Delírios ou alucinações?

Co­nhe­ça a di­fe­ren­ça en­tre es­ses sin­to­mas re­la­ci­o­na­dos a psi­co­ses e os tra­ta­men­tos mais usa­dos

Segredos da Mente - - ÍNDICE -

Co­nhe­ça a di­fe­ren­ça en­tre es­ses sin­to­mas re­la­ci­o­na­dos a psi­co­ses e os tra­ta­men­tos mais usa­dos

De­li­rar e alu­ci­nar são de­se­qui­lí­bri­os neu­rop­sí­qui­cos que al­te­ram as per­cep­ções no dia a dia. Ain­da que pa­re­çam ex­pe­ri­ên­ci­as si­mi­la­res e se­jam vis­tas co­mo sinô­ni­mos por par­te do gran­de pú­bli­co, têm su­as diferenças bem de­fi­ni­das.

Se­gun­do o psi­qui­a­tra Ma­rio Lou­zã, o de­lí­rio apre­sen­ta-se co­mo um fal­so jul­ga­men­to da re­a­li­da­de e é ex­pres­sa­do pe­los pen­sa­men­tos. “A pes­soa se sen­te per­se­gui­da por ou­tras na rua, ou pen­sa que to­dos a es­tão olhan­do e acu­san­do. Po­de achar que co­lo­ca­ram um chip em seu cé­re­bro pa­ra con­tro­lá-la”, ex­pli­ca o mé­di­co.

Já a alu­ci­na­ção po­de ser de­fi­ni­da co­mo um fenô­me­no ma­ni­fes­ta­do pe­la per­cep­ção sen­so­ri­al, ou se­ja, dos cin­co sen­ti­dos (ol­fa­to, ta­to, pa­la­dar, vi­são e au­di­ção). “Em ge­ral, o pa­ci­en­te con­ta que es­tá ou­vin­do vo­zes, ou ven­do coi­sas que não exis­tem. Há uma per­cep­ção fal­sa, de al­go ine­xis­ten­te”, com­ple­men­ta Lou­zã.

Di­fe­ren­tes tipos

Se­gun­do o Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co dos Transtornos Mentais ( DSM-5, na si­gla em in­glês), exis­tem va­ri­a­ções de alucinações e delírios. São elas:

Alucinações: au­di­ti­va; gus­ta­ti­va; ol­fa­ti­va; tá­til; vi­su­al; (in)con­gru­en­te com o hu­mor (em que a pes­soa vê ca­rac­te­rís­ti­cas psi­có­ti­cas cor­res­pon­den­tes ou não ao seu tem­pe­ra­men­to); ge­o­mé­tri­ca (o in­di­ví­duo alu­ci­na en­xer­gan­do for­mas ge­o­mé­tri­cas, tú­neis, es­pi­rais, etc.); so­má­ti­ca ( há uma per­cep­ção fí­si­ca de al­go in­ter­no ao cor­po).

Ain­da que, co­mo apon­ta o DSM-5, não se­ja co­mu­men­te uti­li­za­do, o ter­mo alu­ci­na­ção tam­bém po­de es­tar re­la­ci­o­na­do aos so­nhos. Quan­do se tem uma ex­pe­ri­ên­cia alu­ci­na­tó­ria en­quan­to ador­me­ce, dá-se o no­me de hip­na­gó­gi­ca; e quan­do ocor­re no mo­men­to do des­per­tar, de­no­mi­na-se alu­ci­na­ção hip­nopôm­pi­ca.

Delírios: “po­dem ser per­se­cu­tó­ri­os, de gran­de­za (me­ga­lo­ma­nia), de cul­pa e de ruí­na (de­pri­mi­dos que acre­di­tam que são res­pon­sá­veis por mui­tos pro­ble­mas e cau­sam o so­fri­men­to e em­po­bre­ci­men­to dos que es­tão à sua vol­ta)”, exem­pli­fi­ca o psi­qui­a­tra Ber­nard Mi­o­dow­nik. No de­lí­rio ero­to­ma­nía­co, a pes­soa crê que al­guém, se­gun­do o DSM-5, ge­ral­men­te de po­si­ção mais ele­va­da, es­tá apai­xo­na­do por ela.

Pre­juí­zos na vi­da pes­so­al

Mes­mo que os sin­to­mas ci­ta­dos aca­bem cha­man­do mais a aten­ção, exis­tem ou­tras ad­ver­si­da­des que po­dem ser en­fren­ta­das e que per­mi­ti­rão ao pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do (psi­qui­a­tra, psi­có­lo­go clí­ni­co ou psi­ca­na­lis­ta) di­ag­nos­ti­car o qua­dro de dis­túr­bio men­tal cor­re­ta­men­te.

“Uma das pi­o­res ex­pe­ri­ên­ci­as so­fri­das com gran­des con­sequên­ci­as é a bi­op­si­cos­so­ci­al, ou se­ja, os re­la­ci­o­na­men­tos e os con­ví­vi­os so­ci­ais, de­vi­do aos efeitos es­tres­so­res cau­sa­dos pe­los sin­to­mas”, pon­tua a neu­ro­ci­en­tis­ta e psi­ca­na­lis­ta Marta Rel­vas, o que aca­ba le­van­do à re­clu­são so­ci­al e a ou­tras di­fi­cul­da­des du­ran­te ta­re­fas diá­ri­as, co­mo no tra­ba­lho.

Co­mo es­cla­re­ce Ber­nard Mi­o­dow­nik, “al­te­ra­ções do pen­sa­men­to ( len­ti­dão ou ace­le­ra­ção), apa­tia, exal­ta­ção, trans­tor­no de hu­mor (de­sâ­ni­mo in­ten­so ou eu­fo­ria exa­ge­ra­da)” tam­bém são pos­sí­veis sinais da pre­sen­ça de um dis­túr­bio psi­có­ti­co.

Sain­do da ilu­são

“A alu­ci­na­ção é bem mais bran­da do que o de­lí­rio. O in­di­ví­duo que de­li­ra, pro­va­vel­men­te, tem sé­ri­os con­fli­tos mentais e tal­vez pre­ci­se usar medicamentos com fi­na­li­da­de psi­quiá­tri­ca”, apon­ta Marta.

Por is­so, quan­do se fa­la de tra­ta­men­to de psi­co­ses, os mais co­muns são re­mé­di­os e te­ra­pi­as psi­co­ló­gi­cas. “As me­di­ca­ções an­tip­si­có­ti­cas (co­mo ha­lo­pe­ri­dol, ris­pe­ri­do­na, olan­za­pi­na, ari­pi­pra­zol e amis­sul­pri­da) re­ti­ram a pes­soa do de­lí­rio e da alu­ci­na­ção em pou­co tem­po, se­ma­nas ou até me­ses. A psi­co­te­ra­pia po­de aju­dar a pes­soa a vol­tar a sua nor­ma­li­da­de de vi­da e re­cu­pe­rar seus tra­ba­lhos e fa­mí­lia”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra So­fia Bau­er.

Va­le res­sal­tar que es­sas subs­tân­ci­as só de­vem ser ad­mi­nis­tra­das com a re­cei­ta e o acom­pa­nha­men­to de um mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.