Fo­ra de con­tro­le

De­pen­den­do do grau da fobia, é im­por­tan­te pro­cu­rar aju­da

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO GIOVANE RO­CHA E JÉS­SI­CA PIRAZZA/CO­LA­BO­RA­DO­RA EN­TRE­VIS­TAS GIOVANE RO­CHA E NATÁLIA NEGRETTI/CO­LA­BO­RA­DO­RA

Apes­soa que gri­ta ao ver uma la­gar­ti­xa po­de não ter ape­nas aver­são ao ani­mal; tal­vez se­ja al­go mais no­ci­vo, co­mo uma fobia. O me­do pa­re­ce um si­nal de fra­que­za, mas faz par­te da vi­da do ser hu­ma­no co­mo um fa­tor de so­bre­vi­vên­cia em si­tu­a­ções de pos­sí­vel pe­ri­go ou aler­ta. Po­rém, em um ní­vel mais gra­ve, no qual o in­di­ví­duo sin­ta o te­mor em mo­men­tos que não apre­sen­tam uma re­al ame­a­ça, pre­ci­sa ser di­ag­nos­ti­ca­do e tra­ta­do, pois, ca­so con­trá­rio, po­de se tor­nar um pro­ble­ma ca­da vez mai­or no co­ti­di­a­no.

En­ten­den­do as di­fe­ren­ças

O me­do, por si só, não é um dis­túr­bio. Ele pre­ci­sa jun­tar-se à an­si­e­da­de pa­ra, as­sim, ca­rac­te­ri­zar um trans­tor­no fó­bi­co-an­si­o­so: a fobia. Pa­ra a me­di­ci­na, a fobia pre­ci­sa ser di­fe­ren­ci­a­da da aver­são pa­ra o di­ag­nós­ti­co e os pos­sí­veis tra­ta­men­tos. É quan­do o me­do ul­tra­pas­sa o ní­vel de uma re­pul­sa por ob­je­tos, ani­mais ou si­tu­a­ções e o in­di­ví­duo não con­se­gue ape­nas afas­tar-se e es­que­cer-se da sen­sa­ção. Se­gun­do o psi­qui­a­tra João Jor­ge Ca­bral No­guei­ra, “a fobia é mais for­te e apa­re­cem sin­to­mas que fa­zem mal, co­mo an­si­e­da­de, ner­vo­sis­mo, fal­ta de ar e ta­qui­car­dia, que, quan­do as­so­ci­a­dos, são de­no­mi­na­dos sín­dro­me do pâ­ni­co”.

É pos­sí­vel iden­ti­fi­car es­se ti­po de qua­dro por meio dos com­por­ta­men­tos e re­cur­sos apre­sen­ta­dos na ten­ta­ti­va de afas­tar o que cau­sa incô­mo­do. “Pa­ra mui­tas pes­so­as, tor­na-se re­la­ti­va­men­te sim­ples per­ce­ber um in­di­ví­duo fó­bi­co, por­que as su­as ati­tu­des se tor­nam so­ci­al­men­te ina­de­qua­das no con­tex­to so­ci­al no mo­men­to em que es­se me­do ex­tre­mo se ma­ni­fes­ta”, fri­sa o mé­di­co Gil­ber­to Ka­taya­ma.

Ori­gens

A fobia po­de evo­luir de um trau­ma ge­ra­do na in­fân­cia, na ado­les­cên­cia ou até mes­mo na fa­se adul­ta, sen­do mais co­mum em cri­an­ças pe­lo ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co não tão de­sen­vol­vi­do. E, ain­da de acor­do com No­guei­ra, o dis­túr­bio “po­de tam­bém vir de uma me­mó­ria an­ces­tral ou pas­sa­do atra­vés de ge­ra­ções pe­lo in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo ou fa­mi­li­ar. Há fo­bi­as que vá­ri­as pes­so­as na fa­mí­lia têm; até brin­ca­mos di­zen­do que é ge­né­ti­co”.

No cé­re­bro, a fobia es­tá li­ga­da à re­gião da amíg­da­la, que, co­mo ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no, “é res­pon­sá­vel por re­gu­lar os ‘alar­mes’ e o quan­to de­ve­mos fi­car aten­tos a al­gu­ma si­tu­a­ção”. Além dis­so, tam­bém es­tá li­ga­da à re­du­ção do hi­po­cam­po e à va­ri­a­ções na re­gião pré-fron­tal. A se­ro­to­ni­na, res­pon­sá­vel pe­lo es­ta­do de vi­gi­lân­cia ce­re­bral, é o neu­ro­trans­mis­sor de prin­ci­pal re­le­vân­cia na fobia e, por is­so, usa­do na me­di­ca­ção.

