26 Timidez em ex­ces­so

A fobia so­ci­al é uma do­en­ça que me­re­ce aten­ção e de­ve ser se­ri­a­men­te tra­ta­da

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS JULIANA BORGES

A té que pon­to vo­cê dei­xa de fa­zer al­go por cau­sa da ver­go­nha? A timidez po­de ser um pa­drão de com­por­ta­men­to mui­to útil pa­ra evi­tar­mos si­tu­a­ções in­de­se­ja­das, mas, em al­guns ca­sos, ela aca­ba se trans­for­man­do em uma fobia so­ci­al, fa­zen­do com que o in­di­ví­duo abra mão de ta­re­fas sim­ples do dia a dia por me­do de se apro­xi­mar e se co­mu­ni­car com aque­les ao seu re­dor. “A timidez, ge­ral­men­te, nos pro­te­ge e nos dá os li­mi­tes do que é ou não se­gu­ro.

“Uma pes­soa que é mui­to tí­mi­da, além da di­fi­cul­da­de de fa­zer ami­gos e se co­mu­ni­car com os ou­tros, po­de ter uma au­toi­ma­gem mui­to ne­ga­ti­va, le­van­do-a a sen­tir tris­te­za e so­li­dão. Timidez não é do­en­ça, mas po­de dei­xar do­en­te” Ka­tia Ve­ga, psi­có­lo­ga cog­ni­ti­vo com­por­ta­men­tal

Po­rém, ela dei­xa de ser al­go co­mum quan­do tu­do ou qu­a­se tu­do o que a pes­soa se en­vol­ve ou es­co­lhe fa­zer é um mo­do de se afas­tar de si­tu­a­ções so­ci­ais”, ex­pli­ca Ka­tia Ve­ga, psi­có­lo­ga cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal.

Mas, vo­cê de­ve es­tar se per­gun­tan­do de que ma­nei­ra is­so po­de cau­sar traumas psi­co­ló­gi­cos em al­guém. Bem, na mai­or par­te dos ca­sos, a pes­soa com timidez em ex­ces­so não ex­pres­sa seus sen­ti­men­tos ou pen­sa­men­tos de for­ma ade­qua­da, pois te­me ser cri­ti­ca­da ou ri­di­cu­la­ri­za­da. To­dos es­ses fa­to­res di­fi­cul­tam ain­da mais a in­te­ra­ção com os de­mais, po­den­do ge­rar me­do, cri­ses de pâ­ni­co, an­si­e­da­de e sofrimento, e fa­zen­do com que os in­tro­ver­ti­dos se­jam fa­cil­men­te con­fun­di­dos com pes­so­as fri­as e dis­tan­tes.

Além do nor­mal

Nem to­do mundo se sen­te con­for­tá­vel ao fa­lar em pú­bli­co, ser o cen­tro das aten­ções ou pu­xar as­sun­to com ou­tras pes­so­as, e is­so é mais co­mum do que se ima­gi­na. Mas, co­mo to­das as coi­sas na vi­da, exis­te um li­mi­te pa­ra es­se sen­ti­men­to. “Pes­so­as in­tro­ver­ti­das di­ri­gem a ener­gia psí­qui­ca pa­ra o seu in­te­ri­or, ob­ser­vam mais de­ta­lhes e não de­pen­dem dos de­mais pa­ra se re­tro­a­li­men­tar, vol­tan­do o fo­co pa­ra si mes­mo. Já o tí­mi­do, em ge­ral, tem seu fo­co e su­as pre­o­cu­pa­ções ex­ces­si­vas vol­ta­das ao ou­tro”, de­cla­ra Ka­tia.

