Mar­cas in­vi­sí­veis

A vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca po­de ge­rar da­nos mais se­ve­ros do que a agres­são fí­si­ca

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO JULIANA BORGES EN­TRE­VIS­TAS ÉRIKA ALFARO

Por vi­ver­mos em uma so­ci­e­da­de na qual ata­ques ver­bais ocor­rem cons­tan­te­men­te a nos­sa vol­ta, es­te ti­po de vi­o­lên­cia po­de não ser le­va­do tão a sé­rio quan­to as agres­sões fí­si­cas, que, mui­tas ve­zes, dei­xam le­sões, ci­ca­tri­zes e he­ma­to­mas em su­as ví­ti­mas.

Mas, ape­sar de pa­re­cer ino­fen­si­vo à pri­mei­ra vis­ta, o abu­so psi­co­ló­gi­co po­de ge­rar da­nos e traumas de­sas­tro­sos em quem o so­fre, im­pri­min­do mar­cas ne­ga­ti­vas e traumas pro­fun­dos que se­rão car­re­ga­dos du­ran­te to­da a vi­da.

Es­sa agres­são é co­mum, so­bre­tu­do, den­tro da pró­pria ca­sa, mas tam­bém no tra­ba­lho e na so­ci­e­da­de de ma­nei­ra ge­ral. A ma­ni­pu­la­ção, a des­va­lo­ri­za­ção e os in­sul­tos pas­sam a ser cons­tan­tes e con­tí­nu­os, e o agres­sor vai to­man­do con­ta, pou­co a pou­co, da mente da ou­tra pes­soa, até sen­tir que es­ta é to­tal­men­te de­pen­den­te de­le. As­sim, o au­tor das agres­sões faz com que a ví­ti­ma sin­ta-se di­mi­nuí­da e vá per­den­do a von­ta­de de vi­ver. Des­sa vi­o­lên­cia, sur­gem os traumas e as do­res, di­fí­ceis de se­rem apa­ga­dos.

De acor­do com o psi­có­lo­go e psi­co­pe­da­go­go Alé­dio Jo­sé As­sis Jaña, a vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca é mui­to sub­je­ti­va e, por is­so, tão di­fí­cil de ser per­ce­bi­da pe­la ví­ti­ma. “Ca­da su­jei­to vi­ven­cia a re­a­li­da­de de mo­do sin­gu­lar e, as­sim, o trau­ma po­de ter um pe­so di­fe­ren­te pa­ra uns e ou­tros. A vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca é is­so: o im­pac­to da re­a­li­da­de so­bre o psi­quis­mo”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal. Ou­tro im­pas­se que di­fi­cul­ta o re­co­nhe­ci­men­to da agres­são psi­co­ló­gi­ca é a re­a­ção da ví­ti­ma no mo­men­to em que é vi­o­len­ta­da. “A pes­soa que re­ce­be o ata­que ten­de a se sen­tir sen­sí­vel no pri­mei­ro mo­men­to pa­ra re­a­gir, e aca­ba fi­can­do per­di­da, fra­gi­li­za­da e re­fém des­sa si­tu­a­ção ofen­si­va”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga e te­ra­peu­ta in­te­gra­ti­va Adri­a­na Gan­di­ni Pez­zuo.

Ves­tí­gi­os e re­co­nhe­ci­men­to

Ain­da que pos­sa ser su­til, é im­por­tan­te se aten­tar a al­guns acon­te­ci­men­tos a fim de en­ten­der se aque­la si­tu­a­ção é ou não uma for­ma de vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca. “Ge­ral­men­te, o agres­sor ten­ta ini­bir o ou­tro ou ma­ni­pu­lá-lo pa­ra abrir mão de seus pró­pri­os sen­ti­men­tos e pen­sa­men­tos em prol da sua ne­ces­si­da­de de con­tro­le”, res­sal­ta Adri­a­na. Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, a prin­ci­pal fer­ra­men­ta e cau­sa da vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca é, jus­ta­men­te, in­ti­mi­dar os ou­tros e fa­zer com que se sin­tam im­po­ten­tes e in­ca­pa­zes de re­a­gir. “As pes­so­as agre­di­das cos­tu­mam até aca­bar com sen­ti­men­to de cul­pa, ques­ti­o­nan­do seus pró­pri­os va­lo­res”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

