Es­pi­ral de sofrimento

As con­sequên­ci­as de es­tu­pros vão de de­pres­são e an­si­e­da­de a sui­cí­dio

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO JULIANA BORGES EN­TRE­VIS­TAS JULIANA BORGES E FE­LI­PE MON­TEI­RO/CO­LA­BO­RA­DOR

“É im­por­tan­te que ha­ja res­pei­to pe­la dor da­que­la pes­soa, sem jul­ga­men­tos e pre­con­cei­tos, além de apoio emo­ci­o­nal e aju­da pa­ra que ela re­cu­pe­re sua au­to­es­ti­ma” Bre­no Ro­sos­to­la­to, psi­có­lo­go

E sse é um dos cri­mes vi­o­len­tos que mais cres­ce em in­ci­dên­cia. Ain­da as­sim, es­ti­ma-se que ape­nas 50% dos ca­sos são no­ti­fi­ca­dos, uma vez que gran­de par­te das ví­ti­mas sen­te-se en­ver­go­nha­da ou com me­do de fa­zer de­nún­cia. Além dis­so, es­se é um ti­po de vi­o­lên­cia in­fli­gi­do nas mi­no­ri­as fe­mi­ni­nas. Ain­da que exis­tam ca­sos con­tra ho­mens, le­van­ta­men­tos mos­tram a dis­pa­ri­da­de da si­tu­a­ção. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), uma em ca­da cin­co mu­lhe­res foi ou se­rá es­tu­pra­da. E os nú­me­ros vão fi­can­do ca­da vez mais alar­man­tes: de acor­do com da­dos do Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, uma mu­lher é abu­sa­da se­xu­al­men­te a ca­da 11 mi­nu­tos.

Mui­to além do ato se­xu­al, o es­tu­pro é um ata­que agres­si­vo que de­sen­ca­deia re­a­ções emo­ci­o­nais com­ple­xas na ví­ti­ma, re­a­ções es­sas que cos­tu­mam ser mais pe­ri­go­sas do que as mar­cas fí­si­cas dei­xa­das pe­lo abu­so. “O es­tu­pro es­tá mui­to lon­ge de ser uma ques­tão se­xu­al, ou se­ja, ele não se con­fi­gu­ra nas do­en­ças se­xu­ais, e sim em per­so­na­li­da­des que pre­ci­sam ob­ter po­der por meio de atos sá­di­cos”, ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Taty Ades. A pro­fis­si­o­nal co­men­ta ain­da que as con­sequên­ci­as do abu­so po­dem ser va­ri­a­das, cau­san­do in­clu­si­ve traumas psi­co­ló­gi­cos e do­en­ças emo­ci­o­nais.

À bei­ra do abis­mo

Es­se ti­po de vi­o­la­ção marca de for­ma pro­fun­da um in­di­ví­duo, e das mais va­ri­a­das for­mas. “As con­sequên­ci­as po­dem ser di­ver­sas, in­clu­si­ve le­van­do ao sui­cí­dio. In­fe­liz­men­te, ca­sos as­sim são fre­quen­tes e as ví­ti­mas sen­tem-se an­gus­ti­a­das e de­sam­pa­ra­das. Elas po­dem so­frer trans­tor­no de es­tres­se pós-trau­má­ti­co (TEPT), de­sen­ca­de­ar de­pres­são, an­si­e­da­de, trans­tor­nos ali­men­ta­res, dis­túr­bi­os se­xu­ais e do hu­mor”, de­cla­ra o psi­có­lo­go Bre­no Ro­sos­to­la­to. Ou­tra im­pli­ca­ção po­de ser o abu­so de ál­co­ol e dro­gas, uma di­nâ­mi­ca au­to­pu­ni­ti­va que le­va, con­se­quen­te­men­te, ao agra­va­men­to de pro­ble­mas de saú­de. “Há tam­bém a di­mi­nui­ção da qua­li­da­de de vi­da, a in­sa­tis­fa­ção com o cor­po e com a pró­pria ima­gem e o es­ta­do emo­ci­o­nal de fra­gi­li­da­de e vul­ne­ra­bi­li­da­de”, res­sal­ta o pro­fis­si­o­nal.

A au­to­es­ti­ma e as re­la­ções afe­ti­vas tam­bém são afe­ta­das ne­ga­ti­va­men­te após es­se ti­po de vi­o­lên­cia. Vol­tar a ter re­la­ções se­xu­ais após o acon­te­ci­do po­de ser um ver­da­dei­ro de­sa­fio à ví­ti­ma, tan­to por aca­bar re­vi­ven­do o abu­so em sua mente, quan­to pe­las do­res fí­si­cas que po­de sen­tir. “Com o tem­po, ela po­de de­sen­vol­ver uma fal­ta ou até mes­mo um ex­ces­so de li­bi­do. O ex­ces­so ocor­re em al­guns ca­sos co­mo uma for­ma de de­fe­sa do or­ga­nis­mo, fa­zen­do com que a ví­ti­ma se ali­vie da dor emo­ci­o­nal du­ran­te um ato se­xu­al no qual ela sin­ta que pos­sui o po­der. Ca­da pes­soa re­a­ge de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te quan­to a is­so”, de­cla­ra Taty.

Co­mo su­pe­rar?

As ví­ti­mas de es­tu­pro de­vem re­ce­ber o aco­lhi­men­to de um gru­po mul­ti­dis­ci­pli­nar, com psi­có­lo­gos, mé­di­cos e psi­qui­a­tras que da­rão sus­ten­ta­ção às su­as do­res e an­gús­ti­as. “É im­por­tan­te que ha­ja res­pei­to pe­la dor da­que­la pes­soa, sem jul­ga­men­tos e pre­con­cei­tos, além de apoio emo­ci­o­nal e aju­da pa­ra que ela re­cu­pe­re sua au­to­es­ti­ma”, in­di­ca Bre­no. Ade­mais, é pre­ci­so que ha­ja um acon­se­lha­men­to so­bre as do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis (DSTs).

Den­tro do cam­po da psicologia, Taty afir­ma que a te­ra­pia psi­ca­na­lí­ti­ca é um óti­mo tra­ta­men­to, pois aju­da a li­be­rar to­da a frus­tra­ção e dor, aden­tran­do as mo­di­fi­ca­ções de per­so­na­li­da­de que es­sa pes­soa pos­sa ter. “Ou­tra te­ra­pia mui­to boa é a com­por­ta­men­tal, que irá tra­ba­lhar as di­fi­cul­da­des do dia a dia da pes­soa. Im­por­tan­te sa­li­en­tar que a me­di­ta­ção, a yo­ga e o exer­cí­cio fí­si­co são ali­a­dos im­por­tan­tes no pro­ces­so da cu­ra”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

CONSULTORIAS Bre­no Ro­sos­to­la­to, psi­có­lo­go; Taty Ades, psi­ca­na­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.