En­tre o re­al e o ilu­só­rio

As psi­co­ses são pa­to­lo­gi­as do sis­te­ma ner­vo­so. Sai­ba mais so­bre os transtornos re­la­ci­o­na­dos a elas

Segredos da Mente - - ÍNDICE -

As psi­co­ses são pa­to­lo­gi­as do sis­te­ma ner­vo­so. Sai­ba mais so­bre os transtornos re­la­ci­o­na­dos a elas

Vo­cê al­gu­ma vez pas­sou por um mo­men­to em que não sou­be afir­mar com cer­te­za se era re­al ou ima­gi­ná­rio? Já te­ve al­gum so­nho que, de tão con­cre­to, não sa­bia dis­tin­guir se aqui­lo es­ta­va de fa­to acon­te­cen­do ou não? Pa­ra al­gu­mas pes­so­as, tais vi­vên­ci­as po­dem ter um pe­so mui­to mai­or, in­do além das cri­a­ções oní­ri­cas do cé­re­bro du­ran­te o so­no e in­flu­en­ci­an­do di­re­ta­men­te no bem-es­tar men­tal: são as alucinações e os delírios.

Es­ses sin­to­mas mentais são cons­tan­te­men­te re­tra­ta­dos em fil­mes e sé­ri­es, sen­do re­la­ci­o­na­dos à “lou­cu­ra” dos per­so­na­gens. Con­tu­do, eles são mui­to mais do que re­cur­sos pa­ra dei­xar as tra­mas in­te­res­san­tes pa­ra o pú­bli­co. Es­sas ex­pe­ri­men­ta­ções fa­zem par­te de um con­jun­to de sin­to­mas que per­ten­cem à classe dos transtornos psi­có­ti­cos.

En­tre jo­vens

Mes­mo que delírios e alucinações não se­jam ex­clu­si­vos das psi­co­ses, são nes­ses qua­dros que mais apa­re­cem. “A psicose é uma pa­to­lo­gia do sis­te­ma ner- vo­so, es­pe­ci­fi­ca­men­te ce­re­bral/ men­tal, e ma­ni­fes­ta- se co­mo uma dis­tor­ção da re­a­li­da­de em al­gu­ma al­tu­ra da vi­da”, ex­pli­ca a neu­ro­ci­en­tis­ta, psi­ca­na­lis­ta e psi­co­pe­da­go­ga Marta Rel­vas.

Tais dis­túr­bi­os ocorrem com mais frequên­cia en­tre o fim da ado­les­cên­cia e o iní­cio da fa­se adul­ta, ge­ral­men­te, abran­gen­do a fai­xa etá­ria de 17 a 28 anos. Is­so por­que, nes­sa ida­de, “as co­ne­xões neu­ro­nais so­frem ajus­tes neu­ro­ma­tu­ra­ci­o­nal e neu­roquí­mi­cos con­ti­nu­a­men­te, co­mo uma ‘mon­ta­nha rus­sa’, e um con­jun­to de ge­nes pré-exis­ten­tes atua di­re­ta­men­te nes­sa fi­si­o­lo­gia neu­ral. A ba­se da psicose é psí­qui­ca e neu­ro­bi­o­ló­gi­ca”, in­di­ca a pro­fis­si­o­nal.

Tipos

Por ser um al­go tão com­ple­xo, as ori­gens da psicose po­de ter di­ver­sas ex­pli­ca­ções, ge­ran­do di­fe­ren­tes tipos de di­ag­nós­ti­cos, co­mo:

• Esquizofrenia: “a prin­ci­pal for­ma. A evo­lu­ção dos transtornos es­qui­zo­frê­ni­cos po­de ser con­tí­nua ou epi­só­di­ca, is­to é, há pos­si­bi­li­da­de de evo­luir de for­ma crô­ni­ca após o pri­mei­ro

“A psicose é uma pa­to­lo­gia do sis­te­ma ner­vo­so, es­pe­ci­fi­ca­men­te ce­re­bral/ men­tal, e ma­ni­fes­ta-se co­mo uma dis­tor­ção da re­a­li­da­de em al­gu­ma al­tu­ra da vi­da”

Marta Rel­vas, neu­ro­ci­en­tis­ta e psi­ca­na­lis­ta

sur­to ou apre­sen­tar vá­ri­os epi­só­di­os com re­la­ti­va me­lho­ra en­tre es­ses”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Sandra Car­va­lhais. A pes­soa com es­se di­ag­nós­ti­co de­ve pas­sar por mu­dan­ças psi­có­ti­cas que du­ram, pe­lo me­nos, seis me­ses (ve­ja mais na pá­gi­na 10).

• Trans­tor­no bi­po­lar - an­te­ri­or­men­te co­nhe­ci­do co­mo psicose ma­nía­co-de­pres­si­va, afe­ta mais de 60 mi­lhões de pes­so­as de acor­do com da­dos da OMS. Se­gun­do Marta Rel­vas, em tal con­di­ção “há uma al­te­ra­ção do es­ta­do de hu­mor ca­rac­te­ri­za­do pe­la al­ter­nân­cia de mo­men­tos de exa­ge­ra­da eu­fo­ria (ma­nia) com de­pres­são” (mais informações na pá­gi­na 12); • Trans­tor­no es­qui­zo­tí­pi­co: “ca­rac­te­ri­za­do por um com­por­ta­men­to ex­cên­tri­co e por ano­ma­li­as do pen­sa­men­to e do afe­to que se as­se­me­lham àque­las da esquizofrenia. Po­de com­por­tar afe­to frio ou ina­pro­pri­a­do, fal­ta de in­te­res­se e pra­zer nas vi­vên­ci­as e ten­dên­cia ao re­trai­men­to so­ci­al”, res­sal­ta Sandra.

• Psicose in­du­zi­da por dro­gas: “al­guns usuá­ri­os po­dem já ter apre­sen­ta­do com­por­ta­men­to psi­có­ti­co, e a dro­ga pi­o­ra seu es­ta­do men­tal. Já ou­tros de­sen­ca­dei­am o sur­to após o uso”, es­cla­re­ce o psi­có­lo­go Le­o­nar­do Bar­ros. Po­de ser cau­sa­da por ál­co­ol, ma­co­nha, co­caí­na, he­roí­na, etc;

• Psicose or­gâ­ni­ca: “cau­sa­da por le­são ce­re­bral ou en­fer­mi­da­de fí­si­ca que al­te­re o fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro, co­mo a en­ce­fa­li­te e o tu­mor ce­re­bral”, des­cre­ve Bar­ros.

• Psicose re­a­ti­va bre­ve: “sin­to­mas apa­re­cem de for­ma sú­bi­ta em res­pos­ta a um even­to mui­to es­tres­san­te pa­ra uma pes­soa mui­to sen­sí­vel. Nes­ses ca­sos a re­cu­pe­ra­ção ocor­re em pou­cos di­as”, fi­na­li­za Bar­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.