Me­do sem ex­pli­ca­ção?

Em ca­sos de transtornos fó­bi­cos, po­de ser ne­ces­sá­rio ir além do cons­ci­en­te pa­ra achar uma so­lu­ção

Segredos da Mente - - ÍNDICE -

Em ca­sos de transtornos fó­bi­cos, po­de ser ne­ces­sá­rio ir além do cons­ci­en­te pa­ra en­con­trar uma boa so­lu­ção

Os me­dos ca­rac­te­rís­ti­cos nos ca­sos de fo­bia cos­tu­mam ser ir­ra­ci­o­nais, po­rém, is­so não quer di­zer que se­ja im­pos­sí­vel en­con­trar uma ex­pli­ca­ção. Bas­ta pro­cu­ra­ra ori­gem bem lá no fun­do do baú men­tal, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo in­cons­ci­en­te, e tra­zê-la à to­na, de vol­ta ao cons­ci­en­te, pa­ra com­ba­ter o trans­tor­no pe­la raiz.

An­tes de mais na­da

A fo­bia é um trans­tor­no men­tal da classe das psi­co­ses. Di­fe­ren­te­men­te da psi­co­pa­tia (ve­ja mais na pá­gi­na 14), seus sin­to­mas de­cor­rem de um mau fun­ci­o­na­men­to men­tal, co­mo al­te­ra­ções em neu­ro­trans­mis­so­res, nes­se ca­so, a se­ro­to­ni­na, res­pon­sá­vel pe­lo es­ta­do de aler­ta ce­re­bral. “Quan­do se pas­sa por uma si­tu­a­ção de pe­ri­go, o cé­re­bro se pre­pa­ra pa­ra lu­tar ou fu­gir e envia o co­man­do aos mem­bros e ór­gãos pa­ra que eles pos­sam re­a­gir apro­pri­a­da­men­te”, ex­pli­ca a psicóloga Ana­lu Ia­nik Cos­ta.

Al­gu­mas áre­as do cé­re­bro são afe­ta­das, co­mo es­cla­re­ce o psi­qui­a­tra João Jor­ge Ca­bral No­guei­ra “em al­guns ca­sos, os gân­gli­os da ba­se do cé­re­bro es­tão mais ir­ri­ga­dos, além da re­du­ção do ta­ma­nho da amíg­da­la ce­re­bral, do hi­po­cam­po e al­te­ra­ções na re­gião pré-fron­tal”. Ain­da há um au­men­to da ati­vi­da­de lím­bi­ca e pa­ra­lím­bi­ca, res­pon­sá­vel pe­las emoções, mas, na mai­o­ria, não são en­con­tra­das pis­tas em exa­mes ce­re­brais. É es­se o mis­té­rio em re­la­ção às ori­gens das fo­bi­as, o que tor­na o in­cons­ci­en­te um per­so­na­gem im­por­tan­te pa­ra o tra­ta­men­to do trans­tor­no.

Quan­do é par­te do in­cons­ci­en­te?

É pos­sí­vel con­cluir que a fo­bia po­de ter ori­gem no in­cons­ci­en­te quan­do qu­em pos­sui o dis­túr­bio não tem co­nhe­ci­men­to de qu­ais são os pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos e o que cau­sa o mal-es­tar fí­si­co e psi­co­ló­gi­co.

Se­gun­do Ana­lu, “uma pes­soa que tem fo­bia, em al­gum mo­men­to da sua vi­da, pas­sou por uma si­tu­a­ção na qual o cé­re­bro ou o cor­po ati­vou es­tes me­ca­nis­mos. Por­tan­to, to­da vez que al­go se­me­lhan­te a es­ta si­tu­a­ção acon­te­ça, a me­mó­ria de­sen­ca­deia a mes­ma re­a­ção an­te­ri­or, dei­xan­do-a em es­ta­do de aler­ta”.

Uti­li­zan­do as ba­ses da psi­ca­ná­li­se, é pos­sí­vel en­ten­der o pro­ces­so do me­do in­com­pre­en­sí­vel, “pois es­sas re­a­ções não acon­te­ce­ram de for­ma cons­ci­en­te por von­ta­de da pes­soa, mas sim por uma ques­tão de me­ca­nis­mos re­la­ci­o­na­dos à so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na”, com­ple­ta a psicóloga.

Tra­zen­do à to­na

A ver­da­de é que não exis­te uma fór­mu­la má­gi­ca, nem é da noi­te pa­ra o dia, mas é pos­sí­vel re­ver­ter uma fo­bia (sim, há es­pe­ran­ça!). E o quan­to an­tes bus­car aju­da, me­lhor.

“Pa­ra o tra­ta­men­to de fo­bi­as, é im­por­tan­te que o psi­có­lo­go au­xi­lie a pes­soa a tor­nar cons­ci­en­tes es­ses pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes, a fim de que o me­do se­ja ra­ci­o­na­li­za­do, além de en­si­nar téc­ni­cas pa­ra que ela pos­sa con­tro­lar so­zi­nha os sin­to­mas as­sim que eles apa­re­çam”, ex­pli­ca Ana­lu. Con­for­me o tra­ta­men­to avan­çar, os sin­to­mas vão de­sa­pa­re­cen­do e, en­tão, o cé­re­bro e o cor­po me­mo­ri­zam que aque­la si­tu­a­ção, ob­je­to ou ani­mal não re­pre­sen­tam mais um pe­ri­go re­al e, as­sim, fa­zen­do com que o mal-es­tar psi­co­ló­gi­co e fí­si­co tam­bém di­mi­nu­am.

En­tre as li­nhas de psi­co­te­ra­pia mais co­mu­men­te uti­li­za­das, es­tão a te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal, a re­ch­ni­a­na, a psi­ca­ná­li­se e a Ges­talt te­ra­pia.

Além da psi­co­te­ra­pia

Se­gun­do o mé­di­co e te­ra­peu­ta Gilberto Ka­taya­ma, den­tre as téc­ni­cas uti­li­za­das, es­tá a re­pro­gra­ma­ção de memórias. “Se fei­ta com téc­ni­ca es­pe­cí­fi­ca e bem apli­ca­da, po­de eli­mi­nar a fo­bia, além de pro­por­ci­o­nar ao in­di­ví­duo uma boa qua­li­da­de de vi­da”, res­sal­ta Gilberto.

Já a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça acres­cen­ta co­mo al­ter­na­ti­va a hip­no­se. “São uti­li­za­das téc­ni­cas de su­ges­tão na ten­ta­ti­va de mos­trar que o ob­je­to do te­mor não re­pre­sen­ta pe­ri­go”, ex­pli­ca.

“Pa­ra o tra­ta­men­to de fo­bi­as, é im­por­tan­te que o psi­có­lo­go au­xi­lie a pes­soa a tor­nar cons­ci­en­tes es­ses pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes a fim de que o me­do se­ja ra­ci­o­na­li­za­do” Ana­lu Ia­nik Cos­ta, psicóloga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.