Nor­mal­men­te, o agres­sor é al­guém que já es­tá acos­tu­ma­do a li­dar com os ou­tros de mo­do vi­o­len­to, se­ja por­que de­sen­vol­veu es­se com­por­ta­men­to ao lon­go da vi­da ou por ter cres­ci­do em um am­bi­en­te emo­ci­o­nal­men­te vi­o­len­to. Além dis­so, é pos­sí­vel que a ví­ti­ma não en­xer­gue as ati­tu­des do­mi­na­do­ras co­mo for­ma de abu­so, mas sim co­mo cui­da­do ou pre­o­cu­pa­ção. En­tre­tan­to, pa­ra re­co­nhe­cer a con­di­ção, é fun­da­men­tal en­ten­der que não exis­te ape­nas uma for­ma de vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca ou de agres­sor, e que o abu­so po­de es­tar pre­sen­te até nos mo­men­tos me­nos alar­man­tes. “Al­guns exem­plos de vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca são: as­sé­dio mo­ral por par­te do cui­da­dor, im­po­si­ção de me­do ex­tre­mo, con­tro­le co­er­ci­ti­vo, in­sul­tos gra­ves, hu­mi­lha­ções, ame­a­ças, exi­gên­cia ex­tre­ma, re­jei­ção e iso­la­men­to”, lis­ta Adri­a­na.

Vi­o­lên­cia de gê­ne­ro

O abu­so psi­co­ló­gi­co é apon­ta­do pe­la OMS co­mo a for­ma mais pre­sen­te de agres­são à mu­lher, e sua na­tu­ra­li­za­ção é con­si­de­ra­da um es­tí­mu­lo a uma sé­rie de vi­o­lên­ci­as. Uma cla­ra con­fir­ma­ção dis­so é que três em ca­da cin­co mu­lhe­res jo­vens já fo­ram ví­ti­mas de vi­o­lên­cia em um re­la­ci­o­na­men­to, de acor­do com pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Da­taPo­pu­lar e Ins­ti­tu­to Avon em 2014. “En­tre ca­sais, é mais co­mum a mu­lher ser as­se­di­a­da pe­lo par­cei­ro. O abu­so ge­ral­men­te ocor­re por meio de fa­las que vão mi­nan­do a au­to­con­fi­an­ça, bai­xan­do a au­to­es­ti­ma e fe­rin­do o psi­co­ló­gi­co de tal for­ma que a mu­lher agre­di­da tem uma al­ta pro­pen­são a con­trair di­ver­sas sín­dro­mes, co­mo a do pâ­ni­co, por exem­plo”, aler­ta Lis­san­dra Cris­ti­ne Bas­si, neu­ro­lin­guis­ta, hip­nó­lo­ga e li­fe co­a­ch.

O fa­to de se­rem as mu­lhe­res as mai­o­res ví­ti­mas dos abu­sos psi­co­ló­gi­cos nos le­va a ou­tra ques­tão de ex­tre­ma per­ti­nên­cia: o ma­chis­mo da so­ci­e­da­de. Além de es­sas ví­ti­mas cres­ce­rem em um meio vi­o­len­to, são le­va­das a atu­rar as agres­sões ver­bais, as­sim co­mo o con­tro­le so­bre sua li­ber­da­de por seus pró­pri­os com­pa­nhei­ros. E es­se abu­so, que ini­ci­al­men­te con­fi­gu­ra­va-se co­mo um ti­po tri­vi­al, se con­ver­te em con­sequên­ci­as ca­tas­tró­fi­cas, que po­dem le­var aos ca­sos de vi­o­lên­cia fí­si­ca e fe­mi­ni­cí­dio.

Ci­ca­tri­zes pro­fun­das

A vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca po­de cau­sar sé­ri­os traumas às ví­ti­mas, mas os sin­to­mas são di­fe­ren­tes de pes­soa pa­ra pes­soa, co­mo ex­pli­ca Alé­dio: “Co­mo nos diz Freud, o trau­ma é a ex­pe­ri­ên­cia car­re­ga­da de emo­ção que não foi des­car­re­ga­da. Is­so sig­ni­fi­ca que a vi­o­lên­cia dei­xa co­mo con­sequên­cia o trau­ma, que aca­ba se des­do­bran­do em al­guns sin­to­mas, co­mo a ma­ni­fes­ta­ção psi­co­ló­gi­ca ou psi­cos­so­má­ti­ca da agres­são so­fri­da. Po­rém, ca­da pes­soa irá pro­du­zir a pa­to­lo­gia de acor­do com sua es­tru­tu­ra e me­ca­nis­mos de de­fe­sa”. Se­gun­do Adri­a­na, es­ses traumas, mui­tas ve­zes, só são per­ce­bi­dos quan­do a ví­ti­ma pas­sa por uma de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção si­mi­lar a que ela so­freu no pas­sa­do, fa­zen­do com que os sen­ti­men­tos ruins ve­nham à to­na no­va­men­te. “A vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca so­fri­da du­ran­te mui­to tem­po po­de ge­rar vá­ri­os ti­pos de trans­tor­nos, en­tre eles: iso­la­men­to so­ci­al, cri­ses de an­si­e­da­de e pâ­ni­co, de­pres­são, bai­xa au­to­es­ti­ma e sin­to­mas de es­tres­se pós-trau­má­ti­co”, afir­ma a es­pe­ci­a­lis­ta.

