­ni­ca e bus­car aju­da ra­pi­da­men­te. • Vi­go­re­xia

Qu­an­do a pre­o­cu­pa­ção com o pró­prio cor­po pas­sa dos li­mi­tes, po­de ser que es­se dis­túr­bio se ins­ta­le e oca­si­o­ne danos ao fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo. Gra­ças a uma ex­po­si­ção exa­ge­ra­da de cor­pos de­fi­ni­dos e re­ple­tos de mús­cu­los es­cul­pi­dos, mui­tas pes­so­as co­me­çam a fa­zer qual­quer coi­sa pa­ra con­quis­tar a si­lhu­e­ta dos so­nhos, pa­gan­do até mes­mo com o seu bem mais pre­ci­o­so: a saú­de. “É o ti­po de ali­men­ta­ção vol­ta­da ex­clu­si­va­men­te pa­ra ma­nu­ten­ção de um cor­po mus­cu­lo­so. To­das as re­fei­ções da pes­soa são vol­ta­das pa­ra es­se ob­je­ti­vo”, fo­men­ta a psi­có­lo­ga. • Or­to­re­xia

A pre­o­cu­pa­ção com a saú­de é ex­ces­si­va nes­se ca­so, fa­zen­do com que a pes­soa fi­quei ob­ce­ca­da em con­su­mir ape­nas aqui­lo o que é sau­dá­vel. Em um pri­mei­ro mo­men­to, até pa­re­ce al­go po­si­ti­vo, mas com o pas­sar do tem­po, a men­te pas­sa a fi­car tão vi­ci­a­da nes­se as­sun­to que ou­tras áre­as da vi­da co­me­çam a ser afe­ta­das. “É um dis­túr­bio ali­men­tar em que o in­di­ví­duo fi­ca ob­ce­ca­do pe­lo o que co­me. A pes­soa se per­mi­te co­mer, mas fi­ca pre­o­cu­pa­da com as es­co­lhas o tem­po to­do. O va­lor nu­tri­ci­o­nal do que ela co­me (ca­lo­ri­as, vi­ta­mi­nas e nu­tri­en­tes) é o fo­co de sua aten­ção. Só se per­mi­te con­su­mir o que é sau­dá­vel”, fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.