Es­sa tal an­si­e­da­de

Co­nhe­ça me­lhor a ori­gem do trans­tor­no que afe­ta qu­a­se 300 mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do

Segredos da Mente - - Sumário -

Sen­tir-se an­si­o­so de vez em qu­an­do é nor­mal. O sen­ti­men­to vem com a ex­pec­ta­ti­va de um acon­te­ci­men­to im­por­tan­te, co­mo um no­vo em­pre­go, uma mu­dan­ça de ci­da­de, a in­gres­são na fa­cul­da­de, en­tre di­ver­sas ou­tras si­tu­a­ções. Mas, com o tem­po, acon­te­ce a adap­ta­ção a es­sa no­va ro­ti­na e a an­si­e­da­de so­me. Con­tu­do, em al­gu­mas pes­so­as, ela po­de per­du­rar por me­ses e até sur­gir sem mo­ti­vo al­gum. Se a an­si­e­da­de co­me­ça a in­ter­fe­rir nas ati­vi­da­des diá­ri­as, é ho­ra de bus­car aju­da psi­co­ló­gi­ca, in­ves­ti­gar as cau­sas e ini­ci­ar o tra­ta­men­to in­di­ca­do pa­ra ca­da ca­so.

Com­pre­en­den­do sua ori­gem

Qu­an­do o sen­ti­men­to apa­re­ce com mais frequên­cia, tra­zen­do uma sen­sa­ção de an­gús­tia e in­se­gu­ran­ça, po­de ser iden­ti­fi­ca­do co­mo cri­se de an­si­e­da­de — em que a pes­soa se de­ses­tru­tu­ra e dei­xa o pro­ble­ma do­mi­nar seus pen­sa­men­tos, fa­zen­do com que as ta­re­fas do dia a dia fi­quem de la­do e, mui­tas ve­zes, se iso­lan­do so­ci­al­men­te, co­mo qu­an­do o in­di­ví­duo pre­fe­re fi­car em ca­sa pa­ra não en­fren­tar o pro­ble­ma. Uma vez ins­tau­ra­do o trans­tor­no, ou­tro com­por­ta­men­to sur­ge: o me­do de ter uma cri­se. “Os pen­sa­men­tos, de­pois de um tem­po, co­me­çam a gi­rar em tor­no da cri­se e não em tor­no da sua cau­sa. Se ele vi­ve pe­que­nos mo­men­tos de an­si­e­da­de to­dos os di­as, ele es­tá de­sen­vol­ven­do a an­si­e­da­de ex­ces­si­va”, des­ta­ca o psi­qui­a­tra Er­vin Co­trik.

De vá­ri­os ti­pos

Qu­an­do a an­si­e­da­de es­tá ins­ta­la­da, o mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta de­ve en­trar em ação, iden­ti­fi­can­do o ti­po do trans­tor­no. Con­fi­ra quais são eles:

• Fo­bia es­pe­cí­fi­ca

É ca­rac­te­ri­za­da por um me­do in­con­tro­lá­vel de al­gum ob­je­to ou si­tu­a­ção, co­mo an­dar de avião ou de tro­vões. Na mai­o­ria das ve­zes, o trans­tor­no é re­co­nhe­ci­do pe­la pes­soa, no en­tan­to, não exis­te ra­zão es­pe­cí­fi­ca pa­ra ele acon­te­cer.

• Trans­tor­no pós-trau­má­ti­co

Ins­ta­la-se qu­an­do o por­ta­dor pas­sa por uma si­tu­a­ção trau­má­ti­ca, co­mo um as­sal­to, ou a mor­te de um en­te querido. A prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca do trau­ma é a sen­sa­ção de im­po­tên­cia, di­an­te do fa­to ocor­ri­do. Nes­te qua­dro, a pes­soa re­vi­ve a si­tu­a­ção trau­má­ti­ca por meio de pe­sa­de­los, lem­bran­ças e de pen­sa­men­tos re­cor­ren­tes. Re­a­ções fi­si­o­ló­gi­cas tam­bém es­tão en­vol­vi­das no trans­tor­no, co­mo: di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, sen­ti­men­to de cul­pa e per­ma­nen­te es­ta­do de aler­ta.

