DENUNCIE!

Segredos da Mente - - Editorial -

Ju­an Car­los aler­ta que “não é qual­quer con­du­ta ca­paz de ge­rar da­no aos tra­ba­lha­do­res que se con­fi­gu­ra co­mo as­sé­dio mo­ral. Os fa­tos de­vem ser ana­li­sa­dos cui­da­do­sa­men­te pa­ra se con­cluir pe­la re­al exis­tên­cia”. Con­tu­do, se vo­cê se iden­ti­fi­ca com o pa­pel de ví­ti­ma, to­me as se­guin­tes pro­vi­dên­ci­as in­di­ca­das pe­los es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos: • não re­a­ja às ações do agres­sor e evi­te fi­car a sós com ele; • to­me no­ta dos fa­tos: re­gis­tre da­ta, ho­rá­rio da ação, des­cre­va o que foi fei­to e o no­me dos pre­sen­tes; • reú­na e-mails, men­sa­gens em apli­ca­ti­vos, fo­tos, gra­va­ções e fil­ma­gens em ví­deo que pos­sam aju­dar a com­pro­var; • se vo­cê é aten­di­do por psi­có­lo­go e/ou psi­qui­a­tra, pe­ça ates­ta­do ale­gan­do o mal cau­sa­do. “O as­sé­dio mo­ral ca­be pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo ca­so o fun­ci­o­ná­rio de­ci­da re­a­li­zar de­nún­cia, já que mui­tas ve­zes ele aca­ba não co­mu­ni­can­do a agres­são por re­ceio de ser des­li­ga­do da em­pre­sa”, in­di­ca a psi­có­lo­ga e te­ra­peu­ta El­len Mo­ra­es Sen­ra. Ju­an Car­los ain­da lem­bra que o as­sé­dio mo­ral não é con­si­de­ra­do cri­me, “ain­da que for­mas vi­o­len­tas que pos­sam ser uti­li­za­das no as­sé­dio pos­su­am tal qua­li­fi­ca­ção, co­mo no ca­so de vi­o­lên­cia, tor­tu­ra etc”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.