Apren­di­za­do pre­ju­di­ca­do

Vo­cê já de­ve ter ou­vi­do fa­lar em dé­fi­cit de aten­ção. Mas, além de­le, co­nhe­ça ou­tros pro­ble­mas que tam­bém po­dem afe­tar a men­te e di­fi­cul­tar o “apren­der”

Segredos da Mente - - Sumário -

Co­nhe­ça me­lhor o TDAH, dé­fi­cit de aten­ção, dis­gra­fia...

Ter di­fi­cul­da­de em con­se­guir man­ter a aten­ção em al­guns mo­men­tos e ati­vi­da­des po­de ser co­mum en­tre al­gu­mas pes­so­as, as­sim co­mo con­tro­lar a agi­ta­ção e a in­qui­e­ta­ção. Po­rém, se os sin­to­mas cos­tu­mam ocor­rer cons­tan­te­men­te e em di­fe­ren­tes am­bi­en­tes, po­de ser a ho­ra de um di­ag­nós­ti­co pro­fis­si­o­nal pa­ra o TDAH. A se­guir vo­cê en­ten­de me­lhor o pro­ble­ma, além de co­nhe­cer de­mais transtornos que tam­bém po­de di­fi­cul­tar o “apren­der”.

TDAH – um pro­ble­ma “co­mum”

A si­gla sig­ni­fi­ca Trans­tor­no de Dé­fi­cit de Aten­ção com Hi­pe­ra­ti­vi­da­de e, de acor­do com a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do Dé­fi­cit de Aten­ção, afe­ta, em mé­dia, de 3 a 5% da po­pu­la­ção in­fan­til no país e em vá­ri­as ou­tras na­ções on­de o trans­tor­no já foi pes­qui­sa­do. Além de di­fi­cul­tar no apren­di­za­do in­te­lec­tu­al e es­co­lar, a dis­fun­ção po­de acar­re­tar em ou­tros obs­tá­cu­los co­mo a con­vi­vên­cia so­ci­al, in­tros­pec­ção e trans­tor­no de con­du­ta, se não for di­ag­nos­ti­ca­da e tra­ta­da cor­re­ta­men­te. O TDAH é um trans­tor­no neu­ro­bi­o­ló­gi­co ca­rac­te­ri­za­do por uma dis­fun­ção da do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor que se li­ga a uma re­gião do cé­re­bro de­no­mi­na­da cór­tex frontal. Es­sa dis­fun­ção apa­re­ce na in­fân­cia e ca­so não acon­te­ça o tra­ta­men­to, po­de acom­pa­nhar o in­di­ví­duo por to­da a sua vi­da. Acor­do com o pro­fes­sor de neu­rop­si­co­lo­gia Clay Bri­tes, o TDAH é “o trans­tor­no de de­sen­vol­vi­men­to e de neu­ro­com­por­ta­men­to mais co­mum da in­fân­cia, sen­do ca­rac­te­ri­za­do por um ex­ces­si­vo e no­ci­vo dé­fi­cit de aten­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de e im­pul­si­vi­da­de”. O dis­túr­bio, ca­rac­te­ri­za­do por agi­ta­ção, in­qui­e­ta­ção e fal­ta de ca­pa­ci­da­de es­pon­tâ­nea de aten­ção, po­de ser cau­sa­do ge­ne­ti­ca­men­te ou por pro­ble­mas de par­to. O neu­ro­lo­gis­ta Vic­tor Mas­se­na ex­pli­ca que “as cri­an­ças mais pro­pen­sas são as que têm pais com TDAH (e po­dem re­ce­ber uma car­ga he­re­di­tá­ria dis­so), as que ti­ve­ram bai­xa oxi­ge­na­ção an­tes ou du­ran­te o par­to e em ca­sos de fe­tos de mu­lhe­res com mai­o­ri­da­de, que po­dem ter gra­vi­dez de ris­co”.

Des­ven­dan­do a dis­le­xia

Con­si­de­ra­da um trans­tor­no de apren­di­za­gem que tam­bém pos­sui ori­gem ge­né­ti­ca, a dis­le­xia se ca­rac­te­ri­za pe­la di­fi­cul­da­de que a pes­soa pos­sui de co­di­fi­car o que es­tá es­cri­to, trans­for­mar a le­tra em um som ou de­ci­frar um sím­bo­lo grá­fi­co. “Ela é um de­fei­to do fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral. Ge­ral­men­te,

Qu­an­do se fa­la de di­fi­cul­da­de, tra­ta-se de al­go am­bi­en­tal, co­mo na si­tu­a­ção hi­po­té­ti­ca de uma cri­an­ça ter uma bai­xa vi­são. Com is­so, ela vai ter pro­ble­mas nas ques­tões vi­su­ais den­tro da es­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.