• Trans­tor­no de An­si­e­da­de Ge­ne­ra­li­za­da (TAG)

Ge­ral­men­te, a pes­soa que so­fre des­te mal pos­sui ní­vel de an­si­e­da­de des­pro­por­ci­o­nal aos acon­te­ci­men­tos, pre­o­cu­pa­ção in­ten­sa e es­ta­do de apre­en­são cons­tan­te, in­ter­fe­rin­do de for­ma ne­ga­ti­va na sua ro­ti­na. “Se­gun­do o ma­nu­al de clas­si­fi­ca­ção de do­en­ças men­tais ( DSM.IV), o TAG é um dis­túr­bio ca­rac­te­ri­za­do pe­la ‘pre­o­cu­pa­ção ex­ces­si­va ou ex­pec­ta­ti­va apre­en­si­va’, per­sis­ten­te e de di­fí­cil con­tro­le, que per­du­ra por seis me­ses, no mí­ni­mo, e vem acom­pa­nha­do por três ou mais dos se­guin­tes sin­to­mas: in­qui­e­ta­ção, fa­di­ga, ir­ri­ta­bi­li­da­de, di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, ten­são mus­cu­lar e per­tur­ba­ção do so­no. Há tam­bém sin­to­mas fí­si­cos co­mo di­fi­cul­da­de res­pi­ra­tó­ria, ta­qui­car­dia, su­do­re­se ex­ces­si­va, tre­mo­res, de­sar­ran­jos in­tes­ti­nais, do­res ab­do­mi­nais e de ca­be­ça”, exem­pli­fi­ca Éri­ca.

• Trans­tor­no Ob­ses­si­vo Com­pul­si­vo

Co­nhe­ci­do pe­la si­gla TOC, es­se qua­dro é ca­rac­te­ri­za­do por ob­ses­são, pen­sa­men­tos, ideais e ima­gens que in­va­dem a pes­soa sem que ela quei­ra. Ge­ral­men­te, o por­ta­dor tem pa­ra si que pa­ra se li­vrar do pro­ble­ma é ne­ces­sá­rio re­a­li­zar um ri­tu­al, se­guin­do re­gras e eta­pas rí­gi­das e pré-es­ta­be­le­ci­das que aju­dam a con­tro­lar a an­si­e­da­de, co­mo lim­pe­za ex­tre­ma, che­ca­gem ou con­fe­rên­cia, con­ta­gem, or­ga­ni­za­ção, en­tre ou­tros. A te­ra­peu­ta Eri­ca com­ple­men­ta: “O TOC ca­rac­te­ri­za-se pe­la ri­tu­a­li­za­ção, re­pe­ti­ção sis­te­má­ti­ca e in­con­tro­lá­vel de re­a­li­zar com­por­ta­men­tos, ges­tos e pa­la­vras. O pa­ci­en­te apre­sen­ta uma que­da no ren­di­men­to ge­ral e na so­ci­a­li­za­ção por­que per­de mui­to tem­po e ener­gia con­fe­rin­do os de­ta­lhes des­tas re­pe­ti­ções e ri­tu­a­li­za­ções. A pri­mei­ra vis­ta po­dem pa­re­cer ape­nas pes­so­as pre­ca­vi­das, no en­tan­to, se pre­o­cu­pam de­mais com a saú­de (ma­nia de lim­pe­za, de do­en­ça, res­tri­ções ali­men­ta­res se­ve­ras e rit­mo de ati­vi­da­de fí­si­ca exa­ge­ra­do, ge­ran­do le­sões), com a se­gu­ran­ça (tran­cam tu­do, con­fe­rem fe­cha­du­ras, có­di­gos de se­gu­ran­ça, de for­ma exa­ge­ra­da e re­pe­ti­ti­va, por exem­plo) e têm mui­tas di­fi­cul­da­des em re­a­li­zar es­co­lhas, já que te­mem o er­ro de for­ma pa­ra­li­sa­do­ra” (saiba mais na ma­té­ria da pá­gi­na 29).