Quan­do é par­te do in­cons­ci­en­te?

É pos­sí­vel con­cluir que a fobia po­de ter ori­gem no in­cons­ci­en­te quan­do quem pos­sui o dis­túr­bio não tem co­nhe­ci­men­to de quais são os pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos e o que cau­sa o mal-es­tar fí­si­co e psi­co­ló­gi­co. Se­gun­do a psi­có­lo­ga Ana­lu Ia­nik Cos­ta, “uma pes­soa que tem fobia, em al­gum mo­men­to da sua vi­da pas­sou por uma si­tu­a­ção na qual o cé­re­bro ou o cor­po ati­vou es­tes me­ca­nis­mos. Por­tan­to, to­da vez que al­go se­me­lhan­te a es­sa si­tu­a­ção acon­te­ce, a me­mó­ria de­sen­ca­deia a mes­ma re­a­ção an­te­ri­or, dei­xan­do-a em es­ta­do de aler­ta”. Uti­li­zan­do as ba­ses da psi­ca­ná­li­se, é pos­sí­vel en­ten­der o pro­ces­so do me­do in­com­pre­en­sí­vel, “pois es­sas re­a­ções não acon­te­ce­ram de for­ma cons­ci­en­te por von­ta­de da pes­soa, mas sim por uma ques­tão de me­ca­nis­mos re­la­ci­o­na­dos à so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

En­fren­tar o me­do

“Pa­ra o tra­ta­men­to de fo­bi­as, é im­por­tan­te que o psi­có­lo­go au­xi­lie a pes­soa a tor­nar cons­ci­en­tes es­ses pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes, a fim de que o

“Pa­ra o tra­ta­men­to de fo­bi­as, é im­por­tan­te que o psi­có­lo­go au­xi­lie a pes­soa a tor­nar cons­ci­en­tes es­ses pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes, a fim de que o me­do se­ja ra­ci­o­na­li­za­do, além de tam­bém en­si­nar téc­ni­cas pa­ra que ela pos­sa con­tro­lar so­zi­nha os sin­to­mas as­sim que eles apa­re­çam” Ana­lu Ia­nik Cos­ta, psi­có­lo­ga

me­do se­ja ra­ci­o­na­li­za­do, além de tam­bém en­si­nar téc­ni­cas pa­ra que ela pos­sa con­tro­lar so­zi­nha os sin­to­mas as­sim que eles apa­re­çam”, ex­pli­ca Ana­lu. Con­for­me o tra­ta­men­to avan­ça, os sin­to­mas vão de­sa­pa­re­cen­do e, en­tão, o cé­re­bro e o cor­po me­mo­ri­zam que aque­la si­tu­a­ção, ob­je­to ou ani­mal não re­pre­sen­tam mais um pe­ri­go re­al e, as­sim, o mal-es­tar psi­co­ló­gi­co e fí­si­co tam­bém di­mi­nui.

Ma­ria Cris­ti­na res­sal­ta que “há cu­ra pa­ra fobia por meio de psi­co­te­ra­pi­as es­pe­cí­fi­cas e do uso de me­di­ca­men­tos pa­ra tra­tar a re­a­ção da an­si­e­da­de”. Os me­di­ca­men­tos são re­ser­va­dos pa­ra ca­sos gra­ves do dis­túr­bio e, se­gun­do No­guei­ra, exis­tem ain­da “as téc­ni­cas de des­sen­si­bi­li­za­ção e téc­ni­cas hip­nó­ti­cas re­gres­si­vas na bus­ca da ori­gem do trau­ma e res­sig­ni­fi­ca­ção, que são as me­lho­res, em­bo­ra exis­ta uma in­fi­ni­da­de de téc­ni­cas pa­ra fo­bi­as em vá­ri­as li­nhas te­ra­pêu­ti­cas”.

O im­por­tan­te é não en­ver­go­nhar-se do me­do e, por mais di­fí­cil que se­ja, en­fren­tá-lo. “Ter me­do de co­bra e vi­ver na ci­da­de po­de ser dei­xa­do pa­ra de­pois, mas ter me­do de ele­va­dor e tra­ba­lhar no dé­ci­mo an­dar é com­pli­ca­do”, fi­na­li­za o psi­qui­a­tra.

CONSULTORIAS Ana­lu Ia­nik Cos­ta, psi­có­lo­ga; Gil­ber­to Ka­taya­ma, mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ci­na do tra­ba­lho e ins­tru­tor de trei­na­men­tos do Nú­cleo Ser; João Jor­ge Ca­bral No­guei­ra, psi­qui­a­tra, hip­ni­a­tra, au­tor do li­vro Au­tos­co­pia:te­ra­pi­a­men­te-cor­poquân­ti­ca...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.