Os dois (ou mais) la­dos da mo­e­da

O trans­tor­no bi­po­lar não é ape­nas uma va­ri­a­ção en­tre o bom e o mau hu­mor

Segredos da Mente - - ÍNDICE -

O trans­tor­no bi­po­lar não é ape­nas uma va­ri­a­ção en­tre o bom e o mau hu­mor

Di­as bons e ruins fa­zem par­te do co­ti­di­a­no, mas a os­ci­la­ção cons­tan­te de hu­mor po­de in­di­car al­go anor­mal. Po­rém is­so não quer di­zer que uma pes­soa que mu­da fá­cil da rai­va pa­ra a ale­gria so­fre com al­gum dis­túr­bio. É ne­ces­sá­rio cui­da­do ao di­ag­nos­ti­car es­ta va­ri­a­ção de tem­pe­ra­men­to co­mo um ca­so de trans­tor­no bi­po­lar.

Neurô­ni­os des­co­nec­ta­dos

Se­gun­do o psi­ca­na­lis­ta Pau­lo Miguel Ve­las­co, no pa­ci­en­te com o dis­túr­bio, “o hi­po­cam­po é afe­ta­do em cer­ca de 10%, o que ge­ra per­da par­ci­al de co­ne­xão com os neurô­ni­os, di­mi­nuin­do a efi­cá­cia dos medicamentos”. As fun­ções des­ta área en­ce­fá­li­ca são li­ga­das ao ei­xo fron­tal, po­den­do da­ni­fi­car a me­mó­ria.

O cé­re­bro po­de so­frer com o ex­ces­so de neu­ro­trans­mis­so­res, co­mo o glu­ta­ma­to e a do­pa­mi­na. Em si­tu­a­ção de de­fe­sa, o ór­gão envia cé­lu­las pro­te­to­ras, o que cau­sa in­fla­ma­ções e fa­lhas nas li­ga­ções en­tre os neurô­ni­os.

Não há uma ida­de es­pe­cí­fi­ca pa­ra de­sen­vol­ver o trans­tor­no, sen­do mais co­mum, de acor­do com a psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no, “no iní­cio da vi­da adul­ta, dos 20 aos 25 anos. Po­rém, ca­sos mais tar­di­os po­dem sur­gir en­tre os 30 e 35 anos. Não há evi­dên­ci­as em cri­an­ças, mas na ado­les­cên­cia é pos­sí­vel ocor­rer de­vi­do às al­te­ra­ções nor­mais de hu­mor da pu­ber­da­de”.

Não é tu­do igual

O trans­tor­no ma­nía­co-de­pres­si­vo é fre­quen­te­men­te con­fun­di­do com ou­tros dis­túr­bi­os em vir­tu­de dos seus sin­to­mas. “É mui­to co­mum o bi­po­lar apre­sen­tar tra­ços de ou­tros transtornos co­mo a sín­dro­me bor­der­li­ne. Am­bos apre­sen­tam ins­ta­bi­li­da­de afe­ti­va, ir­ri­ta­bi­li­da­de, an­si­e­da­de cur­ta, ódio ex­ces­si­vo de al­guém e dis­túr­bi­os dis­so­ci­a­ti­vos”, ex­pli­ca Ve­las­co.

Di­fe­ren­te­men­te do sen­so co­mum, a pes­soa não tem que li­dar ape­nas com os pi­cos de hu­mor. Se­gun­do o psi­có­lo­go Le­o­nar­do Bar­ros, “a bipolaridade po­de pas­sar des­per­ce­bi­da e ser con­si­de­ra­da ca­rac­te­rís­ti­ca da per­so­na­li­da­de, além de ser con­fun­di­da com esquizofrenia e sín­dro­me do pânico”.

A re­la­ção com a de­pres­são

De acor­do com o Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Transtornos Mentais ( DSM-5), no trans­tor­no bi­po­lar, há a ocor­rên­cia de epi­só­di­os de­pres­si­vos. In­clu­si­ve, ou­tro no­me pa­ra trans­tor­no bi­po­lar é do­en­ça ma­nía­co-de­pres­si­va. “A pes­soa os­ci­la en­tre ma­ni­as e de­pres­são.

