Além do ci­ne­ma

A psi­co­pa­tia é um trans­tor­no re­al, po­rém, não tão alu­ci­nan­te co­mo mos­tra a fic­ção

Segredos da Mente - - ÍNDICE -

A psi­co­pa­tia é um trans­tor­no re­al, po­rém, não tão alu­ci­nan­te co­mo mos­tra a fic­ção

São vá­ri­as as obras de fic­ção, co­mo fil­mes e li­vros, que tra­zem per­so­na­gens psicopatas. O com­por­ta­men­to egoís­ta, ma­ni­pu­la­dor e até ma­lé­fi­co fas­ci­na os au­to­res, que po­dem cri­ar di­ver­sas si­tu­a­ções en­vol­ven­do cri­mes e san­gue – mui­to san­gue!

Po­rém, na vi­da re­al, são pou­cos os ca­sos de psicopatas que che­gam a ma­tar. Na mai­o­ria das ve­zes, eles ape­nas cri­am ar­ma­ções vi­san­do o pró­prio be­ne­fí­cio. In­di­fe­ren­tes aos sen­ti­men­tos alhei­os, são ca­pa­zes de pas­sar por ci­ma de tu­do e de to­dos pa­ra con­se­gui­rem o que que­rem.

“Não fui com a sua ca­ra”

O ter­mo psi­co­pa­tia não es­tá pre­sen­te nas clas­si­fi­ca­ções in­ter­na­ci­o­nais de do­en­ças. Na ver­da­de, é co­nhe­ci­do co­mo trans­tor­no de per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al. De acor­do com a 5ª edi­ção do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Transtornos Mentais, es­ti­ma-se que o dis­túr­bio atin­ja en­tre 0,2% e 3,3% da po­pu­la­ção mun­di­al.

“Os transtornos de per­so­na­li- da­de são anor­ma­li­da­des da psi­que, ha­ven­do uma dis­so­nân­cia do afe­to e da emo­ção. Na psi­co­pa­tia, exis­te uma fal­ta de em­pa­tia e de co­mo­ção em re­la­ção ao ou­tro. Quan­do há uma exa­cer­ba­ção des­ta in­sen­si­bi­li­da­de, es­tes in­di­ví­du­os são clas­si­fi­ca­dos co­mo psicopatas”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra An­drea Kraft.

Na men­te psi­co­pa­ta

Com o de­sen­vol­vi­men­to da psi­qui­a­tria no sé­cu­lo 19, mui­tos transtornos se tor­na­ram mais co­nhe­ci­dos e ex­plo­ra­dos, fu­gin­do do ró­tu­lo ge­né­ri­co de lou­cu­ra. É o ca­so da per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al.

Ape­sar de se­rem, mui­tas ve­zes, re­tra­ta­dos co­mo pes­so­as sem es­crú­pu­los e de­men­tes, os psicopatas, na ver­da­de, têm bas­tan­te cons­ci­ên­cia do que fa­zem. Tan­to é que su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas são ma­ni­pu­la­ção, ex­plo­ra­ção e sa­dis­mo. O in­di­ví­duo não se im­por­ta em usar o pró­xi­mo, sen­tin­do até pra­zer em ver o so­fri­men­to alheio. “An­gús­tia e re­mor­so são sen­ti­men­tos im­pen­sá­veis pa­ra pes­so­as di­ag­nos­ti­ca­das des­ta for­ma. Ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas que elas não pos­su­em e me­re­cem des­ta­que são sen­so crí­ti­co e no­ção éti­ca”, de­ta­lha a psicóloga Cleu­ni­ce Me­ne­zes.

Sem es­pa­ço pa­ra o par­cei­ro

Se o psi­co­pa­ta não dá a mí­ni­ma pa­ra qu­em es­tá ao seu re­dor, ele se­ria ca­paz, en­tão, de se re­la­ci­o­nar com ou­tras pes­so­as? É cla­ro! Es­ta é a opor­tu­ni­da­de per­fei­ta de ma­ni­pu­lar pa­ra con­se­guir o que ele quer. En­tre fa­mi­li­a­res, ami­gos e co­le­gas de tra­ba­lho, ele é ca­paz de co­lher informações so­bre qu­em os cer­ca e usar is­so co­mo for­ma de chan­ta­gem.

“Ele cau­sa boa im­pres­são e é con­si­de­ra­do nor­mal por aque­les que o co­nhe­cem su­per­fi­ci­al­men­te. Po­rém, cos­tu­ma ser ego­cên­tri­co, de­so­nes­to e men­ti­ro­so”, acres­cen­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Psicopatas di­fi­cil­men­te sus­ten­tam re­la­ci­o­na­men­tos por mui­to tem­po, pois, quan­do se en­vol­vem com al­guém, é com a pre­ten­são de al­can­çar seus ob­je­ti­vos, se­ja po­der, sta­tus ou ape­nas por pu­ra di­ver­são. As­sim, es­tão sem­pre em bus­ca de pes­so­as ma­ni­pu­lá­veis pa­ra se re­la­ci­o­na­rem.

Iden­ti­fi­can­do

Não se sa­be ao cer­to o que ge­ra a psi­co­pa­tia, po­rém há vá­ri­os fa­to­res en­vol­vi­dos, des­de trau­mas psi­co­ló­gi­cos até ques­tões ge­né­ti­cas. As­sim co­mo qual­quer trans­tor­no men­tal, a psi­co­pa­tia so­men­te po­de ser di­ag­nos­ti­ca­da por pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos, is­to é, es­pe­ci­a­lis­tas no as­sun­to, co­mo psi­qui­a­tras e psi­có­lo­gos. Con­tu­do, não é al­go fá­cil.

A ca­pa­ci­da­de de dis­si­mu­la­ção do psi­co­pa­ta di­fi­cul­ta uma iden­ti­fi­ca­ção rá­pi­da e pre­ci­sa; por is­so, mui­tas ve­zes, são ne­ces­sá­ri­as di­ver­sas con­sul­tas e con­ver­sas pa­ra ter cer­te­za do qua­dro. Além dis­so, os sinais po­dem ser con­fun­di­dos com ou­tros transtornos, co­mo o ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo.

A ca­pa­ci­da­de do psi­co­pa­ta em ca­mu­flar su­as re­ais in­ten­ções e sen­ti­men­tos é tan­ta que o psi­qui­a­tra nor­te-ame­ri­ca­no Her­vey Clec­kley cri­ou o ter­mo “más­ca­ra da sa­ni­da­de”, ao pu­bli­car um li­vro homô­ni­mo, em 1941, no qual re­la­ta a des­cri­ção clínica mais in­flu­en­te da psi­co­pa­tia do sé­cu­lo 20. Pi­o­nei­ro do es­tu­do do trans­tor­no, Clec­kley acre­di­ta­va que um psi­co­pa­ta po­de se pa­re­cer co­mo uma pes­soa co­mo qual­quer ou­tra, mas usan­do uma más­ca­ra que es­con­de o dis­túr­bio.

“O que di­fe­ren­cia um psi­co­pa­ta dos de­mais in­di­ví­du­os é a fal­ta de emo­ção e cul­pa so­bre seus atos” Cleu­ni­ce Me­ne­zes, psi­ca­na­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.