• Fo­bia so­ci­al

Pre­o­cu­pa­ção e pa­vor in­ten­so de ter con­ta­to com ou­tras pes­so­as são os sin­to­mas que ca­rac­te­ri­zam es­te trans­tor­no. Sen­tir um pou­co de ti­mi­dez em cer­tas oca­siões é co­mum, no en­tan­to, os por­ta­do­res des­sa fo­bia evi­tam a qual­quer cus­to es­sa si­tu­a­ção, che­gan­do a com­pro­me­te­rem o cam­po pro­fis­si­o­nal e pes­so­al.

• Sín­dro­me do pâ­ni­co

Cri­ses ab­so­lu­ta­men­te ines­pe­ra­das de me­do e

desespero fa­zem par­te da ro­ti­na dos por­ta­do­res des­se trans­tor­no. A pes­soa che­ga a pen­sar que vai mor­rer na­que­le mo­men­to e apre­sen­ta sin­to­mas co­mo ta­qui­car­dia. “A sín­dro­me do pâ­ni­co ge­ra um sen­ti­men­to de mor­te ou de des­gra­ça imi­nen­te, que ge­ral­men­te vem acom­pa­nha­do de do­res no pei­to, di­fi­cul­da­des res­pi­ra­tó­ri­as e gran­de per­da da es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal”, com­ple­ta a te­ra­peu­ta. • Ago­ra­fo­bia

Ge­ral­men­te as­so­ci­a­do à sín­dro­me do pâ­ni­co, nes­te qua­dro a pes­soa tem me­do de an­dar nas ru­as e em lu­ga­res mo­vi­men­ta­dos, de sair so­zi­nha de ca­sa, de ir a cer­tos lu­ga­res, co­mo ci­ne­ma ou mer­ca­dos, já que si­tu­a­ções co­mo es­tas cau­sam ner­vo­sis­mo, pre­o­cu­pa­ção e an­si­e­da­de ex­tre­ma. Além dis­so, há uma pre­o­cu­pa­ção exa­cer­ba­da de que al­go de ruim pos­sa acon­te­cer e não ha­ver nin­guém por per­to pa­ra pres­tar so­cor­ro ou não ter ne­nhu­ma ro­ta de fu­ga, por exem­plo. • An­si­e­da­de in­du­zi­da por uso de subs­tân­ci­as

Dro­gas co­mo co­caí­na, ál­co­ol, áci­do li­sér­gi­co e cer­tos me­di­ca­men­tos po­dem cau­sar qua­dros de an­si­e­da­de, pro­vo­can­do cri­ses de fo­bia e pâ­ni­co. Is­so po­de acon­te­cer de­vi­do aos efei­tos co­la­te­rais des­sas dro­gas ou por cri­ses de abs­ti­nên­cia cau­sa­das pe­la in­ter­rup­ção do uso fre­quen­te.

Sin­to­mas prin­ci­pais da an­si­e­da­de

Os qua­dros an­si­o­sos são re­a­ções na­tu­rais do or­ga­nis­mo, que po­dem se ma­ni­fes­tar di­an­te das mais di­ver­sas si­tu­a­ções. “A an­si­e­da­de pas­sa a ser con­si­de­ra­da uma do­en­ça psi­quiá­tri­ca qu­an­do os epi­só­di­os an­si­o­sos ocor­rem mui­tas ve­zes sem uma mo­ti­va­ção apa­ren­te, com mai­or in­ten­si­da­de e du­ra­ção e pas­sa a in­ter­fe­rir no dia a dia do pa­ci­en­te, sen­do um dos prin­ci­pais pro­ble­mas de saú­de men­tal dos bra­si­lei­ros”, es­cla­re­ce o psi­qui­a­tra Le­o­nard Ve­rea.

Ain­da de acor­do com o pro­fis­si­o­nal, as se­guin­tes sen­sa­ções, qu­an­do pre­sen­tes com frequên­cia na ro­ti­na, po­dem sig­ni­fi­car um qua­dro pre­o­cu­pan­te de an­si­e­da­de: • Agi­ta­ção; • Me­do ou pre­o­cu­pa­ção exa­ge­ra­da; • Do­res nas cos­tas e con­tra­ções mus­cu­la­res; • Mu­dan­ças re­pen­ti­nas na tem­pe­ra­tu­ra do cor­po; • Di­fi­cul­da­des de lo­co­mo­ção ou ex­ces­so de ener­gia; • Pal­pi­ta­ções; • Su­or ex­ces­si­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.