Por es­tar ex­tre­ma­men­te ir­ri­ta­da, ela se tor­na exi­gen­te e se zan­ga quan­do con­tra­ri­a­da”, des­ta­ca Jú­lia Bá­rány, psi­ca­na­lis­ta.

Di­fe­ren­te­men­te de va­ri­a­ções co­ti­di­a­nas de hu­mor, qu­em é bi­po­lar che­ga aos ex­tre­mos. Na fa­se ma­nía­ca, a pes­soa fi­ca eu­fó­ri­ca, com mui­ta ener­gia e se sen­tin­do mui­to bem. Por ou­tro la­do, na fa­se de­pres­si­va, há fal­ta de mo­ti­va­ção, ao pon­to de não sen­tir pra­zer em na­da. “As du­ra­ções das fa­ses va­ri­am de in­di­ví­duo pa­ra in­di­ví­duo. Por exem­plo, em um dia, uma pes­soa po­de ter al­te­ra­ções no hu­mor e em ou­tro fi­car no es­ta­do de­pres­si­vo por qu­a­tro se­ma­nas e três di­as com ma­nia”, con­ta a neu­ro­lo­gis­ta Vanessa Mul­ler.

Sem cri­se

É im­por­tan­te que um pro­fis­si­o­nal ( psi­có­lo­go ou psi­qui­a­tra) es­ta­be­le­ça um di­ag­nós­ti­co exa­to an­tes que qual­quer tra­ta­men­to se­ja ini­ci­a­do. Sem as me­di­ca­ções ne­ces­sá­ri­as, as cri­ses em in­di­ví­du­os bi­po­la­res são ine­vi­tá­veis. Os ní­veis va­ri­am de acor­do com a in­ci­dên­cia do bom e do mau hu­mor e são di­vi­di­dos em le­ve, mo­de­ra­do, gra­ve e crô­ni­co. O que os di­fe­re é a frequên­cia com que se ma­ni­fes­tam e o tem­po de du­ra­ção.

“O tra­ta­men­to à ba­se de lí­tio é o mais re­co­men­da­do, com efi­cá­cia em 86% dos ca­sos. Tam­bém é pos­sí­vel a ad­mi­nis­tra­ção de an­ti­de­pres­si­vos, an­si­o­lí­ti­cos e an­ti­con­vul­si­vos pa­ra ame­ni­zar as cri­ses”, re­ve­la o psi­ca­na­lis­ta Pau­lo Miguel Ve­las­co.

A psi­co­te­ra­pia po­de au­xi­li­ar no tra­ta­men­to do trans­tor­no bi­po­lar. “Ela fa­ci­li­ta a to­ma­da de cons­ci­ên­cia do hu­mor al­te­ra­do e dá sub­sí­di­os pa­ra o au­men­to do au­to­con­tro­le e au­to­co­nhe­ci­men­to, fun­da­men­tais pa­ra mi­ni­mi­zar os da­nos so­ci­ais, afe­ti­vos e fa­mi­li­a­res de­cor­ren­tes des­sa do­en­ça”, jus­ti­fi­ca Eri­ca Ai­dar, psicóloga.

Por meio des­sa al­ter­na­ti­va psi­co­ló­gi­ca, o pa­ci­en­te po­de ser in­cen­ti­va­do a realizar ca­mi­nha­das pa­ra aju­dar na fa­se de­pres­si­va, e mu­dan­ças no es­ti­lo de vi­da, com ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar e evi­tan­do es­tar em am­bi­en­te e si­tu­a­ções es­tres­san­tes.

“A bipolaridade po­de pas­sar des­per­ce­bi­da e ser con­si­de­ra­da ca­rac­te­rís­ti­ca da per­so­na­li­da­de, além de ser con­fun­di­da com esquizofrenia e sín­dro­me do pânico”

Le­o­nar­do Bar­ros, psi­có­lo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.