A par­tir do mo­men­to em que opor­tu­ni­da­des pro­fis­si­o­nais ou pes­so­ais aca­bam sen­do per­di­das em de­cor­rên­cia da timidez, sig­ni­fi­ca que ela pas­sou a ser um pro­ble­ma e de­ve ser le­va­da a sé­rio. “Al­guns si­nais de que é ne­ces­sá­rio se pre­o­cu­par: quan­do a timidez afe­ta for­te­men­te to­dos ou qu­a­se to­dos os as­pec­tos da vi­da, fi­nan­cei­ros (não con­se­guir di­zer não a uma ven­de­do­ra e aca­bar com­pran­do o que não pre­ci­sa­va), fa­mi­li­ar (evi­tar fa­lar so­bre pro­ble­mas e sen­tir pa­vor do con­fron­to, le­van­do ao agra­va­men­to de si­tu­a­ções que po­de­ri­am ter um des­ti­no me­lhor), qua­li­da­de de vi­da e iso­la­men­to, além de não con­se­guir se di­ver­tir ou mes­mo ter tran­qui­li­da­de pa­ra fa­zer as coi­sas por­que fi­ca ima­gi­nan­do si­tu­a­ções apa­vo­ran­tes que nun­ca che­ga­rão a acon­te­cer de fa­to”, lis­ta a pro­fis­si­o­nal.

Cau­sas

De acor­do com a psi­có­lo­ga, uma pes­soa não nas­ce tí­mi­da, tor­na-se tí­mi­da. E o pro­ble­ma po­de ser de­sen­ca­de­a­do de­vi­do a di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das ao lon­go da vi­da, co­mo di­vór­cio, vi­o­lên­cia, re­a­ções pa­ren­tais de su­per­pro­te­ção ou de se­ve­ri­da­de, en­tre ou­tras. “É im­por­tan­te sa­ber que o fa­to de a pes­soa se sen­tir in­se­gu­ra em cer­tas si­tu­a­ções não qu­er di­zer, ne­ces­sa­ri­a­men­te, que ela não de­se­je a com­pa­nhia de ou­tros in­di­ví­du­os, e mui­to me­nos que se­ja pas­si­va ou pre­gui­ço­sa. Mui­tas ve­zes, ela só não con­se­gue es­ta­be­le­cer ou man­ter uma re­la­ção”, res­sal­ta Ká­tia.

Do pro­ble­ma à so­lu­ção

Se a timidez não for com­pre­en­di­da co­mo al­go além de uma sim­ples ca­rac­te­rís­ti­ca de per­so­na­li­da­de, ela po­de dei­xar mar­cas do­lo­ro­sas, prin­ci­pal­men­te na in­fân­cia. “Uma pes­soa que é mui­to tí­mi­da, além da di­fi­cul­da­de de fa­zer ami­gos e se co­mu­ni­car com os ou­tros, po­de ter uma au­toi­ma­gem mui­to ne­ga­ti­va, le­van­do-a a sen­tir tris­te­za e so­li­dão. Timidez não é do­en­ça, mas po­de dei­xar do­en­te”, en­fa­ti­za a psi­có­lo­ga.

Pa­ra ven­cer es­se pro­ble­ma, é pre­ci­so, pri­mei­ra­men­te, re­co­nhe­cer to­dos os ma­les que is­so es­tá cau­san­do. Da mes­ma for­ma, pro­cu­rar a aju­da de um psi­có­lo­go é mui­to im­por­tan­te pa­ra com­pre­en­der as cau­sas, os sin­to­mas e a me­lhor ma­nei­ra de ul­tra­pas­sar es­se obs­tá­cu­lo. Pa­ra Ká­tia, uma abor­da­gem in­te­res­san­te den­tro da psicologia pa­ra li­dar com a timidez é a te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal. Ne­la, o pro­fis­si­o­nal bus­ca en­ten­der a di­men­são do pro­ble­ma e en­con­trar uma par­te no pa­ci­en­te que es­te­ja pre­ser­va­da e que o aju­da­rá a se sen­tir mais se­gu­ro, bus­can­do res­pei­tar o rit­mo de ca­da um. Nes­se tra­ta­men­to, o in­tui­to é tra­ba­lhar ca­da si­tu­a­ção que ge­ra o com­por­ta­men­to ina­de­qua­do, de mo­do que ele pos­sa ser as­si­mi­la­do e trans­for­ma­do con­ti­nu­a­men­te. “O ide­al é pro­cu­rar aju­da no pro­ces­so de te­ra­pia com o es­ti­lo que se sin­ta mais con­for­tá­vel. Mui­tas ve­zes, é ne­ces­sá­rio vi­si­tar mais de um psi­có­lo­go até en­con­trar aque­le com o qual vo­cê po­de re­la­xar e ser quem vo­cê é”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.