22 As­sé­dio mo­ral

Ex­por al­guém a si­tu­a­ções hu­mi­lhan­tes no am­bi­en­te de tra­ba­lho é um ti­po de vi­o­lên­cia

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS JULIANA BORGES E RI­CAR­DO PICCINATO

E ste ti­po de vi­o­lên­cia é um pro­ble­ma mais fre­quen­te do que se ima­gi­na e, nor­mal­men­te, as ví­ti­mas não sa­bem re­co­nhe­cer a si­tu­a­ção. Ela en­vol­ve ca­sos de per­se­gui­ção, hu­mi­lha­ção e in­ti­mi­da­ção por par­te do em­pre­ga­dor con­tra o em­pre­ga­do, den­tro do am­bi­en­te de tra­ba­lho. Por ha­ver uma re­la­ção de au­to­ri­da­de e au­to­ri­ta­ris­mo, mui­tas ve­zes as coi­sas aca­bam ul­tra­pas­san­do os li­mi­tes e se trans­for­man­do

em com­por­ta­men­tos agres­si­vos e de­gra­dan­tes. A ví­ti­ma des­ses epi­só­di­os po­de, in­clu­si­ve, ter traumas psi­co­ló­gi­cos de­cor­ren­tes do abu­so, que ne­ces­si­tam de aten­ção e tra­ta­men­to.

Es­tá na lei

Se­gun­do a le­gis­la­ção e a dou­tri­na bra­si­lei­ra, ca­rac­te­ri­za-se co­mo as­sé­dio mo­ral: “A con­du­ta de na­tu­re­za psi­co­ló­gi­ca com o ob­je­ti­vo de des­trui­ção da ví­ti­ma, o ato pra­ti­ca­do de for­ma pro­lon­ga­da e re­pe­ti­ti­va no tem­po, a exis­tên­cia de da­no e ne­xo cau­sal en­tre o da­no ex­pe­ri­men­ta­do e a con­du­ta pra­ti­ca­da”, co­mo ex­pli­ci­ta o ad­vo­ga­do Ju­an Car­los Zu­ri­ta Pohl­mann

Ge­ral­men­te, o as­sé­dio se ini­cia co­mo pe­que­nos atos e ame­a­ças ve­la­das e po­dem par­tir de um su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­co (as­sé­dio ver­ti­cal des­cen­den­te, que é o mais co­mum). Tam­bém po­de ser re­a­li­za­do pe­lo su­bor­di­na­do em re­la­ção ao su­pe­ri­or (as­sé­dio ver­ti­cal as­cen­den­te) ou ser pra­ti­ca­do pe­los co­le­gas (as­sé­dio ho­ri­zon­tal).

A ví­ti­ma so­fre cons­tan­te­men­te, sen­do al­vo de ações re­pe­ti­ti­vas e de lon­ga du­ra­ção. “Mui­tas ve­zes, es­sa ação de ex­po­si­ção e cons­tran­gi­men­to du­ran­te a jor­na­da de tra­ba­lho faz o in­di­ví­duo de­sis­tir do em­pre­go. É um te­ma im­por­tan­te a ser dis­cu­ti­do, pois, se­gun­do da­dos da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho, 42% dos tra­ba­lha­do­res bra­si­lei­ros já so­fre­ram as­sé­dio”, aler­ta Bru­no Al­mei­da, psi­có­lo­go e co­a­ch.

Al­vos de psi­co­pa­tas

Jú­lio Cor­reia Ne­to, re­es­tru­tu­ra­dor de em­pre­sas e con­sul­tor de car­rei­ras, re­ve­la que, nos di­as de ho­je, há um in­cen­ti­vo ve­la­do ao as­sé­dio den­tro das em­pre­sas por con­ta da pres­são por re­sul­ta­dos e pro­du­ti­vi­da­de ca­da vez mai­o­res. “É o atin­gi­men­to do lu­cro sem jus­ti­çar os mei­os pa­ra al­can­çá-los. Mui­tos psi­co­pa­tas e ‘so­ci­o­pa­tas’ são va­lo­ri­za­dos co­mo ges­to­res exem­pla­res por mas­sa­cra­rem equi­pes em prol de re­sul­ta­dos ca­da vez mais re­chon­chu­dos”, re­ve­la. Jú­lio ain­da de­nun­cia que, atu­al­men­te, “exis­te uma per­se­gui­ção ve­la­da a pes­so­as com mais de 35 anos de ida­de, sen­do con­si­de­ra­das ve­lhas. A quan­ti­da­de de in­di­ví­du­os com do­en­ças emo­ci­o­nais ge­ra­das por am­bi­en­tes em­pre­sá­ri­as tó­xi­cos cres­ce ver­ti­gi­no­sa­men­te”.

Se­que­las in­ten­sas

A saú­de men­tal de uma pes­soa as­se­di­a­da mo­ral­men­te po­de so­frer da­nos se­ve­ros, co­mo ex­pli­ca o psi­có­lo­go Ro­ber­to Debs­ki: “Po­dem ocor­rer cri­ses de an­si­e­da­de, idei­as e ati­tu­des de vin­gan­ça, ata­ques de pâ­ni­co, de­pres­são, e até mes­mo pen­sa­men­tos sui­ci­das”. Uma vez que es­sa vi­o­lên­cia po­de ge­rar do­en­ças fí­si­cas e men­tais, “é in­di­ca­do que as pes­so­as que so­fre­ram com es­sa si­tu­a­ção pro­cu­rem tra­ta­men­to mé­di­co e psi­co­ló­gi­co com o ob­je­ti­vo de su­pe­rar o epi­só­dio, li­dar com as con­sequên­ci­as da me­lhor ma­nei­ra, res­ga­tar a au­to­es­ti­ma e au­men­tar a re­si­li­ên­cia”, com­ple­ta Ro­ber­to.

“É in­di­ca­do que as pes­so­as que so­fre­ram com es­sa si­tu­a­ção pro­cu­rem tra­ta­men­to mé­di­co e psi­co­ló­gi­co com o ob­je­ti­vo de su­pe­rar o epi­só­dio, li­dar com as con­sequên­ci­as da me­lhor ma­nei­ra, res­ga­tar a au­to­es­ti­ma e au­men­tar a re­si­li­ên­cia” Ro­ber­to Debs­ki, psi­có­lo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.