24 Após o cho­que

O es­tres­se pós­trau­má­ti­co pro­vo­ca me­do ex­ces­si­vo após si­tu­a­ções mui­to cho­can­tes

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO JULIANA BORGES E JUSSARA TECH/CO­LA­BO­RA­DO­RA

O trans­tor­no de es­tres­se pós-trau­má­ti­co (TEPT) é um qua­dro de so­fri­men­tos de­sen­ca­de­a­do após um ou mais traumas, se­ja guer­ra, aci­den­te de car­ro, as­sal­to ou uma do­en­ça gra­ve. “A ca­rac­te­rís­ti­ca cen­tral do qua­dro é a re­vi­vi­fi­ca­ção cons­tan­te do ocor­ri­do. De ma­nei­ra in­vo­lun­tá­ria, a pes­soa re­vi­ve de ma­nei­ra in­ten­sa a me­mó­ria, co­mo se fos­se pre­sen­te, mis­tu­ran­do-o com o pas­sa­do, co­mo se o even­to es­ti­ves­se se re­pe­tin­do (qu­a­se) di­a­ri­a­men­te, com a mes­ma vi­o­lên­cia e res­pec­ti­vos efei­tos”, ex­pli­ca o psi­có­lo­go Bayard Gal­vão.

Con­sequên­ci­as

É co­mum a quem so­fre com es­se pro­ble­ma apre­sen­tar al­guns sin­to­mas co­mo di­fi­cul­da­des de dor­mir, au­men­to de ir­ri­ta­bi­li­da­de, hi­pe­rex­ci­ta­bi­li­da­de (o in­di­ví­duo fi­ca al­ta­men­te sen­sí­vel a qual­quer ba­ru­lho ou des­con­for­to, co­mo se es­ti­ves­se sob o efei­to de al­gu­ma dro­ga es­ti­mu­lan­te), even­tu­al iso­la­men­to so­ci­al, con­cen­tra­ção e me­mo­ri­za­ção com­pro­me­ti­das, al­te­ra­ções brus­cas de hu­mor en­tre me­do, tris­te­za e rai­va, al­te­ra­ções no ape­ti­te (mui­ta ou pou­ca fo­me) e do­res de ca­be­ça ou mus­cu­la­res in­ten­sas.

Por den­tro do as­sun­to

O trau­ma é um acon­te­ci­men­to vi­o­len­to que fi­ca gra­va­do na mente. Se­gun­do Bayard, pou­cas pes­so­as es­que­cem os traumas ao lon­go de dé­ca­das. O pro­fis­si­o­nal re­for­ça que é um mi­to a ideia de que um acon­te­ci­men­to ex­ces­si­va­men­te trau­má­ti­co é apa­ga­do da me­mó­ria. “In­clu­si­ve, acon­te­ci­men­tos ruins, le­ves e mé­di­os do dia a dia po­dem pro­vo­car pro­ble­mas tão in­ten­sos quan­to os traumas. Nes­se ca­so, o sofrimento ape­nas se apre­sen­ta­ria de ma­nei­ra di­fe­ren­te, co­mo num qua­dro de an­si­e­da­de ou de­pres­são, mas sem a re­vi­vi­fi­ca­ção cons­tan­te do trans­tor­no de es­tres­se pós-trau­má­ti­co”, ex­pli­ca.

Iden­ti­fi­que os sin­to­mas

A lem­bran­ça in­ten­sa dis­pa­ra­da por si­tu­a­ções apa­ren­te­men­te ino­fen­si­vas, co­mo uma música, um fil­me, uma con­ver­sa, uma ima­gem ou um pen­sa­men­to, é o prin­ci­pal sin­to­ma. Por exem­plo: a pes­soa es­tá em um chur­ras­co em um sá­ba­do à tar­de e, re­pen­ti­na­men­te, de­sa­pa­re­ce ou co­me­ça a ter um com­por­ta­men­to de me­do ou ir­ri­ta­bi­li­da­de in­ten­sa, dan­do a im­pres­são de que te­ria en­lou­que­ci­do, quan­do, na re­a­li­da­de, se­ria uma re­vi­vi­fi­ca­ção da ex­pe­ri­ên­cia ocor­ri­da se­ma­nas, me­ses ou até anos atrás. “O ide­al se­ria que quem es­tá per­to e vê al­guém pas­san­do por es­sa

si­tu­a­ção, per­gun­te no mo­men­to ou lo­go após a cri­se: ‘o que es­tá ocor­ren­do na sua mente?’ ou ‘no que vo­cê es­tá pen­san­do?’. Du­as res­pos­tas po­de­ri­am in­di­car o trans­tor­no: lem­bran­ça in­ten­sa do trau­ma ou as emo­ções ocor­ri­das du­ran­te ele”, en­si­na o psi­có­lo­go.

Tra­ta­men­to

Pa­ra Bayard, o tra­ta­men­to é es­sen­ci­al­men­te psi­co­te­ra­pia e me­di­ca­ção. “Mas­sa­gens, acu­pun­tu­ra e va­ri­a­ções po­dem tra­tar os sin­to­mas, mas não as cau­sas. To­do trau­ma psi­co­ló­gi­co tem efei­tos or­gâ­ni­cos, mas tra­tar ape­nas des­te é co­mo tra­tar uma dor de ca­be­ça to­dos os di­as que se­ja pro­vo­ca­da pe­la con­tra­ção mus­cu­lar in­ten­sa de­vi­do à an­si­e­da­de. É ti­rar a dor ho­je pa­ra ter a mes­ma ama­nhã”, co­men­ta.

Ví­ti­ma se­cun­dá­ria

A di­men­são do es­tres­se pós-trau­má­ti­co não se li­mi­ta às pes­so­as que, de fa­to, en­fren­ta­ram al­gum ti­po de vi­o­lên­cia. Ela po­de atin­gir tam­bém aque­les que pre­sen­ci­a­ram fa­tos ex­tre­mos vi­vi­dos por ou­tros in­di­ví­du­os, com sin­to­mas bas­tan­te se­me­lhan­tes aos do TEPT de­sen­vol­vi­do pe­la pró­pria ví­ti­ma. Pro­fis­si­o­nais que li­dam com emer­gên­ci­as, co­mo bom­bei­ros e pa­ra­mé­di­cos, es­tão su­jei­tos a es­se ti­po de trau­ma, e tam­bém pre­ci­sam de pre­pa­ro e aju­da psi­co­ló­gi­ca no sen­ti­do de li­da­rem, em seu dia a dia de tra­ba­lho, com ex­pe­ri­ên­ci­as ex­tre­ma­men­te de­vas­ta­do­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.