28 Per­das e frus­tra­ções

Su­pe­re as do­res e sai­ba quais os me­lho­res ca­mi­nhos em bus­ca do alí­vio emo­ci­o­nal

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO JULIANA BORGES EN­TRE­VIS­TAS ÉRIKA ALFARO, JULIANA BORGES E LE­O­NAR­DO GUERINO/CO­LA­BO­RA­DOR

S er de­mi­ti­do, rom­per um re­la­ci­o­na­men­to, per­der di­nhei­ro, en­fren­tar a mor­te de um en­te que­ri­do. Es­sas e ou­tras si­tu­a­ções as quais es­ta­mos su­jei­tos po­dem ser ex­tre­ma­men­te trau­ma­ti­zan­tes pa­ra al­gu­mas pes­so­as, afe­tan­do de for­ma brus­ca o emo­ci­o­nal. Is­so acon­te­ce por­que os even­tos que en­vol­vem per­das e frus­tra­ções não são fá­ceis de li­dar e, em ge­ral, cau­sam a sen­sa­ção de in­ca­pa­ci­da­de, ain­da que, na gran­de mai­o­ria, a pes­soa não te­nha cul­pa da­que­le ocor­ri­do.

Se­gun­do a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Lu­a­na Za­nel­li, a pi­or per­da pa­ra uma pes­soa – so­bre­tu­do pa­ra as mu­lhe­res – é a per­da de um fi­lho. “In­de­pen­den­te de sen­ti­do re­li­gi­o­so, en­ca­rar e li­dar com a mor­te nos faz ver a per­da sob uma pers­pec­ti­va mui­to do­lo­ro­sa. Quan­do pais – mais es­pe­ci­fi­ca­men­te as mães – per­dem um fi­lho, o trau­ma é tão gran­de que po­de cau­sar con­sequên­ci­as psi­co­ló­gi­cas, pois é co­mo ver o fim de um ser hu­ma­no a quem de­di­ca­mos to­do o nos­so afe­to, amor, aten­ção e cui­da­do”, co­men­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Mas, se­gun­do Lu­a­na, é pos­sí­vel li­dar com es­sa si­tu­a­ção, prin­ci­pal­men­te com o au­xí­lio de pro­fis­si­o­nais da área da psicologia.

“No iní­cio do tra­ba­lho psi­co­te­ra­pêu­ti­co, o aco­lhi­men­to é o fun­da­men­tal: dei­xar o pa­ci­en­te fa­lar, ela­bo­rar sua fa­la e se li­ber­tar, aos pou­cos, da dor da per­da ou da frus­tra­ção” Lu­a­na Za­nel­li, psi­có­lo­ga clí­ni­ca

À flor da pe­le

Ca­da ser hu­ma­no é di­fe­ren­te do ou­tro e, con­se­quen­te­men­te, re­a­ge às si­tu­a­ções de de­ter­mi­na­da ma­nei­ra. Po­rém, di­an­te das per­das, prin­ci­pal­men­te du­ran­te o lu­to, mui­tas pes­so­as aca­bam cri­an­do sen­ti­men­tos de rai­va, ran­cor, ódio e agres­si­vi­da­de em ge­ral. “Is­so po­de se tor­nar pa­to­ló­gi­co, ca­so afe­te emo­ci­o­nal­men­te a vi­da da pes­soa de mé­dio a lon­go pra­zo”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga.

Ain­da que nos di­as atu­ais se­ja ca­da vez mais fá­cil co­nhe­cer e se co­nec­tar com ou­tras pes­so­as, os in­di­ví­du­os têm se tor­na­do ca­da vez mais so­zi­nhos. “Ho­je, as pes­so­as são mui­to mais in­di­vi­du­a­li­za­das e sós, não tro­cam mais afe­tos co­mo fa­zi­am an­ti­ga­men­te. Es­sa es­cas­sez na for­ma co­mo se re­la­ci­o­nam po­de re­fle­tir em mo­men­tos im­por­tan­tes e na­tu­rais da vi­da, co­mo na ho­ra do lu­to. Mui­tos in­di­ví­du­os têm apre­sen­ta­do gra­ves ca­sos de de­pres­são após a per­da de um en­te que­ri­do. Tal mo­men­to, quan­do sen­ti­do de uma for­ma mui­to ra­di­cal, po­de, além de re­sul­tar em sín­dro­mes psi­co­ló­gi­cas, fa­zer de­sen­vol­ver trans­tor­nos fí­si­cos. Quan­do se per­de al­guém que­ri­do, pa­re­ce que per­deu tu­do. E es­sa ine­vi­ta­bi­li­da­de só acen­tua o sen­ti­men­to de im­po­tên­cia”, afir­ma a psi­co­te­ra­peu­ta Mau­ra de Al­ba­ne­si.