Em ca­sos mais gra­ves, os traumas ge­ra­dos pe­la vi­o­lên­cia

psi­co­ló­gi­ca po­dem le­var uma pes­soa a co­me­ter atos de de­ses­pe­ro, co­mo o sui­cí­dio. “Es­ses in­di­ví­du­os co­me­çam a se sen­tir tão de­pre­ci­a­dos, sem me­re­ci­men­to, que aca­bam por se dis­so­ci­ar de seus va­lo­res de so­bre­vi­vên­cia, ini­ci­an­do um pro­ces­so de per­da to­tal de sua iden­ti­da­de pes­so­al e in­di­vi­du­al”, es­cla­re­ce Lis­san­dra.

Ade­mais, um es­tu­do pu­bli­ca­do na Psy­cho­lo­gi­cal Trau­ma: The­ory, Re­se­ar­ch, Prac­ti­ce,

and Po­licy de­mons­trou que a vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca con­tra cri­an­ças e ado­les­cen­tes po­de pro­vo­car da­nos mais gra­ves do que a agres­são fí­si­ca ou o abu­so se­xu­al. En­tre os três ti­pos de agres­são, a psi­co­ló­gi­ca foi a mais for­te­men­te as­so­ci­a­da com trans­tor­no de­pres­si­vo, dis­túr­bio de an­si­e­da­de so­ci­al e ge­ne­ra­li­za­da, di­fi­cul­da­de de for­mar vín­cu­los afe­ti­vos e abu­so de subs­tân­ci­as.

Em bus­ca de aju­da

Uma vez que a vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca é iden­ti­fi­ca­da pe­la ví­ti­ma, a mes­ma de­ve se afas­tar do agres­sor. Fei­to is­so, é ne­ces­sá­rio bus­car aju­da pa­ra li­dar com as con­sequên­ci­as da­que­le abu­so. Se­gun­do Alé­dio, o psi­có­lo­go é o pro­fis­si­o­nal mais in­di­ca­do pa­ra is­so, uma vez que ele pos­sui con­di­ções de “es­cu­tar o te­ma, pe­ne­trar em sua di­men­são e, jun­to com o pa­ci­en­te, ir cons­truin­do sig­ni­fi­ca­dos pa­ra sua dor”. Mas, de acor­do com o es­pe­ci­a­lis­ta, não é pos­sí­vel de­ter­mi­nar qual a mo­da­li­da­de pre­fe­ren­ci­al de tra­ta­men­to psi­co­te­rá­pi­co, pois is­so de­pen­de do agra­vo à saú­de men­tal da­que­le in­di­ví­duo. “Na mai­or par­te dos ca­sos, o aten­di­men­to em gru­po é bas­tan­te in­te­res­san­te, so­bre­tu­do por seu as­pec­to de ela­bo­ra­ção ser mais rá­pi­da e pe­la sus­ten­ta­ção da dor pe­lo gru­po. No en­tan­to, pa­ci­en­tes com o ego mui­to fra­gi­li­za­do não po­de­ri­am fa­zer es­se ti­po de tra­ta­men­to, de­ven­do op­tar pe­la te­ra­pia in­di­vi­du­al”, de­cla­ra o pro­fis­si­o­nal.

“Ge­ral­men­te, o agres­sor ten­ta ini­bir o ou­tro ou ma­ni­pu­lá-lo pa­ra abrir mão de seus pró­pri­os sen­ti­men­tos e pen­sa­men­tos em prol da sua ne­ces­si­da­de de con­tro­le” Adri­a­na Gan­di­ni Pez­zuo, psi­có­lo­ga e te­ra­peu­ta in­te­gra­ti­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.