Saú­de men­tal

En­ten­da a im­por­tân­cia da psicologia pa­ra a li­ber­ta­ção dos me­dos e su­pe­ra­ção de traumas

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO ÉRIKA ALFARO, GIOVANE RO­CHA E JULIANA BORGES EN­TRE­VIS­TAS ÉRIKA ALFARO E CAMILA RAMOS/CO­LA­BO­RA­DO­RA

Mui­tas pes­so­as ima­gi­nam que a psicologia ser­ve ape­nas pa­ra o tra­ta­men­to de do­en­ças men­tais ou que fa­zer te­ra­pia é um bi­cho de se­te ca­be­ças. Mas a ver­da­de é que es­sa ci­ên­cia na­da mais é do que o es­tu­do da mente e do com­por­ta­men­to hu­ma­no. As te­ra­pi­as psi­co­ló­gi­cas são in­di­ca­das pa­ra to­das as pes­so­as que es­tão com di­fi­cul­da­de de li­dar com pro­ble­mas dos mais va­ri­a­dos ti­pos, pois o pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do irá aju­dar na re­so­lu­ção des­ses trans­tor­nos e tam­bém na bus­ca pe­lo au­to­co­nhe­ci­men­to.

Pa­ra aque­les que pas­sa­ram por al­gum ti­po de trau­ma emo­ci­o­nal, a psicologia po­de ser um ca­mi­nho de alí­vio e su­pe­ra­ção. O es­pe­ci­a­lis­ta po­de­rá tra­ba­lhar com di­ver­sas téc­ni­cas que per­mi­tem uma vi­da me­lhor e até mes­mo evi­tar con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas, ca­so se­ja pro­cu­ra­do o quan­to an­tes. “O pro­fis­si­o­nal de psicologia po­de ser um di­fe­ren­ci­al pa­ra quem per­ce­be que al­go em si mes­mo não es­tá fa­vo­re­cen­do a re­so­lu­ção de ques­tões que sur­gem na vi­da fa­mi­li­ar ou pro­fis­si­o­nal. O psi­có­lo­go con­tri­bui pa­ra que a pes­soa com­pre­en­da os mo­ti­vos que es­tão re­la­ci­o­na­dos a uma ati­tu­de que ge­ra frus­tra­ção e que, mui­tas ve­zes, traz a sen­sa­ção de fra­cas­so”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ari­a­na Ri­bei­ro Go­mes.

Li­vre-se dos pre­con­cei­tos

Ao fa­lar­mos de saú­de men­tal num ge­ral, mui­tos es­tig­mas sur­gem. Os in­di­ví­du­os que pro­cu­ram a aju­da pro­fis­si­o­nal, mui­tas ve­zes, são con­si­de­ra­dos “lou­cos” e sen­tem ver­go­nha de fa­lar so­bre o as­sun­to com ou­tras pes­so­as. Mas, na ver­da­de, en­ten­der os sen­ti­men­tos e a ma­nei­ra co­mo re­a­gi­mos a de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções po­de ser a cha­ve pa­ra me­lho­rar di­ver­sos as­pec­tos emo­ci­o­nais e con­se­guir vi­ver em paz con­si­go mes­mo. Pa­ra o psi­có­lo­go Ro­ber­to Debs­ki, os pro­ble­mas emo­ci­o­nais e as do­en­ças men­tais tra­zem mui­to sofrimento e li­mi­ta­ções àque­les que os sen­tem, po­rém, não dei­xam si­nais fí­si­cos, nem al­te­ra­ções la­bo­ra­to­ri­ais. As­sim, o fa­to de os trans­tor­nos não se­rem per­cep­tí­veis, co­mo uma fe­bre ou um os­so que­bra­do, aca­bam fa­zen­do com que as pes­so­as não os com­pre­en­dam. “O mes­mo ocor­re em sín­dro­mes do­lo­ro­sas, quan­do os pa­ci­en- tes mui­tas ve­zes são es­tig­ma­ti­za­dos por te­rem um sin­to­ma (a dor) que não po­de ser ob­je­ti­va­men­te me­di­do”, des­ta­ca o psi­có­lo­go.

É ho­ra de pro­cu­rar aju­da

Após dei­xar de la­do os con­cei­tos pré-es­ta­be­le­ci­dos so­bre a te­ra­pia, é ne­ces­sá­rio en­ten­der se há ne­ces­si­da­de de pro­cu­rar por um es­pe­ci­a­lis­ta. Se­gun­do Ro­ber­to, a ori­en­ta­ção pro­fis­si­o­nal de­ve ser re­qui­si­ta­da as­sim que a pes­soa ti­ver a cons­ci­ên­cia que pos­sui um con­fli­to psi­co­ló­gi­co ou um pro­ble­ma emo­ci­o­nal que não con­se­gue so­lu­ci­o­nar por si só, e per­ce­be que es­te sofrimento es­tá afe­tan­do seus re­la­ci­o­na­men­tos, sua pro­fis­são ou qual­quer área de sua vi­da. “Ou, ain­da, quan­do hou­ver uma ques­tão re­cor­ren­te que pa­re­ce re­sol­vi­da, mas sem­pre re­tor­na de ma­nei­ra se­me­lhan­te em ou­tra épo­ca”, com­ple­ta o psi­có­lo­go.

Na prá­ti­ca

As se­ções ser­vem co­mo aná­li­se da pró­pria mente, ba­se­a­das no re­la­to do pa­ci­en­te so­bre sua vi­da, ro­ti­na, sen­ti­men­tos, re­la­ções com o ou­tro e, até mes­mo, so­bre o pas­sa­do, pa­ra en­ten­der os traumas ne­le con­ti­do. A par­tir des­sa fa­se, é pos­sí­vel en­ten­der os ele­men­tos que le­va­ram o in­di­ví­duo a agir de cer­to mo­do e de sen­tir de­ter­mi­na­das coi­sas. “O pro­ces­so de res­sig­ni­fi­ca­ção en­vol­ve mui­ta dis­po­si­ção e dis­po­ni­bi­li­da­de do pa­ci­en­te em abrir a ca­be­ça pa­ra no­vas pos­si­bi­li­da­des e no­vos en­ten­di­men­tos de uma mes­ma si­tu­a­ção. Quan­do o sig­ni­fi­ca­do de uma me­mó­ria ou si­tu­a­ção atu­al se mo­di­fi­ca, as res­pos­tas, os sen­ti­men­tos e os com­por­ta­men­tos tam­bém se mo­di­fi­cam. O psi­có­lo­go é o pro­fis­si­o­nal mais ca­pa­ci­ta­do pra con­du­zir a pes­soa por es­se ca­mi­nho. Ele vai aju­dar a ma­ne­jar di­fi­cul­da­des que pos­sam sur­gir du­ran­te o pro­ces­so”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ca­ro­li­na Ve­ras. Se­gun­do a co­a­ch em bem- es­tar Flá­via Mot­ta, é im­por­tan­te es­tar sem­pre aber­to a no­vos pen­sa­men­tos e à mu­dan­ça du­ran­te o pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to, além de re­co­nhe­cer men­ta­li­da­des er­rô­ne­as. “Quan­do en­xer­ga­mos so­men­te uma op­ção ou de­fen­de­mos ar­du­a­men­te um úni­co pon­to de vis­ta, nos fe­cha­mos pa­ra uma no­va opor­tu­ni­da­de e, com is­so, per­de­mos mui­to", ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.