Um pas­so de ca­da vez

An­tes de qual­quer coi­sa, é im­por­tan­te lem­brar que é mui­to nor­mal não sa­ber li­dar com per­das e frus­tra­ções. Mas, a par­tir do mo­men­to que os sen­ti­men­tos cau­sa­dos por es­sas si­tu­a­ções in­ter­fe­rem ne­ga­ti­va­men­te no dia a dia, po­de ser ho­ra de bus­car aju­da. “Nin­guém qu­er per­der um em­pre­go, um fi­lho, um ami­go ou um côn­ju­ge. As per­das, em ge­ral, cau­sam dor”, com­ple­ta Lu­a­na. A pro­fis­si­o­nal ain­da re­for­ça a im­por­tân­cia de ami­gos e fa­mi­li­a­res do in­di­ví­duo per­ce­be­rem os si­nais da de­pres­são ou de ou­tros as­pec­tos emo­ci­o­nais e psi­co­ló­gi­cos mais som­bri­os, a fim de aju­dá-lo a me­lho­rar.

Além dis­so, pa­ra ven­cer es­ses traumas, a mo­ti­va­ção é pri­mor­di­al: di­an­te dos pro­ble­mas, é ne­ces­sá­ria uma ra­zão pa­ra su­pe­rá-los. “Mo­ti­va­ção é um con­jun­to de fa­to­res que, jun­to com o de­se­jo e a ne­ces­si­da­de, mo­bi­li­za nos­so com­por­ta­men­to e nos di­re­ci­o­na a um al­vo. Sem dú­vi­da, mo­ve a vi­da das pes­so­as, pois é pre­ci­so que ha­ja es­se es­tí­mu­lo in­ter­no, que nos le­va­rá a bus­car al­go ex­ter­no. É um im­pul­so que le­va a atin­gir os ob­je­ti­vos”, ana­li­sa a psi­có­lo­ga Fa­bi­a­ne Oli­vei­ra.

Li­dan­do com a dor

Pro­cu­rar aju­da no cam­po da psicologia po­de ser a me­lhor ma­nei­ra de li­dar com per­das e frus­tra­ções que afli­gem o emo­ci­o­nal. Pa­ra Lu­a­na, o tra­ta­men­to psi­co­ló­gi­co mais ade­qua­do nes­ses ca­sos é a psi­co­te­ra­pia (ou a psi­ca­ná­li­se). “O acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co con­tí­nuo é fun­da­men­tal. As ses­sões de­vem ser re­gu­la­res, por um pe­río­do, e sem per­der a pe­ri­o­di­ci­da­de (uma vez por se­ma­na). Não adi­an­ta o pa­ci­en­te pro­cu­rar aju­da só quan­do ‘es­ti­ver pi­or’, ou achar que por­que acor­dou me­lhor um dia sig­ni­fi­ca que não pre­ci­sa mais da te­ra­pia. Aban­do­nar o tra­ta­men­to po­de ser bas­tan­te pre­ju­di­ci­al”, aler­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Lu­a­na tam­bém cha­ma a aten­ção pa­ra uma ques­tão per­ti­nen­te: o pa­pel do psi­có­lo­go. De acor­do com ela, é im­por­tan­te que o pro­fis­si­o­nal não ma­ni­fes­te sua opi­nião du­ran­te as ses­sões que tra­tam des­se as­sun­to, di­zen­do co­mo ele pró­prio li­da­ria com aque­le ti­po de per­da ou, pi­or ain­da, ten­tan­do mi­ni­mi­zar a dor de seu pa­ci­en­te. “No iní­cio do tra­ba­lho psi­co­te­ra­pêu­ti­co, o aco­lhi­men­to é o fun­da­men­tal: dei­xar o pa­ci­en­te fa­lar, ela­bo­rar sua fa­la e se li­ber­tar, aos pou­cos, da dor da per­da ou da frus­tra­ção”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.